onde ficar em copenhague Igor Dymov via Shutterstock

Roteiro turistão da Dinamarca: o que fazer em Copenhague em um dia

Cabem aproximadamente 12 “Dinamarcas” em Minas Gerais. Logo você pode inferir que as distâncias não são lá tão grandes assim. E não deve ser mesmo. Afinal, uma tarde de pseudo verão foi o suficiente para ver de perto o que há de mais adequado para as pessoas com camisa de motivo floral e máquina fotográfica pendurada no pescoço. Não quer dizer que o que vimos naquela tarde se resume a tudo o que fazer em Copenhague. Mas se você não quer sair do país sem ver o “turistão” básico, um dia é suficiente para um roteiro básico (se tiver mais tempo, ou tiver dúvidas sobre a capital da Dinamarca, preparamos um guia completo de Copenhague).

Tá certo que a ideia era poupar energias para o Roskilde Festival, que estava para começar. Mas, quando nos demos conta, chegamos da estação em que descemos até a Radhus Platzen. Ela é uma das praças principais desse roteiro. E ela ficava perto do Tivoli – um lindo e caro parque de diversões em que há brinquedos, mas também shows e festivais. Andando menos de 10 minutos chegamos à Kongens Nytorv, uma das praças mais visitadas da capital. Por sua vez, ela estava do lado da famosíssima Nyhavn, uma rua charmosa à beira de um canal, cheia de bares e atrações musicais.

Não sentamos em nenhum, obviamente, uma vez que o preço de uma refeição equivalia ao preço da nossa compra de casa feita para quatro dias. Na Nyhavn você também poderia pagar 40 Coroas para passear de barco e ver o complexo de atrações turistonas que vimos a pé – a Ópera, Black Diamond, Pequena Sereia

Veja nossas dicas para aproveitar esses passeios em Copenhague com mais economia e menos filas 🙂

o que fazer em copenhague

Veja nossas dicas de onde ficar em Copenhague

Mais surpresas pelo caminho

Quando acabamos essa via crucis, ainda chegamos ao Palácio de Amalienborg, onde reside a família real dinamarquesa. Nenhuma ser nobre deu tchauzinho na janela. Topamos com uma dúzia de turistas e uns cinco guardinhas parados fazendo a ronda. Eles carregavam armas suntuosas e possivelmente carregadas. Todos tinham cara de soldadinho de chumbo e um chapéu que nunca os deixará passar frio na cabeça. Preciso falar que cobicei fortemente o chapéu?

Para uma tarde eu diria que compensou. No fundo, apesar de serem visualmente muito interessantes, com arquitetura moderna e belezas naturais no entorno, é um roteiro previsível. As atrações também são pouco interativas (seja pela natureza delas ou pela grana que se precisa pagar para interagir mais). Ah, e no meio disso tudo, ainda ali nos arredores da Kongens Nytorv, encontramos mercados de rua, HappyWall, artistas, viking, loja da Lego (para quem não sabe, Lego é criação da galera loirinha daqui: LEGO = leg godt que significa “brincar bem” em dinamarquês) e mais um tanto de outras coisas.

o que fazer em copenhagueHá muito mais o que fazer em Copenhague

Mas, apesar de pequenininho, o país valoriza a cultura e tem muito mais coisas para se ver por aqui. Muitas delas, felizmente, são gratuitas – eita paízinho caro essa Dinamarca, viu…

Em breve a gente posta mais experiências turísticas intercaladas com os festivais por aqui, pois esses dias estamos concentradas aqui no Roskilde Festival, e na sequência ainda vamos emplacar já um festival sueco, o Popegoja que é aqui do lado.

Vai viajar para a Dinamarca? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo, podem te barrar na migração. Além disso, é a garantia de amparo caso haja algum imprevisto com a sua saúde ou viagem. Aqui você pode encontrar o seguro mais barato e usar nosso cupom de desconto.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

Deixe seu comentário