oslo passOslo Pass – Visit Oslo

Oslo Pass, sim ou não?

Todas as vezes que temos alguma empreitada turística na cabeça, consequentemente surgem as ponderações e dúvidas sobre o que poderia ser mais amigável ao nosso orçamento. Quando o destino são as cidades cheias de museus e atrações para turistas, o apelo é ainda maior. E, às vezes o que parece ser uma ótima pechincha pode ser um gasto desnecessário. Uma das opções que considero mais pegadinha dessas aventuras turísticas são os city pass, ou passes de turismo que dão acesso livre a todo o sistema de transporte público, bem como a museus e atrações. Na escandinávia não seria diferente. Visitei Oslo pela segunda vez, em função do Inferno Festival e a dúvida voltou a aparecer na minha cabeça: Oslo pass, sim ou não?Mais uma vez não comprei o passe. Mesmo assim, ao invés de falar definitivamente que não compensa, resolvi te falar que “depende” e destrinchar melhor essa resposta em duas situações: 1. Você vai para Oslo para o Inferno Festival e só fica lá durante os dias do festival 2. Você vai ter um tempo de 1 semana ou mais para se dedicar à turistagem na cidade.

Veja também nossas dicas para escolher bem o seu hotel em Oslo

Mas vamos por parte, primeiro vou te contar melhor sobre o Oslo Pass…

Como os demais, ele te dá acesso a todos os tipos de transporte público e entrada livre em museus ( 30 museus, no caso – apesar de que em Oslo existem 50 museus ). Ele também te dá descontos para entrar no parque de diversões Tusendfryd, também para alguns concertos e entrada livre para visitas guiadas. Você pode comprar o seu passe pela internet, nesse endereço aqui  ), ou pode simplesmente ir ao Oslo Visitor Center, que fica ao lado da estação central da cidade. O passe tem que ser validado na primeira vez que usado, o que o pessoal no centro de visitantes vai fazer assim que você o compra ou vai pegar o que já foi comprado pela internet. Ele cobre 24, 48 ou 72 horas. Cada um vai custar, respectivamente, 320 nok(coroa norueguesa), 470 nok ou 590 nok (160, 235 pu 295 reais). O passe também pode ser adquirido por meio de um app para celular, android ou ios:

oslo pass mobile

Oslo Pass App

À primeira vista, parece ser um ótimo negócio quando superficialmente vamos aos primeiros cáculos: em média, as entradas em museus custam mais ou menos de 60 a 100 coroas norueguesas cada uma. Oslo tem 50 museus, logo, olha o tanto de grana que você iria economizar. Não é mesmo? Não, não mesmo, porque você não vai visitar os 50 museus de Oslo, com certeza!

Já com relação ao transporte, cada ticket custa em média 30nok ( mais ou menos 15 reais). Mas uma coisa que já posso te assegurar de antemão: a maioria das atrações de Oslo está a uma distância de pequenas caminhadas umas das outras. Portanto, você não vai gastar uma fortuna em transporte, com certeza. Mesmo que ainda seja a sua prioridade andar quanto menos possível, ainda existem os passes de transporte que podem sair bem em conta. Um passe de 24 horas sai a 90 nok (45 reais) por adulto, enquanto o semanal sairia a 240 nok (120 reais).

O que entendo ao olhar para essas informações é que você precisa planejar o seu tempo de viagem e ter o bom senso para saber se compensa de cara comprar um cartão que vai lhe custar quase 300 reais e que talvez não seja tão bem aproveitado como você pensa.

Situação 1: Oslo pass para quem vai curtir apenas 4 dias de Inferno Festival

Nessa situação, amigos, eu digo que comprar um Oslo pass não compensa. Primeiro, pelo fato de que existem atrações lindas pela cidade e passeios que podem ser feitos gratuitamente e que, mesmo assim, te dão vários dados interessantes sobre a história da cidade e da cultura local. A gente vai dar algumas dicas aqui ao longo dos posts. Uma delas foi, por exemplo, a visita ao Vigelandsparken, que foi muito bacana e totalmente gratuito. E muitos desses lugares bonitos e passeios podem ser feitos sem que você gaste absurdos em transporte, uma vez que os lugares são muito próximos uns dos outros – como por exemplo, o centro histórico e o Palácio real, a orla marítima, os museus da região e a Ópera.

Opera Norway

Opera Norway. Wikimedia commons

No geral, vai ser difícil você encarar um grande número de museus e atrações turísticas da cidade, pelo fato de que não é nada mole você segurar a onda de uma maratona de shows que vara a madrugada e faz você circular em vários lugares da cidade. Além disso, tem o fator alcoólico que tira a disposição matinal de qualquer ser humano que faça o uso de tal líquido em dadas proporções.

Outro fator muito importante a ser considerado é que o Inferno Festival acontece em pleno feriado de Páscoa e, portanto, muitas das atrações vão estar fechadas ou com horário de funcionamento reduzido.

Além de tudo isso, o festival em si traz um mundo de atrações musicais e atividades para que os headbangers interajam com a cidade, com os lugares e público underground de Oslo – Quizz do metal, exposições, degustação de cerveja, conferência sobre a música norueguesa contemporânea e muito mais… não é mole achar tempo para tudo isso e ainda visitar cada canto turístico de Oslo.

Situação 2: você tem tempo, 1 semana ou mais para se dedicar ao turismo na cidade

Sim, nesse caso, faça bem as contas, confira se os museus que você quer ir cobram a entrada ( existem muitos museus que são totalmente gratuitos) e se jogue no Oslo Pass. Nesse caso, você vai se deslocar mais pela cidade, vai ter tempo de ir em cada uma das atrações. Como um passe de 72 horas custa 590 nok ( + ou- 300 reais), caso você visite apenas 4 museus e use o transporte público em todas as ocasiões de visita, seu passe já valeu o dinheiro que você pagou, com certeza!

Eu ainda não tive uma estadia totalmente dedicada ao turismo convencional na cidade. Mas acredito que compensa muito. Existem vários museus interessantes e passeios que podem ser feitos por lá. Contudo, nos meus planos de voltar à Noruega, provavelmente vou adentar a natureza gélida do país e ir em direção às montanhas e fiordes, sobre os quais conto uma outra hora…

Vai viajar para a Noruega? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

2 comments

Add yours
    • Gracielle Fonseca 10 agosto, 2015 at 23:21 Responder

      Olá, Bartolomeu!! Que massa que foi útil para você!! Olha só, não acho que seja conveniente levar a Coroa Norueguesa daqui não. Como é uma moeda rara, as casas aproveitam para tirar muita vantagem em cima de nós. Portanto, eu compraria Euro, que não tem muito como fugir das taxas e etc, mas pelo menos tem cotação mais justa. Daí, chegando na escandinávia eu trocaria num Forex Bank ou no próprio Nordea, banco presente na Noruega e Dinamarca. O Forex, por exemplo, não cobra taxas para fazer conversão. E as taxas de câmbio praticadas são bem justas. Tem dia que a cotação dos bancos como Nordea e Danske Bank estão melhores, mas eles cobram taxa de conversão. Ah, se for no Forex também, fim de semana as taxas ficam ruins. Portanto, tente trocar a grana em dia de semana.
      Espero ter ajudado =) qualquer dúvida volte a nos escrever! 😉

Deixe uma resposta