high voltageHigh Voltage CPH. Foto: Kasper Erichsen

Turismo musical e um roteiro do metal para Copenhague

Há um ano eu deixei de morar na Dinamarca. E todas as vezes que tenho que escrever um post com as minhas reminiscências sobre o lugar, fico meio #chateada de não estar mais por lá. Mas okay, não sou egoísta e vou fazer esse esforço, mais uma vez, tá?! =P Falar sobre turismo musical em Copenhague eu adoro. Agora, falar sobre turismo musical dentro de um roteiro do metal para Copenhague me traz sensação tão boa quanto escutar meu riff de guitarra preferido. Gente, quando estiverem em Copenhague, vocês precisam aquecer suas noites gélidas nos shows de metal mais legais. Precisam gastar seus dias e suas coroas dinamarquesas (moeda local – DKK) indo às lojas de vinil e cd mais legais para fãs de metal, e precisam abraçar o underground local como se não houvesse amanhã!

Há muito mais peso na Dinamarca do que a fofurete da estátua de pedra da Pequena Sereia caindo sobre sua cabeça poderia sugerir. Afinal, os vikings não perderam sua essência “senta o pé nessa porra toda/ arregaça essa bagaça”. E nessa terra onde há pouco sol na maior parte do ano, não é à toa que criaturas como King Diamond tenham brotado de suas entranhas, com a beleza que é o Mercyful Fate; é de lá também que vem o chatonildo do Lars Ulrich, que faz um barulho na bateria de uma das maiores bandas de metal(lica)do planeta; Artillery seja lembrado, também, em nome e glória do thrash metal; Saturnus, pra quem gosta da tristeza profunda de um doom bem feito; e pra quem gosta de polêmica e black metal feito por somente uma mulher, Myrkur; agora, para aqueles que curtem um metalzinho-quase rock-mainstream- contagiante, Volbeat também tem sangue viking correndo entre seus instrumentos.

Pode-se dizer, então, que o país tem um currículo metálico bem respeitável. Ah, claro, e ainda nesse currículo não podem faltar os festivais de metal Copenhell, Aalborg Metal Festival e Metal Magic, nos quais já tivemos o prazer de estar. Depois de dar essa geral na metaleiragem dinamarquesa, bora para as “baladas” do metal em CPH e para a peregrinação necessária para qualquer headbanger que se preze!

Veja nosso guia de onde ficar em Copenhague e reserve um hotel

Beat Bop, boa música e um papo com Michael Denner sobre a vida  e/ou sobre o Mercyful Fate…

Mercyful Fate, para quem não conhece, é uma das bandas de metal mais importantes dos anos 80. Naquela época, King Diamond – o nome de palco do vocalista Kim Pedersen, e sua turma realmente botaram o terror. Não havia tanta gente assim de corpse paint reproduzindo seitas satânicas em palco. Michael Denner foi o fiel escudeiro de King Diamond. Guitarrista talentoso, preciso, carismático e… dono da Beat Bop, uma das melhores lojas de cds e vinil da capital dinamarquesa.

Denner é um grande fã de música. Então, não pense que em sua loja você vai encontrar somente as truezas do “metal de verdade”. Denner não tem dessas e você deveria aprender e superar isso também. Na Beat Bop, você também encontra o melhor do punk, do rock psicodélico, jazz, progressivo, blues entre outros gêneros musicais. Claro que você também poderá encontrar um vinilzão do Merciul Fate, edição dinamarquesa, comprar e pedir que ele autografe.

Geralmente, Denner está na loja para receber as pessoas, mostrar boa música e contar boas histórias. Infelizmente, nas minhas idas ao centro de Copenhague, não tive a sorte de encontrá-lo na loja. Mas, boa parte das pessoas consegue. Esse é o caso do amigo Wagner Maschio, grande fã de metal que sempre tem as melhores fotos ao lado das estrelas metálicas. O bom é que ele é amigo, vai com a cara do Festivalando e cedeu essa foto muito massa aqui para a gente.

beat bop

Wagner Maschio e Michael Denner na Beat bop. Foto: arquivo pessoal Wagner

Beat Bop
Onde: Peder Hvitfeldts stræde 14, 1173 København K
Horário: segunda a sexta, de 10h15 às 18h00. Sábado, de 11h15 às 15h
Mais info: +45 33 15 93 19

A balada  metal certeira em Copenhague: High Voltage

O bar de rock e metal mais famoso da capital dinamarquesa é o High Voltage. É sem dúvidas um dos locais com estética mais bem cuidada, propostas temáticas, e muita diversão voltada para o público que curte música pesada. Todos os fins de semana, o bar apresenta uma programação pra deixar a voltagem sempre alta. A música pode ficar por conta de ótimos selectors (‘djs’) de rock e metal, de bandas autorais e às vezes bandas cover.

Os preços das bebidas e petiscos são razoáveis, dentro das condições normais de gastos e furação de olho escandinava (CNGFE – kkkk). Em uma noite você pode gastar umas 500 coroas (250 reais) facilmente. A área interna do bar tem ambientes bastante confortáveis. Há sinuca, sofás, um balcão com atendentes super divertidos e com garotas fazendo pole dance. Minha única reclamação é que nunca vi os cabeludos loirões fazendo pole dance. Deveriam! Afinal, estamos no país que se dizer prezar muito pela igualdade de gênero, néam?

high voltage

High Voltage rock club – Photo: Roberto Photography / High Voltage

Uma ótima opção para manter o seu fim de semana aquecido. O dono do local, Martin Jensen (Love Gun) é banstante simpático. Ele curte conhecer e tirar fotos com os clientes, além de bater um papo.

High Voltage
Onde: Gothersgade 8h, Boltens Gard, 1123 Kobehavn C
Horário:Sexta e sábado, de 22h até 5h da matina.
Mais info: https://www.facebook.com/highvoltagecph/about/

pic Foto: Kasper Erichsen

Pumpehuset/Byhaven: do underground ao maistream

O local onde fica a Pumpehuset por si só já vale uma visita. A casa de shows, que também tem uma parte externa para eventos menores, bandas e cerveja ao ar livre, é um dos edifícios históricos de Copenhague. O prédio data de 1856 e era sede da compania de água municipal. Em 1987,o lugar também deu lugar a um planetário. Por fim, em 2011, transformou-se em uma das casas de músicas mais legais da capital dinamarquesa.

O metal é um dos principais carros chefe do local, mas rola de tudo, em diferentes dias. Há concertos de rock, hip hop, música eletrônica, pop… tocam bandas como Halestorm, Katatonia, Obiturary, Exodus, mas também tocam bandas bem underground do metal e dos outros gêneros.

É importante dizer que a Byhaven tem um dos melhores preços de cerveja e as mais geladas no verão! Compensa olhar o calendário e se programar para ir a algum concerto no local. Veja aqui.

byhaven

byhaven/pumpehuset – divulgação

Pumpehuset/Byhaven

Onde: Studiestræde 52, Kobehavn

Mais info:http://pumpehuset.dk/

Lygtens Kro: uma típica taverna com rock ‘n’ roll

Aconchegante e muito bem cuidado. O lugar realmente nos transporta à Dinamarca de outros tempos, com sua decoração rústica. O espaço é bem intimista e o palco é feito mesmo para pocket shows.

Para quem gosta de escutar música em línguas exóticas, é uma ótima oportunidade para ver os artistas dinamarqueses falando na língua local. Voz e guitarra é o que rola. A comida é boa, servem vários pratos típicos. A cerveja é gelada e os preços estão dentro daquelas condições normais de furação de olho da Escandinávia.

lygtens kro

Lygtens Kro – Divulgação

Lygtens Kro
Onde: Lygten 29, 2400 København NV
Horário: terça a quinta, de 12h às 2h da matina. Sexta e sábado de 12h às 3h da madruga.
Mais info: http://www.lygtens-kro.dk/om-kroen.html

Drone, o psicodélico

Drone é um rock club focado no rock psicodélico e indie. É uma ótima pedida para quem gosta de desbravar os novos talentos do underground, ou mesmo descobrir os velhos talentos que ainda não tinha visto.

A música ao vivo rola de graça todos os fins de semana. Tudo 100% autoral. É um ambiente legal, tem bons drinks, mas é preciso dar sorte de estar rolando uma banda legal. Do contrário, pode ser um pouco paradão. Quando fui, não dei muita sorte. Um jeito de tentar prever sua noite é ficar de olho no calendário deles.

drone

Drone – instagram

Drone
Onde: Nørrebrogade 184, Kobehavn
Horário: quinta, de 21h às 4h da madruga. Sexta e sábado, de 21h às 5h.
Mais: https://www.facebook.com/dronebar/info

Voodoo Lounge, discreto e com ar de taverna

Quando passeamos por Copenhague, é quase impossível reparar na entrada do Voodoo. Ela é bem discreta e por isso quase que o bar passa despercebido. Mas agora você vai ficar sabendo como prestar atenção e não deixar essa oportunidade passar.

Cerveja gelada, drinks baratos e uma jukebox recheada com os melhores títulos do rock e do metal são garantia de muita diversão lá dentro! Vá, entre e se divirta!

voodoo lounge

Voodoo Lounge – Divulgação

Voodoo Lounge
Onde: Valkendorfsgade 22
Horário: terça a quinta, de 16h às 2h. Sexta e sábado, 16h às 4h
Mais: http://voodoo-lounge.dk/

Vai viajar para a Dinamarca? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresentá-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

4 comments

Add yours
  1. Renan 18 outubro, 2016 at 22:45 Responder

    Gostei do roteiro. Bem que você podia fazer um roteiro desses sobre a Suécia, pois eu adoro aquele país. Se você for fazer um roteiro no estilo da Dinamarca, certamente vai ser em vários posts. Achava que você fosse fazer uma cobertura do Epic Metal Fest aqui no Festivalando. Curti demais o evento. Foi bem tranquilo e deu para assistir todas as sete atrações, mas claro que algumas eu tive que assistir um pedaço por causa de outra. Só para encerrar, a Dinamarca também é a terra de Raveonettes (pra quem curte Indie), Acqua e Vengaboys (pra quem curte Pop bagaceira) e HorrorPops (Psychobilly). Poxa, tem que fazer uma reclamação pro SAC lá do bar pedindo uns dinamarqueses sarados para dançarem no polly dance, hehe. Igualdade de gêneros, não é?

    • Gracielle Fonseca 19 outubro, 2016 at 00:34 Responder

      Ei, Renan! Massa! E sobre a Suécia, já estou pensando em contar também o que vi por lá =)

      Muito boa as suas lembranças de bandas dinamarquesas aí, ahahaha, pois é, acqua e vengaboys, hahahaha!!! chique!! bjão e valeu pelo comentário!

Deixe uma resposta