turismo musical no cemitério de ParisTúmulo de Jim Morrison no Cemitério de Paris. Ph: HUANG Zheng via Shutterstock

Pós Hellfest: Turismo musical no cemitério de Paris

Logo após o Hellfest 2015, estivemos na capital da França, Paris, não necessariamente em busca dos atributos ‘iluminados’ da cidade da luz. Mas, sim, procurando as sombras, claro, hahaha. Acho que a maioria das pessoas que vão para o Hellfest não estão necessariamente interessadas em tudo fancy e iluminado que Paris tem a oferecer, né não? Por isso, acho que tem tudo a ver com a gente uma visita às Catacumbas de Paris, e também fazer turismo musical no Cemitério de Paris, o famoso Père Lachaise.

O cemitério foi inaugurado em maio de 1804, e possui mais de 70 mil sepulturas, dentre elas, muitas bem famosas – além das musicistas e músicos, também estão enterrados lá escritores famosíssimos, como Molière (1622-1673), Honoré de Balzac (1799-1850) e Oscar Wilde (1854-1900), o músico Frédéric Chopin (1810-1849) e também, para quem é ligado em religião e Kardecismo, é lá que se encontra o túmulo de Alan Kardec (1804-1869). Aqui neste link você pode fazer um tour virtual para saber quem está lá. Na verdade, existe uma opção especial para visualizar apenas as celebridades – é de cair o queixo o tanto de cruzinha que vai aparecer!

Apesar de serem imortais por suas obras, os músicos estão lá, mortinhos, recolhidos em seus caixõezinhos e tumbas. E o Cemitério de Paris tá todo estrelado, neste sentido. Caso você seja fã de música, como nós, a sua peregrinação pelo Père Lachaise deve levar em conta uma visitinha para os restos mortais dos artistas a seguir.

Veja nossas recomendações de hotéis em Paris e faça sua reserva

1. Túmulo de Jim Morrison

Jim Morrison é o tipo de pessoa que, viva ou morta, merece uma visita, concordam? Todas e todos somos viuvetes aqui. De longe, este certamente é um dos túmulos mais polêmicos e controversos do cemitério, pois as pessoas vão aí pra fazer de um tudo. Por isso, há vigilância 24hrs somente para este túmulo. Babado puro…tem gente que leva o convencional combo velas e flores, mas também tem gente que leva até bebida e toma umas com Jim. Bebida y otras cositas mas, rsrs.

O bonitão, rock star e líder da banda The Doors – James Douglas Morrison nos deixou em 3 de julho de 1971, quando foi encontrado morto em uma banheira em seu apartamento em Paris (aliás, o apê é outro ponto de peregrinação). Viveu intensamente seus 27 anos, e leva anualmente 1 milhão de pessoas em peregrinação ao seu túmulo em Paris. Aliás, havia uma escultura de sua cabeça no túmulo. Mas esta foi toda destruída, pois todos queriam um pedacinho do Morrison de pedra, também!

Para tentar falar com o Jim sobre como é break on through to the other side, procure a divisão 16 do cemitério de Paris.

2. Túmulo de Edith Piaf

Edith Piaf no cemitério de Paris

Túmulo da cantora Edith Piaf no cemitério de Paris. PH: wjarek Via Shutterstock

Simplesmente a maior cantora francesa de todos os tempos, Édith Giovanna Gassion foi grande demais pra Paris. Reconhecida internacionalmente,cantou sua dor pelos quatro cantos, com sucessos como La vie en rose e a super famosa e Non, je ne regrette rien que até a nossa Cássica Eller fez uma versão. A pequena Edith passou por muitos problemas familiares – abondono, maus tratos, vida errante, só para citar brevemente sua triste biografia.
Morta em 10 de outubro de 1963, a cantora arrastou multidões para seu enterro, pois foi uma das musicistas mais queridas e mais talentosas que a França já teve. Hoje, Piaf está entre outros pardaizinhos (piaf, em francês, é pardal), na divisão 97 da bela necrópole parisiense.

3. Túmulo de Maria Callas

Dona de uma das vozes sopranos que mais causam arrepios, Maria Callas é considerada uma das maiores cantoras de ópera do século 20. Ela incorporou a definição de Diva, encantou com sua voz, causou impacto com seu temperamento marcante. Não só sua voz era aclamada, mas também sua capacidade expressiva e interpretativa dos papeis nas operas. Maria Callas emocionou imensas plateias. Teve uma vida conturbada de celebridade, com altos e baixos muito significativos em sua carreira. Era conhecida também fora dos círculos da Ópera, e internacionalmente.

Callas não mais faz ecoar sua voz de várias cores desde setembro de 1977, quando foi encontrada morta em seu apartamento em Paris, antes de completar 54 anos. Apesar de ter tido suas cinzas jogadas ao mar, existe um túmulo em homenagem à cantora no Père Lachaise, divisão 87, que sempre atrai muitos fãs em uma peregrinação.

4. Túmulo de Chopin

Túmulo Chopin no cemitério de Paris

Túmulo Chopin no cemitério de Paris. Ph: wjarek Via
Shutterstock

Simplesmente um dos músicos bambambam’s do romantismo na música clássica. Pianista comparado a outros grandes músicos, como Mozart e Bethoveen. Polonês erradicado francês, Chopin viveu boa parte da sua vida em Paris, onde se apaixonou, adoeceu com tuberculose e morreu, aos 39 anos. Dia 17 de outubro de 1849 o compositor e pianista deixou a vida.

O seu túmulo está no cemitério de Paris, na divisão 11. Para quem está no Rio de Janeiro e achou o programa de Paris mórbido demais, tem uma estátua de Chopin na orla da praia vermelha também 😉

Serviço Cemitério de Paris – Père Lachaise:

Endereço: 16 Rue du Repos, 75020 Paris, França
Área: 48 ha
Horário: Aberto seg. a sex. 08:00–18:00; sábado 08:30 às 18:00; domingo 9:00 às 18:00
Localização: 20º arrondissement de Paris, Paris

Entrada gratuita.

Vai viajar para a França? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close