quanto custa viajar para o GlastonburyStock Photos/LaineN/Shutterstock

Quanto custa viajar para o Glastonbury

Não é preciso muito esforço pra estimar quanto custa viajar para o Glastonbury. Em uma viagem toda orçada com a poderosa libra esterlina, custa caro. Mas o quão caro? Bom, aí entram algumas variáveis, pois há arranjos diferentes para essa viagem que, no fim, podem mudar o preço final.

Dentre todos esses arranjos possíveis, este texto traz três cenários com orçamentos diferentes para tentar estimar em mais detalhes quanto custa viajar para o Glastonbury.

Algumas considerações antes de começar

Antes de tudo, vale repetir a ressalva que sempre é feita nos orçamentos do Festivalando: os cálculos presentes neste texto são estimados e vão variar conforme o câmbio da época, os seus hábitos de viagem e a duração pretendida para a sua viagem.

As contas a seguir foram feitas com o câmbio de 4/12/2018, com a libra a R$ 4,90.

Os valores finais incluem um período de cinco noites em Londres. Mas não quer dizer que este seja o tempo ideal. Depende se você já conhece ou não a cidade, se tem outros planos de viagem e ainda de outros fatores. Uma avaliação pessoal é que vai definir quanto tempo pode compensar ficar na cidade.

Na sequência, você vai encontrar três orçamentos que se diferenciam basicamente no tipo de hospedagem escolhida durante o festival e nos dias em Londres. Os demais custos são praticamente os mesmos em todos os orçamentos. É o caso da passagem aérea, do transporte e da alimentação:

Passagem

  • Foi considerado o preço médio de um voo direto para Londres, sem conexões no Brasil ou na Europa, conforme tarifas recentes

Transporte

  • Foi considerado o valor do transfer de trem vendido pelo próprio festival para o trajeto ida e volta de Londres/Glastonbury
  • Para o transporte nos dias de turismo em Londres, foi considerado o preço do passe de metrô com viagens ilimitadas pelo período

Alimentação

  • Para o Glastonbury, foi feita uma estimativa para compras no supermercado, uma vez que é permitida a entrada de alimentos e bebidas (inclusive alcoólicas) para consumo pessoal
  • Para a alimentação em Londres, foram considerados os custos de uma refeição na rua e lanches comprados em supermercados, o que costuma ser mais barato, e supondo que o café da manhã será feito no hotel ou hostel.

Custos locais com transporte, alimentação e outros produtos e serviços atualizados podem ser verificados neste site colaborativo.

Acompanhe a seguir os três orçamentos:

Quanto custa viajar para o Glastonbury: modo Mochilão

Também conhecido em outros orçamentos feitos aqui no Festivalando como “Pé de Chinelo Style”, o modo mochileiro é o que tem o orçamento mais enxuto de todos. A mudança sutil de nome foi necessária porque em uma viagem orçada em libras esterlinas não há espírito pé de chinelo que consiga fazer as coisas ficarem extremamente baratas 😛

Este orçamento considera que você vai acampar no festival levando seu próprio equipamento. Neste caso, o direito ao camping já está incluído no ingresso. Se você não tiver barraca e afins, terá que incluir os custos desse material no valor final. As contas também consideram uma compra razoável no supermercado para encarar os cinco dias de acampamento no festival.

Além disso, inclui uma hospedagem bastante econômica em Londres, em quarto compartilhado. É possível encontrar hostels com boa localização e um preço bem baixo, mas é preciso abrir mão do conforto.

quanto custa viajar para o Glastonbury

Quanto custa viajar para o Glastonbury: modo Comodidade

A única diferença deste segundo orçamento para o anterior diz respeito ao camping. Ao invés de levar seu próprio equipamento, você optará por comprar um pacote vendido pelo próprio festival que já inclui a barraca montada. Esta venda é feita juntamente com a venda de ingressos.

Isso significa menos peso para carregar na viagem e menos trabalho quando chegar no festival. Não é preciso preocupar-se, por exemplo, em montar a barraca nem em disputar um bom lugar; tudo estará resolvido pra você.

Mas essa comodidade tem um custo e ele não é baixo. O pacote com a barraca mais simples é mais caro que o próprio ingresso. Pra quem for com companhia pode ficar mais interessante, pois a barraca acomoda duas pessoas, sendo possível, portanto, dividir o preço. Há pacotes para quatro pessoas também.

quanto custa viajar para o Glastonbury

Quanto custa viajar para o Glastonbury: modo Conforto

Se a palavra-chave neste terceiro orçamento é conforto, significa então que outra palavra foi eliminada: camping. Significa também que a experiência genuína do Glastonbury, que envolve o acampamento, está sendo “traída”. É que neste cenário você ficará em uma hospedagem nos arredores do festival. Isso significa também que você terá que ir e voltar do Glastonbury todos os dias.

Por essa razão, é preciso escolher bem onde ficar para tornar a logística o menos complicada possível. Há ônibus exclusivos do festival partindo diariamente de algumas regiões nas redondezas e este deve ser o norte na hora de pensar em um hotel. Para este orçamento, foi considerada a cidade de Shepton Mallet, a cerca de 25 minutos do festival e de onde partem ônibus direto da estação central.

O custo com a alimentação nos dias de Glastonbury cai um pouco, pois não será necessário “estocar” comida para um acampamento. O conforto segue em Londres, onde a hospedagem em hostel foi substituída por um hotel.

quanto custa viajar para o glastonbury

Quanto custa viajar para o Glastonbury: outras possibilidades

Reforçando mais uma vez, estas são apenas estimativas de quanto custa viajar para o Glastonbury. Fora as variações cambiais, você pode chegar a valores diferentes se optar, por exemplo, por ficar mais ou menos tempo em Londres (ou se sequer for para Londres). Ou se escolher alugar um carro ao invés de usar trens, ônibus e metrô para os deslocamentos.

Além disso, há opções pagas de camping nos arredores do festival, o chamado “off-site camping”. Elas não têm ligação alguma com o Glastonbury, mas podem ser uma alternativa. A produção apenas alerta para ter cuidado e verificar os antecedentes das empresas que oferecem o serviço para não cair em roubada.

Outros links que podem ser úteis:

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

2 comments

Add yours
  1. Renan Esteves 8 janeiro, 2019 at 01:01 Responder

    É fácil conseguir credenciamento pra esses festivais ou varia de evento para evento? Facilita quando você tem um site com bom tempo de funcionamento e relevância no meio? Porque deixar de gastar R$ 1.240,00 em ingressos já é uma mão na roda, sem falar que dá pra compensar no hotel e na alimentação. Essa parada do camping personalizado eu vi no último filme da Bridget Jones. Nossa, eu achei surreal! Tem lugar que parece até hotel cinco estrelas. É um luxo que faria questão, se fosse rico.

    • Priscila Brito 8 janeiro, 2019 at 14:22 Responder

      Não existe nada fácil e não dá pra fazer esse tipo de trabalho contando com credenciamento porque as assessorias têm métodos e critérios que nem sempre são coerentes entre si. Cada uma dita seus parâmetros.

Deixe seu comentário