bate-volta copenhague malmö

Bate-volta Copenhague Malmö: a Suécia é logo ali

Se você estiver na Dinamarca, sem dúvidas. Impossível visitar as dansk lands sem dar um pulo na terra dos “inimigos” mais declarados dos dinamarqueses. É o mesmo que ir à Itália e ficar tomando só whey protein. Mais precisamente, estamos falando de um bate-volta Copenhague Malmö. É fácil, prático e rápido. Mais rápido do que ir de Minas Gerais a São Paulo de avião! Só não é tão barato quanto poderia ser.

bate-volta copenhague malmö

Bate-volta Copenhague Malmö – aspectos práticos

A viagem que sai de Copenhague e vai até Malmö custa em média 200 coroas, ida e volta, o que equivale a mais ou menos R$ 100. Os trens partem de 20 em 20 minutos da estação central e também do aeroporto de Copenhague, e tem jeito de viajar até de madrugada. Os bilhetes podem ser comprados pela internet  aqui, da forma convencional nos guichês ou em máquinas que ficam nas estações e aceitam cartão de crédito ou dinheiro.

O trajeto dura por volta de 30 minutos. Pouco tempo até para apreciar a imensidão do mar báltico. A paisagem que nos chega aos olhos durante a travessia da ponte de Øresund é de um azul extremo, do céu e do mar. Mas tem também alguns moinhos de geração de energia eólica que simplesmente atrapalham minha imaginação sobre todas as guerras vikings travadas naquele mar. Chegando em Malmö, há muito o que fazer.

Veja nossas dicas de hotéis em Copenhague e hotéis em Malmö

Dinamarca x Suécia

A ponte nada mais é do que a ideia consolidada de que a Dinamarca é um puxadinho da Suécia, ou vice e versa. O acordo para a construção dela aconteceu em 1991 e fez esse pessoal gastar 12 bilhões de coroas. Tem gente que mora na Suécia e trabalha na Dinamarca, e também o contrário. Só não descobrimos o que eles arrumam com o troca troca dessas moedas – que são ridiculamente diferentes, mas valem quase a mesma coisa: 1 coroa dinamarquesa é igual a 1,23 coroas suecas.

E o mimimi não para em manter uma moeda diferente, mesmo com economias muito parecidas…a língua também é extremamente próxima. Porém, enquanto na Dinamarca tem os Ø, lá na Suécia é cheio dos Ö… Dør é porta na Dinamarca. E na Suécia é Dörr…ok, talvez eu esteja simplificando muito as coisas. Tudo bem que todos são descendentes de vikings, mas devem ter lá seus motivos para manterem as diferencas e quererem ficar separados.

Tretas históricas

O louco é que de 1300 e pouco a 1500 e pouco essa galera viking tava toda junta e misturada num só estado soberano, pela união de Kalmar. Que no entanto não foi suficiente para “calmar” esse povo belicoso.

Tretas terríveis, mais precisamente 11 guerras entre Dinamarca e Suécia, ocorreram num curto espaço de 300 anos. E alguns historiadores dizem que essa rivalidade era de natureza bem mimimi mesmo (o mimimi por minha conta!), a ponto de um rei sueco zoeiro arranjar motivos menores para tretar com os dinamarqueses, e vice-versa.

Essa herança tretística ficou bem arraigada. Estivemos com dinamarqueses que tentaram nos ensinar a língua. Ao pronunciar algumas palavras, fui “ofendida” por ter um sotaque sueco… do outro lado, os suecos acham os dinamarqueses arrogantes… Brasil x Argentina feelings… alguém???

Mas, o que o orgulho dos reis escandinavos separou, odin, ops, a ponte de Øresund, ou Öresund ( para não deixar nenhum sueco triste aqui), reuniu! E a turistada, incluindo nós, agradece!

Vai viajar para a Suécia ou para a Dinamarca? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Também é uma forma de evitar gastos exorbitantes caso você precise de algum atendimento médico. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento e ainda conseguir até 15% de desconto.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

2 comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close