Foto Gracielle Fonseca

Quanto custa viajar para um festival na Europa?

Depois de viajar para seis festivais no velho continente de uma só vez eu tenho uma resposta bem genérica para a pergunta “quanto custa viajar para um festival na Europa?”: depende. Depende da região da Europa para onde você vai, depende da “bombância” do festival, depende se você está disposto a acampar ou não, depende do câmbio. Dos festivais que eu Gra fomos, cada um consumiu proporções diferentes do nosso dinheiro dependendo das escolhas que fizemos.

Mas é claro que dá para fazer uma estimativa de custos a partir do momento que você escolhe qual é o festival que você vai, e foi isso que fizemos antes de fechar nossa rota. O que sempre colocamos na conta foi ingresso + hospedagem + alimentação. Considerados estes gastos, não pagamos mais que R$ 1.500 por um festival. Em alguns casos, pagamos menos ou até bem menos que isso. Achamos até festival de graça, o Popegoja, que acontece em um parque, em Malmö, na Suécia.

quanto custa viajar para um festival na europa

Em sentido horário: eu e Gra na Suécia, onde não gastamos nada para ir ao Popegoja; na Dinamarca, no Roskilde, o festival mais caro que encaramos; e na República Tcheca, no Brutal Assault, tão barato que rolou até de abrir mão do camping para ficar em hotel

Quanto custa viajar para um festival na Europa?

Com base nas nossas experiências e em um levantamento recente feito pela empresa de câmbio britânica Nº1 Currency, eu fiz dois gráficos (abaixo) que ajudam a dimensionar quanto custa viajar para um festival na Europa. São 11 festivais ao todo, e em quatro deles nós estivemos: o Roskilde, na Dinamarca, o Wacken, na Alemanha, o Brutal Assault, na República Tcheca, e o Sziget, na Hungria. A lista também inclui dois dos principais festivais europeus na atualidade, o Glastonbury (meu sonho de consumo, minha meca, meu amor platônico, meu tudo), na Inglaterra, e o Tomorrowland, na Bélgica.

Você vai notar ao ver os gráficos que dá para achar festivais que vão de cerca de R$ 500 a R$ 2.200, com muitas opções na faixa dos “R$ 1 mil e poucos”. A conta considera exatamente aqueles gastos que eu citei lá em cima: ingresso, hospedagem e alimentação. Neste caso, a alimentação foi desmembrada entre refeições e cerveja. Ou seja, a conta é para saber quanto custa incluir um festival na sua viagem para a Europa.

O custo final da viagem vai depender de uma série de fatores. Primeiro, do seu destino (para alguns você vai encontrar voos diretos, para outros terá que fazer conexões dentro da Europa). Depois, de quantos dias vai separar para turistar (ou se vai fazer isso durante o festival, ou se vai dividir metade do tempo para cada uma das duas atividades). Também depende dos deslocamentos que terá que fazer para o festival. Por exemplo: o Sónar acontece em Barcelona, uma cidade que certamente você já visitaria em uma viagem à Espanha. Já o Wacken acontece em uma cidade de mesmo nome na Alemanha, e há opções para se chegar lá de Berlim ou de Hamburgo.

Algumas ponderações muito importantes

  • Ficar acampado é uma ótima maneira de economizar com acomodação e também de aproveitar ao máximo o festival (apesar de ser mais cansativo). Quando não há custo com acomodação no gráfico, é porque o festival oferece camping. De praxe, o camping está incluído no preço do ingresso dos festivais na Europa. Uma exceção é o Tomorrowland, que cobra pelo camping

  • Os gastos com alimentação no gráfico são com base na comida vendida dentro dos festivais, que invariavelmente vai ser mais cara. Eu e Gra sempre levamos nossos próprios lanchinhos comprados em supermercados e isso reduziu drasticamente nossos custos. Logo, se você também é da nossa turma, tenha em mente que o custo final do festival que consta no gráfico pode ser reduzido. Em raríssimas exceções, como no Brutal Assault, não é permitido entrar com comida na área do festival (só no camping). Mas nós até que conseguimos despistar a revista nos três primeiros dias.

  • Festivais mais famosos e hypados, como o Tomorrowland e o Glastonbury, são naturalmente mais caros. É o peso, dentre outras coisas, do ~valor agregado de marca~

  • Quanto mais em direção ao centro e ao leste da Europa, mais animadores ficam os preços. Na Escandinávia é onde tudo é gritantemente mais caro. Isso vale para o turismo e também para os festivais

  • A lista de festivais no gráfico é uma amostra muito pequena das opções que existem na Europa. A Gra fez duas listas gigantes com muito mais festivais. Uma com festivais de rock/pop/indie/eletrônica e outra só com festivais de metal. Nós também temos um mapa de festivais de música com algumas centenas de festivais na Europa e também no resto do mundo

  • Leia também nossos posts sobre como organizar uma viagem para festival e como comprar seu ingresso para um festival gringo

Quanto custa viajar para um festival na Europa – na ponta do lápis

Ao passar o mouse pelas barras do gráfico você confere os valores exatos do custo total (primeiro gráfico) e dos custos específicos com ingresso, acomodação, comida e bebida (segundo gráfico). Os valores estão em reais:

Resumo da ópera: se é possível fazer um mochilão pela Europa ou dar a volta ao mundo, é mais possível ainda ir naquele festival mara no velho continente. Há opções de festival para todos os bolsos, em todas as regiões da Europa, de diferentes gêneros musicais, com formatos e locações incríveis, até inimagináveis. O pessoal lá é craque em fazer festival bom e fora do óbvio, até porque a concorrência é grande. Economize e planeje-se; depois, é só se jogar 😉

Comece a planejar sua viagem agora

Agora que você já sabe quanto custa viajar para um festival na Europa, comece a se organizar! Crie alertas de passagens, pesquise preços de hotéis e não se esqueça de fazer seu seguro viagem.

Encontre passagens para a Europa com o melhor preço

Faça seu seguro viagem para a Europa com desconto

Reserve hotéis na Europa

Compre pacotes de viagem para os grandes festivais da Europa

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

4 comments

Add yours
  1. Rodrigo 20 maio, 2016 at 14:38 Responder

    Boa tarde, uma duvida, uma pessoa deve ter um salario de quantos para poder começa a juntar uma grana, vamos supor 2 anos para o Wacken, porque a pessoa tem que ter um valor médio para poder guarda né?

    • Priscila Brito 22 maio, 2016 at 18:37 Responder

      Oi, Rodrigo. A questão, a meu ver, não depende tanto do seu salário e é bastante variável de pessoa pra pessoa. Depende mais dos seus gastos fixos e obrigatórios e do quanto você consegue guardar. Tem gente que às vezes ganha muito e também gasta muito, então não necessariamente vai conseguir guardar mais dinheiro que alguém que ganha um pouco menos. Se você quer ir pro Wacken, uma sugestão que dou é ver de quanto, em média, você vai precisar; depois veja quanto você pode guardar por mês. Assim você vai saber quanto tempo terá que guardar dinheiro. Neste post a gente dá dicas sobre guardar dinheiro para viajar pra festival:http://festivalando.com.br/como-economizar-dinheiro-para-viajar-para-um-festival/ Pode ser útil 😉

Deixe uma resposta