dicas de economia em copenhagueNyhavn, Copenhague. Photo: :Mstyslav Chernov/gallery

Dicas de economia em Copenhague

Quando a gente fala em Escandinávia parece que nossos bolsos ouvem e se abrem automaticamente, assim como as carteiras e contas bancárias já se apresentam com menos dígitos do que antes. É verdade que todos os países são muito caros, com taxas elevadas recolhidas nos serviços e produtos. E se tratando da capital da Dinamarca, não espere nada diferente. Se você está planejando uma viagem pra lá, é bom ter em mente algumas dicas de economia em Copenhague.

size_590_carteira

Sim, pois sabendo como economizar, ainda é possível visitar esse país lindo e não gastar todo o dinheiro que você tem no seu orçamento de viagem. Mas, isso vai depender de algumas manhas e macetes. Como já tenho uma certa experiência de me virar financeiramente nessa terra viking inóspita para pessoas com margem de gastos limitadas, vou te contar um pouco dos “paranauês” que aprendi, te dar dicas para aproveitar Copenhague com pouca grana. Separei algumas categorias para ficar mais fácil de você visualizar cada ponto que precisa se atentar para economizar:

Trocando seus dinheiros pela famosa Coroa dinamarquesa, ou DKK

Quando você chega ao aeroporto vai dar de cara com a empresa Forex e também com algumas outras. Porém, dentre as que estão no aeroporto a Forex costuma ter melhores taxas. Mas, há sempre poréns. A Forex tem boas taxas durante os dias de semana, mas no fds, a taxa fica ruim – parece pouco quando é questão de 1 coroa ou meio centavo de coroa de diferença, mas quando se troca muita grana, isso faz muito impacto. Daí, caso você consiga chegar à Dinamarca em dia de semana, será melhor por esse aspecto. Mas se não tiver outro jeito, troque muito pouco dinheiro assim que chegar. Não mais do que 300 coroas – essa é a quantia com a qual sempre ando no bolso aqui, em caso de emergência, cartão não ser aceito, etc.

Caso precise de trocar mais grana, você deve considerar outras duas opções. Os bancos locais Danske bank e Nordea também fazem conversões. As taxas do Danske bank costumam ser até mesmo melhores do que as da Forex. Porém, quando você não é cliente eles te cobram 50 coroas dinamarquesas (cerca de 25 reais) para cada transação. Portanto, você deve pensar bem e planejar tudo que precisa de tirar de uma vez.

Você obviamente pode usar o seu serviço de crédito, diretamente. Mas lembre-se que a conversão feita na fatura do cartão é uma confusão danada. Primeiro ele faz de coroa dinamarquesa para dólar e então de dólar para real… Nessa brincadeira você perde uma quantia considerável de dinheiro, a cada vez que faz o uso do crédito.

O melhor mesmo é entrar nos sites das  principais operadoras financeiras antes de chegar aqui e verificar as das taxas de conversão.

Pagando seu primeiros ticket de metrô, transporte em CPH

No aeroporto assim como em todas as estações você vai ver máquinas em que com seu próprio cartão de crédito ou débito você poderá comprar os tickets. Porém, você precisa saber que, comprando esse ticket você pagará 100% mais caro do que a opção do rejsekort (raizecort, uma pronúncia aproximada), ou cartão de viagem. Esse cartão é personalizado e em geral precisa que você tenha um cpr para conseguir. Porém, a operadora de transporte dinamarquesa – DSB lançou a modalidade do rejsekort anônimo, feito exatamente para turistas que vão ficar pouco tempo na cidade. Portanto, ao chegar no aeroporto, procure o guichê da DSB, que fica um pouco antes do elevador que leva ao metrô. Nesse guichê peça pelo rejsekort anônimo e já o carregue com pelo menos 200 coroas.

Quando compramos o bilhete na máquina para 4 zonas de deslocamento, por exemplo, pagamos 48 cororas ( ou 24 reais). Mas se apenas utilizamos o rejsekort, fazendo o check in antes de pegar o metrô e o check out quando saímos, gastamos apenas 24 coroas ( ou 12 reais) pelo mesmo trecho. Essa é uma dica que definitivamente vai te fazer economizar.

Tem mais dicas de economia! Separamos pra você hotéis em Copenhague com o melhor custo/benefício

Comer e beber

Para as emergências da fome, não tenha medo do 7 eleven. Lá você poderá comer sanduíches e alguns tipos de salgados por 50 coroas ( ou 25 reais). Mas quando quiser comer algo melhor, mais fresco e mais saudável, as melhores opções são sempre os supermercados. Eles são a opção mais barata para comer e beber.

Por exemplo, enquanto uma cerveja de 500 ml num bar custa 45 coroas (ou 22 reais), quando o bar é barato, no supermercado você pode comprar a mesma por 12 coroas, geladinha. E a vantagem da Dinamarca é que você pode comprar até um engradadinho de cerveja e sentar-se com os amigos para tomar as mesmas em qualquer espaço público. As praças e pontes estão cheias de pessoas fazendo isso, ainda mais agora que o sol tem dado o ar da graça com mais frequência.

Mas, se você ainda quer ir para uma opção barata de restaurante, fique atento aos que oferecem brunch. Apesar de o brunch para nós ser aquele conceito de café da manhã reforçado, para mim aqui um brunch pode muito bem ser um almoço, pois tem carne, saladas, massas e tudo mais.

Uma das dicas boas é andar pelos cafés e restaurantes próximos à estação de Nørreport. Eles geralmente oferecem opções de brunch entre 69 e 100 coroas (34 e 50 reais). Alguns deles dão descontos de até 20% no preço dependendo do horário (os descontos costumam ser dados se você chega até o meio dia, por exemplo).

Rabat – fique atento a essa palavra

Rabat é desconto, em dinamarquês. Portanto, toda vez que você vir essa palavra, pode ir que vai ter preço razoável ( é, pq nunca é preço bom de verdade aqui!)

Alugar bike

Bicicleta é sempre uma ótima opção de transporte em CPH, como a gente já te contou aqui. As bicicletas da ByCyklen estão logo na sua cara quando você chega à região central de CPH. Elas são lindas e modernas, com Ipad para navegação e muito práticas. Porém, custam 25 coroas dinamarquesas a hora ( ou 12 reais).

Portanto, caso você queira aproveitar a cidade usando a bike, o que é uma ótima e saudável opção, vá a uma bicicletaria no centro ou no bairro, pois o aluguel de uma bike por um mês inteiro pode sair menos do que 30 reais por dia. As bicicletarias estão por toda parte e são bem fáceis de achar. Geralmente há sempre uma em frente ou muito perto das estações de trem.

Atrações e passeios de graça

Já te contamos, por exemplo, do museu a céu aberto de Lyngby, que é uma ótima atração gratuita. Além dele, há todo o complexo histórico da cidade, no centro. Tem também a Nyhavn, a orla que tem cafés, a pequena sereia, os prédios da Black Diamond e Ópera, parques com esculturas, castelos, jardins reais. Ou seja, há muita coisa bonita para ver e fazer sem pagar. O Museu nacional, o Jardim botânico, o Parque de Bakken, museu das telecomunicações … Veja algumas atrações no roteiro turistão que fizemos.

Também existem os free walking tours, partindo todos os dias, às 11h em frente ao Parlamento, ou City Hall.

Casas de shows e badalações

Geralmente você paga entre 75 e 200 coroas só para entrar em alguns clubes em Copenhague. Mas, depois de uma certa hora da madrugada muitos dos clubes não cobram a entrada, como por exemplo o High Voltage, que no fim de semana cobra 75 coroas (ou 37 reais) até 1h. Depois disso é de graça!

Agora acho que dá para você fazer muita coisa aqui sem gastar rios de dinheiro e ainda se divertir toneladas!!! Boa viagem!

Está indo para a Dinamarca? Então faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

1 comment

Add yours

Deixe uma resposta

Close