wikimedia commons

Como programar sua viagem de festival

Quando a gente compra o ingresso do festival em que queremos ir, tudo é festa alegria e emoção.Muitas vezes é preciso comprar o ingresso antes de ter qualquer coisa planejada, pois eles se esgotam em menos de um dia de vendas (como é o caso do Wacken, Rock in Rio…)! Porém, antes de cair na farra festivaleira, é preciso ficar atento a muitos detalhes. Principalmente se em questão estiver um festival internacional.

As viagens para festival devem ser programadas como quaisquer outras, com alguns detalhes a mais para se atentar, talvez. Como é início de ano e muita gente tem começado pensar suas incursões festivaleiras por aí, ou às vezes está a meio caminho da programação de viagem, a gente resolveu te dar algumas dicas de planejamento. Muitas delas podem ser aproveitadas tanto para um festival nacional quanto para internacional. Depois de ler as dicas,  leia também as publicações que fizemos aqui com os locais/ festivais para os quais você tem pensado em ir. Cada post traz um tanto de preciosidade sobre as cidades e festivais. Já temos bons roteiros e dicas para quem quer dar uma chegadinha nos festivais da Europa 😉

Então, bora se programar, pessoal da festivaleragem:

1. Decida-se sobre os festivais de interesse e siga-os nas redes sociais mais do que você segue seus artistas e pretendentes. Falo isso porque você tem que se planejar, psicologicamente e financeiramente para comprar seus ingressos com antecedência. Ter grana em conta, disponível para esse gasto e ficar atento à primeira data de abertura das vendas. O Roskilde, Sziget e Wacken, por exemplo, fazem pré-venda. O ingresso para os dois primeiros pode ficar muito mais em conta se você comprar agora em fevereiro. Comprando um mês antes do festival, além de correr o risco de eles estarem esgotados, você também poderá pagar quase o dobro do valor. Já no caso do Wacken, fique atento à data e, no dia,  não faça mais nada na sua vida a não ser entrar no site de compra. A pré-venda desse ano esgotou em menos de 1 noite, e a venda normal, que sempre começa imediatamente após a pré venda, teve os ingressos esgotados em menos de 24 horas.

2. Faça amizade com uma planilha, ela poderá te ajudar: antes de tudo, essa é uma ferramenta muito legal para organizar suas finanças de viagem, ou até mesmo uma agenda de visitas aos locais de interesse. Antes de começarmos nossa aventura festivaleira pela Europa, eu e Pri abrimos uma planilha no google docs mesmo, e por lá organizamos possíveis gastos. Havia categoria estadia, supermercado, comer fora, gastos dentro do festival, transporte, emergências…isso vai te ajudar até mesmo a prever se vai ter como ir ou não para o festival. Por isso, às vezes é legal fazer essa planilha antes de quaisquer outras coisas que envolvam gasto de tempo e dinheiro. Blogs de viagem, como o do nossos amigos do 360 Meridianos também podem dar dicas muito bacanas sobre os locais por onde você pretende passar durante os festivais. Nesses blogs você pode encontrar, por exemplo, a média de custo em um dia de turismo numa cidade específica. Outra dica legal é fazer uma tabela ou lista de tarefas, para você não se esquecer de nada!

3. Compre as passagens aéreas: uma vez que já se decidiu o(s) destino (s) e se fez um orçamento mínimo de viagem, compre rápido sua passagem. Quanto maior a antecedência, melhor. Esse também é um momento que demanda muita calma. Você deve ser paciente para pesquisar os melhores preços e conexões. Nem sempre encontramos passagens baratas para o dia que planejamos mas, às vezes, quando mudamos nosso planejamento em um dia ou dois, a passagem pode ficar bem mais em conta. Os blogs de viagem também podem nos dar dicas sobre passagens. Também é legal curtir as páginas das empresas aéreas no Facebook para ficar por dentro de possíveis promoções. Alguns blogs afirmam que se esperamos para comprar as passagens às 15h das terças feiras, compraremos mais barato, pois seria o dia escolhido pelas companias aéreas para fazer promoções. Eu ainda não testei isso, mas talvez você possa ficar atento para testar. Se você for a mais de um festival, em países diferentes, também deve ficar atento às melhores conexões dentro da área em que pretende transitar. Alguns sites são interessantes para você comparar os preços das passagens aéreas: eu costumo usar o decolar, submarino e o edreams.

4. Organize seus documentos de viagem, tais como passaporte, visto, seguro viagem: você vai precisar ter um passaporte brasileiro válido pelo período que pretende viajar. Alguns países exigem visto para aceitar a sua entrada. Por isso, fique atento às exigências da imigração do país onde você quer ver o festival. Em países europeus que fazem parte do tratado de Shengen, nós brasileiros não precisamos de visto para permanência até 90 dias. Contudo, você ainda precisa olhar as exigências imigratórias de cada país. Boa parte deles pede para ver a passagem de volta em seu nome, o endereço ou os comprovantes da sua estadia, a comprovação de que você terá como se virar financeiramente durante sua viagem e um seguro de saúde e contra acidentes. Na viagem deste ano eu escolhi esse daqui, de uma empresa alemã super rápida e barata, a care concept. Escolhemos o seguro da categoria “economy” que custou 38 euros para 37 dias. Ou seja, aproximadamente 1 euro por dia. Acaba que, quando chegamos em Frankfurt, o camarada só olhou nossos passaportes, nossa passagem de volta e mais nada ( acho que ele já previa o 7×1 da Alemanha – chegamos dias antes da copa começar, rsrsrs).

5. Reserve sua acomodação: esse deve ser outro trabalho bem meticuloso e aliado a outras questões, como por exemplo, um roteiro turístico na cidade do festival e arredores. Em alguns casos, os festivais oferecem uma dobradinha entre hotel e transporte para o local do festival, como foi no Brutal Assault. Você também pode optar por acampar todos os dias de festival, certamente. Às vezes pode ter um amigo para lhe ceder um sofá. Tem muitxs estudantes brasileirxs mundo à fora por conta do Ciências Sem Fronteiras. Uma ideia é você tentar entrar em contato com essas pessoas para ver a possibilidade de quebrar um galho durante um ou dois dias hospedado na casa deles. Entre nas comunidades do Ciência Sem Fronteiras no face e pergunte. Não custa. Já para quem tem um orçamento maior, mas ainda não milionário, é preciso reservar com antecedência o hostel ou hotel. Fique atento e pesquise bastante, pois nem sempre o hostel é mais barato do que um hotel. Isso vai depender muito da localização e das estrelinhas do estabelecimento. Um bom site para pesquisas, na minha opinião é o booking.com.

6. Programe o transporte: além da sua passagem de ida e volta, você precisa programar a sua locomoção no país destino. Muitas cidades oferecem alguns tipos de cartões, por exemplo, Berlim Card, Copenhague Card. Eles te dão acesso à maioria dos meios de transporte da cidade, com um preço único para viagens ilimitadas. Eles costumam incluir também entrada gratuita em alguns museus e atrações. No entanto, nem sempre são uma boa opção- você pode acabar pagando mais caro por esse cartão sem ter tempo de visitar tudo o que ele te dá direito. Se ele for válido por 15 dias, por exemplo, e você for ficar apenas 1 semana, talvez já não seja vantajoso. As modalidades de cartões de transporte também são várias. Aqui na Dinamarca, por exemplo, se você comprar os tickets unitários de metrô/ônibus eles podem custar o dobro da viagem caso você compre os cartões com no mínimo 10 viagens ( klipkort), ou o eletrônico ( rejsekort). então, dica é pesquisar antes qual é o esquema de tickets de transporte na cidade que você vai visitar.

7. Faça um roteiro de atrações: é legal demais andar à deriva e descobrir coisas legais em uma cidade desconhecida. Mas, não rola de ficar fazendo isso todos os dias em uma viagem, pois corremos o risco de passar mais tempo andando do que vendo as atrações ( o que também não tem nada de errado e é um jeito de conhecer um lugar, de ter uma experiência). Contudo, quando viajamos para festival, nosso tempo fica bem corrido. Sempre vai acontecer aquele dilema entre ficar dentro do festival e conhecer melhor a cidade em que ele acontece. Aí, fica a critério de cada um. Pode ser que sempre haja algo interessante para se ver no local, e daí compensa perder alguns shows. Mas às vezes pode se tratar de um lugar um tanto quanto monótono. De qualquer forma, uma pesquisa mínima sobre a história do lugar em que o festival acontece bem como sobre a logística para a visitação de pontos turísticos se faz muito necessária.

8. Troque dinheiro: No meu caso, preferi comprar euros em espécie no Banco do Brasil mesmo. Pesquisei a cotação em várias casas de câmbio e na semana que comprei a praticada pelo banco era a melhor. Os travel cards dão quase no mesmo que você usar o seu cartão de crédito, agora que as taxas de serviço estão quase iguais. A vantagem do travel card é que ele cobra a cotação do dia e ela não se altera durante as suas compras, mesmo que a cotação da moeda seja alterada depois que você fez a sua recarga no cartão. Agora que o dólar está muito louco, talvez o travel card seja uma boa opção. Para ter mais detalhes sobre isso, é legal ler o post da minha amiga Luíza Antunes, lá no 360 meridianos. Ela te fala as vantagens e desvantagens de cada método usado para levar dinheiro na sua viagem.

9. Lembre-se de colocar remédios e primeiros socorros na sua mala: nem sempre é fácil encontrar medicamentos específicos e também pode ser difícil você comprar um simples antinflamatório sem receita dos médicos locais. Os festivais muitas vezes nos colocam diante de situações extremas ( principalmente se você for a um festival de metal e for fã de mosh, meu amigo). Portanto, traga a sua farmacinha pessoal.

10. Pesquise sobre as condições climáticas do local do festival: você precisa estar preparado para as mudanças bruscas que podem acontecer no clima. Por isso, além das roupas leves para festival, é sempre bom ter algo que possa te proteger da chuva e do frio.

11. Separe uma mochila de ataque, pochete, o que for: você vai precisar manter algumas coisas com você durante suas idas e vindas para o festival, tais como passaporte, dinheiro, chave do hotel, remédios, etc.

Pronto, agora você está minimamente preparado para curtir seu festival internacional com tranquilidade. Lembre-se de que, mesmo que você vá de excursão, muitos desses passos ainda são indispensáveis. Então, fique atento. E como última dica, traga muita disposição, pois festivalar e turistar no mesmo dia  é para os fortes! =)

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

3 comments

Add yours

Deixe uma resposta