viagem para a EscandináviaBandeiras escandinavas Stock Photos/Antony McAulay/Shutterstock

Viagem para a Escandinávia: um guia prático e afetivo para iniciantes

Desde que fiz minha primeira viagem para a Escandinávia, em 2009, minha vida não foi mais igual. Afinal, eu não poderia sair “intocada” deste lugar. Pois, julgo a Escandinávia como sendo um outro ângulo da Europa, pelo qual comecei a conhecer o continente. Arrisco a dizer que foi pelo seu lado “b”, ou pelo menos pelas partes européias menos “hypadas”. Sim, os países da Escandinávia, ou países nórdicos, como também são conhecidos, não são a primeira escolha de destino na Europa, geralmente.

Mas, talvez, um destes países (ou até todos) possam entrar para a sua wishlist de viagens, em breve.

Viagem para a Escandinávia: um guia sentimental, antes do papo prático

Dinamarca, Suécia, Noruega, Finlândia e Islândia são esta Europa mais ao norte. E são, de fato, países com alguma unidade. Possuem raízes muito mais comuns entre eles do que entre cada um deles e quaisquer outros europeus. Mas, que ainda sim guardam muitas particularidades entre si. Seja pela língua, pelas diferentes moedas (somente a Finlândia usa o Euro) ou pelos costumes.

Mais do que a história viking e um conjunto de países ricos

A Escandinávia é bem conhecida pela história dos Vikings, que remete à ancestralidade na região. Também é conhecida por ser uma região com alto nível de renda e distribuição da mesma. Porém, a Escandinávia é mais do que um conjunto de países ricos, que figuram entre os maiores índices de desenvolvimento humano (IDH) do mundo. Para além disso, ou talvez como uma consequência disso, lá também é espaço onde ideias muito diferentes das quais estamos acostumadxs ganham solo fértil.

São países com sociedades muito desapegadas de certas coisas ou que criam outros sentidos para aquilo que conhecemos como religião, relações de gênero, direitos humanos, família entre outras coisas. Também possuem outras ideias sobre formas de estar no meio ambiente e de fazer política (por exemplo, acompanhe o trabalho da colega Claudia Wallin, com suas ótimas crônicas sobre a política Sueca).

Não vou mentir: talvez você não vá entender tudo isso que se passa por lá com apenas uma visita a um só país. Talvez seja necessário mais tempo para notar. Mas, acredito que uma viagem seja um ótimo começo para despertar a curiosidade que a gente tem sobre uma determinada cultura. E acho válido deixar-se despertar pelos sentimentos e sensações que estar na Escandinávia vai proporcionar.

A Escandinávia “arruinou” minha vida

Passeio de bike no bakken

Gra feliz depois do passeio de bike até o Bakken, na Dinamarca.

A minha viagem para a Escandinávia começou pela Dinamarca, em 2009. Cheguei ao país pelos ares e, de lá avistei aquela ilha de moinhos de vento ultramodernos. Já me deparava com um cenário incomum, pois o investimento em energias alternativas aqui no Brasil ainda é relativamente baixo. Não é todo dia que você se deparar com tantos cataventos em um cenário quase sci-fi em solo tupiniquim.

Naquele momento, eu já começava a intuir de alguma maneira que a experiência daquele país me transformaria. E transformou, mesmo. Não que eu tenha passado a odiar o Brasil depois disso. Mas sim, ficou mais complicado de viver e se conformar com certas coisas, principalmente com a desiguldade social que vivemos em nosso país. Pois ainda há tanta gente mal intencionada, tanta elite egoísta e tanto político corrupto e incompentente.

Por isso tudo, depois de viver durante um ano na Dinamarca, na segunda vez que estive na Escandinávia, escrevi um texto contando como a Escandinávia arruinou a minha vida. E decidi colocar este “adendo sentimental” ao post de hoje, pois acho importante “preparar o espírito” pra uma visita como essas. Afinal, a discrepância de realidades é muito grande. E não é difícil se apaixonar perdidamente por qualquer um dos países escandinavos e querer morar ali pra sempre. Pra quem gosta de temperaturas abaixo de zero, então, ainda é mais tentador.

Viagem para a Escandinávia: um guia prático

Como consequência de eu ter morado um ano na Dinamarca, a gente tem muito conteúdo sobre a Escandinávia por aqui. Seja sobre turismo ou festivais. Neste guia prático, vamos focar nos conteúdos de turismo das capitais de cada um dos países. O velho pilar das dicas de onde ficar, quanto e que dinheiro levar e também o que fazer em cada uma das capitais.

Estamos falando de roteiros e dicas básicas, essenciais. Pra ficar mais fácil, separei pelos países. Assim, você pode dar uma olhada geral, antes de escolher um destino. Em seguida, depois de escolher um destino você pode entrar em mais detalhes sobre aquele escolhido por você.

Porém, antes disso vale a pena enumerar algumas dicas que servem para toda a região:

Viagem para a Escandinávia – dicas gerais (para todos os países)

  1. A Escandinávia é relativamente cara. Porém, a viagem para a região é possível em orçamentos razoáveis. Contudo, você vai precisar das dicas certas pra fazer esta viagem dos sonhos caber em seu orçamento.  Por exemplo, uma das coisas que mais pesa sempre é a reserva de hotéis. Por isso, é importante comparar os melhores preços de estadia na região. Além disso, seguir algumas outras dicas que a gente dá sobre comer e beber em Oslo, Copenhague e Bergen, também.
  2. Somente a Finlândia é adepta ao euro como moeda. Portanto, quando viajar para a Escandinávia, em geral, você vai precisar trocar euro pelas moedas locais. Na Dinamarca, coroa dinamaruqesa(DKK); na Noruega, coroa norueguesa (NOK); na Suécia, coroa sueca (SEK); na Islândia, coroa islandesa (ÍKR). Eu aconselho você a levar menores quantias das coroas dos países, deixando pra trocar euros nas casas de câmbio de cada um. Compare e busque as cotações mais baratas. Faça as contas para não perder dinheiro, já que algumas operadoras de câmbio daqui podem cobrar mais caro pra te vender moedas que são mais raras, tal como as escandinavas.
  3. Todos os países escandinavos pedem que você apresente o seguro viagem para o período de estadia. TODOS. Portanto, não deixe de contratar um seguro viagem confiável. Os escandinvos costumam ser bastante rigorosos quanto a isso.
  4. Acordo de Schengen: todos os países da Escandinávia estão dentro do acordo de Schegen. Portanto, não há necessidade de visto prévio para entrar nesses países. Basta obedecer a regra da estadia por no máximo 90 dias.

Viagem para a Escandinávia – Dinamarca

viagem para a escandinávia

The Black Diamond Royal Library
Stock Photos/footageclips/Shutterstock

viagem para a Escandinávia

The Old Stock Exchange. Copenhague, Dinamarca.
Stock Photos/ foto-select /Shutterstock

Gosto de pensar um roteiro de iniciantes em Escandinávia que comece pela Dinamarca, meu país escandinavo preferido. Pois, acredito que a Dinamarca traduza muito bem este espírito nórdico – tanto o tradicional quanto o moderno. Um país que vive os frutos de um capitalismo misto e um estado de bem-estar social, com as pessoas mais felizes do mundo, em um dos lugares onde quase não há desigualdade social é, de fato, um lugar para inspirar curiosidade.

Além disso, Copenhague é uma das capitais mais importantes da Europa. Não apenas na área dos negócios e tecnologias, mas também como exemplo de cidade limpa, funcional, bem planejada. E não se pode esquecer que a Dinamarca é o país do Roskilde Festival, um dos maiores e mais antigos festivais na ativa na Europa. Então, seguem os post essenciais sobre Copenhague, para que você possa começar seu planejamento de viagem para a Escandinávia pela capital dinamarquesa:

Gostou da ideia de visitar a capital dinamarquesa? Então veja também o nosso guia completo de Copenhague. E se fircar a fim de ver outras partes do país, aposte em Aalborg 😉

Viagem para a Escandinávia – Noruega

Apesar de a Dinamarca ser meu lugar escandinavo favorito, onde morei e moraria outra vez, a Noruega também é estrela no meu coração. Principalmente quando o assunto é turismo. Acho que o país guarda mistérios entre seus fiordes e histórias escondidas nas montanhas que o cercam. Além de Oslo ser uma capital muito interessante, ainda existem várias cidades que merecem a visita, como Bergen, por exemplo.

Da Noruega também se pode presenciar o show de luzes mais bonito da natureza, a aurora boreal. Um dos destinos preferidos é a cidade norueguesa de Tromso. Mas pra quem quer começar pela capital norueguesa, seguem nossas dicas:

Caso ainda tenha um tempinho na sua visita à Noruega, não deixe de visitar Bergen. Saiba onde ficar em Bergen e também o que fazer por lá.

Viagem para a Escadninávia – Suécia

viagem para a escandinávia

Stortorget, em Estocolmo durante o natal.
Stock Photos/ dimbar76/Shutterstock

Os suecos sempre têm uma rivalidade sadia com os dinamarqueses. Estão sempre disputando quem é melhor, apesar de estarem mais unidos do que nunca – nem que seja pela ponte Oresund, uma das belezas arquitetônicas da Escandinávia.

Sem dúvida, a Suécia tem seus vários encantos, além do ABBA, que conquistou o mundo, e de Estocolmo ser uma das cidades mais lindas durante o Natal. A capital sueca também é uma das cidades mais importantes e voltadas para o turismo na região.  Não dá pra esquecer, ainda, que a Suécia é também país do Sweden Rock, um dos festivais de rock clássico e metal mais importantes na atualidade. Ficou interessadx? Veja as dicas básicas para turismo no país:

Veja também onde ficar em Malmo, uma cidade que merece sua visita quando você for à Suécia ( até porque está ao lado de Copenhague). E ainda, saiba o que fazer em Malmo, com ótimas dicas de turismo.

Viagem para a Escandinávia – Islândia e Finlândia

A Islândia é conhecida como terra do fogo e do gelo, por ter vulcões que surgem em meio a sua paisagem gelada. Todo este contranste convive de maneira a tornar o país pitoresco e muito interessante. Sem dúvida, um lugar único na Escandinávia inteira. Por isso, merece muito a visita. Além disso, a capital Reykjavík é linda!

 

viagem para a escandinávia

Visão aérea de Helsinque.
Stock Photos/Ikars/Shutterstock

Já a Finlândia, também guarda segredos e encantos em suas florestas, bem como lugares lindos para ver a aurora. Além de ser um dos locais em que melhor se pode vivenciar o sol da meia noite durante o verão. Vale ainda lembrar que, como não poderia ser diferente na Escandinávia, a Finlândia é um país limpo e organizado, e dono de festivais super legais, como o Tuska Open Air.  É também exemplar na educação, com as melhores notas do mundo em sistemas de avaliação como o PISA.

É uma pena que não exploramos estes países assim como fizemos com os demais (ainda). Mas, tão logo a gente o faça (e espero que seja logo), vamos colocando mais informações aqui neste tópico 😉

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

 

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

12 comments

Add yours
    • Gracielle Fonseca 20 fevereiro, 2019 at 11:32 Responder

      Que delícia, Maria Cláudia! Desejo que você tenha uma viagem maravilhosa nesse pedaço único da Europa <3! Ficamos felizes que os textos ajudaram. Agora é esperar um pouco mais e vai ser só alegria na Escandinávia!! Beijão!

    • Gracielle Fonseca 27 fevereiro, 2019 at 06:43 Responder

      Olá, Debi! Que demais! Desejo uma viagem maravilhosa <3 Sobre o transporte entre os países, é verdade! Aliás, boa sugestão de post ;). Mas então, de um modo geral, as conexões com avião podem ser mais diretas, às vezes com preços até iguais ou menores do que outras opções. Porém, sempre há opção de trem + ferry, ou ferry+ ônibus, exceto no caso da Islândia. Por exemplo: Dinamarca x Suécia, é bem tranquilo de trem. Dinamarca x Noruega pode ser de Ferry, já o trem passa pela suécia para depois ir à Noruega. Finlândia e Suécia também são bem conectadas por trem ou ônibus. O único caso extremo é a Islândia, mesmo. Aí tem que ser avião. Bjs!

  1. Linneu 3 março, 2019 at 21:06 Responder

    Olá Gacielle
    Iremos p Escandinávia em maio. Alguma dica bacana para ser uma viagem low budget e mesmo assim, curtimos bastante. Somos sem frescuras e gostariamos de conhecer o máximo possível da cultura e culinária local em 20 ddl.
    Agradeco sua dicas já dadas.
    E parabéns pelo bog. Nota 1000

    • Gracielle Fonseca 4 março, 2019 at 10:34 Responder

      Olá, Linneu! Que demais! Ótima opção de destino (aquela que ama a escandinávia e, portanto, é suspeita! heheh Mas enfim, amo msm!). Então, acho que a base de tudo é o bom planejamento. Pois aí vc vai evitar os imprevistos que custam mta grana ( e qualquer bobeirinha vai custar muita grana nessa região). A outra coisa que pode fazer diferença é o câmbio das moedas. Estude bem se aí onde vc mora a cotação da coroa não está muito cara. Pois, caso esteja, talvez seja melhor levar euros e trocar lá no danske bank, forex ou nordea. Além disso, acho que é preciso usar e abusar dos supermercados ( audi, netto e fakta principalmente, hehe) e reservar as refeições da noite, por exemplo, para conhecer a culinária local, ou o contrário. Outra coisa q também é legal e barata, bem como ainda oferece muita opção da confeitaria dinamarquesa, é o brunch. Há em alguns cafés, shoppings e centros comerciais.Pode ser uma boa pra comer um monte, à vontade, pagando algo em torno de 100 coroas por pessoa. E ainda dá pra conhecer parte da culinária do país. Também pode ser uma boa comprar city card de transporte e museus, já que vcs ficam mais dias por lá. Afinal, o transporte e as entradas de atrações podem ser relativamente caros. Grande abraço e uma linda viagem pra vcs! Obrigada pela leitura =*

  2. Nicole 6 abril, 2019 at 15:35 Responder

    Ei Gracielle! A d o r e i seu post! Nunca pensamos em ir para a Escandinávia e hj, num bate papo eu e meu marido, cogitamos a hipótese e decidimos depois de ler o seu post! Phoda, parabéns! Pequeno problema: só temos férias em dezembro/janeiro e 16 dias. Acha que estamos fora da caixinha ou a trip é viável? Bjo e sucesso!

    • Gracielle Fonseca 7 abril, 2019 at 14:32 Responder

      Ei, Nicole! Nossa, que massa que você curtiu o post e que decidiram viajar em função dele. Pois repito que vocês não irão se arrepender! A Escandinávia é encantadora, em vários aspectos. E mesmo que tenham apenas 16 dias, ainda no final de ano, acho super factível. O fim de ano nessa região também é animado, apesar de bem friozinho (mas é um frio totalmente suportável quando se está com as roupas adequadas). Espero em breve ter notícia de que a aventura nórdica de vocês saiu do papel! Qualquer dúvida, pode nos acionar. Beijão!

  3. Cynthia R L Passos 21 abril, 2019 at 20:21 Responder

    Excelentes dicas! Tenho uma dúvida quanto ao tempo necessário para conhecer Copenhague, Oslo e Bergen, Estocolmo e Helsinque, e dar um pulo em São Petesburgo. Você acha que em 3 semanas dá para fazer tudo sem muita correria?

    • Gracielle Fonseca 23 abril, 2019 at 01:10 Responder

      Muito obrigada, Cynthia! Fico feliz que tenha gostado! Então, acho 3 semanas um tempo ok para conhecer estas cidades, mesmo que de forma mais corrida, indo direto ao que interessa em cada uma delas. Porém, eu não posso afirmar sobre São Petesburgo. Pois, não estive por lá, não sei quanto tempo a logística consome, nem mesmo conheço todas as atrações que existem por lá e que tomariam tempo. Grande beijo!

  4. Marcelo Valice 9 julho, 2019 at 16:09 Responder

    Oi Gracielle, estou pensando em ir para Dinamarca(partir de Copenhague) no dia 29 de agosto(chegada) ao dia 10 de setembro(saída)…..gostaria da dica de um roteiro para esses 11 dias inteiros e quantos dia em cada lugar……………….valeu.

Deixe seu comentário