turismo no jordaanJordaan. Ph: Iven Bastien via Shutterstock

Turismo no Jordaan, o bairro de Amsterdã de muita música, história e boemia

A música do Jordaan chegou em minha vida antes do bairro propriamente dito. Na verdade, na primeira vez em que estive em Amsterdã, não foi possível fazer turismo no Jordaan, um dos bairros mais interessantes da capital holandesa. A visita ao Jordaan ficou para depois. Em compensação, antes de estar lá eu já conhecia muito da sua fama, e tudo começou por conta de um dia em que eu pedi ao meu dutch boy que me mostrasse músicas tipicamente holandesas. Eis que ele me apresenta Bolle Jan…

Foi aí que eu conheci um pouco da música popular típica do país, de toda a história do bairro Jordaan e de como holandeses mandam moralismos para escanteio. Isso tudo, e principalmente a última parte tem muito a ver com a música feita por Jan & Mien, músicos nascidos no bairro e que fizeram dos cafés do local palco para suas apresentações.

Bolle Jan e a música “simpatiquinha”

Então, o sacana do boy me apresentou Bolle Jan, um dos músicos populares mais famosos vindos do bairro Jordaan, em Amsterdã. Em princípio, eu escutei o disco Vize Verze (1969). Achei a música super simpatiquinha! Muito clima de festa, deu até aquele calorzinho gostoso de estar festiva com família e amigxs. Nenhuma outra suspeita foi levantada sobre os conteúdos das letras. Bêbada e sem saber quase nada de Holandês, o negócio era festejar.

Mas a curiosidade sobre letras de música é um negócio que me mata por dentro. Quando perguntei sobre o conteúdo, o boy caiu na risada…

Sim, [também] há festa na música de Jan & Mien. O cara foi um amante do acordeão, instrumento que tocava desde seus nove anos de idade. Com treze anos, Jan tocava em casamentos e tudo mais. Encontrou sua esposa Mien e com ela fez uma dupla. Mais tarde, os dois abriram o Café Bolle Jan  em Amsterdã ( não foi no bairro Jordaan, no caso), onde tocaram sua música ao vivo. Nancy, sua filha, ajudava e até hoje  leva o empreendimento adiante. Bom, até então, tudo negócio de família? Né não?

Sobre o que canta Bolle Jan

Mas as temáticas de Bolle Jan não são nada inocentes, nem aquelas que se espera da ~tradicional família brasileira~, por exemplo. Sabendo do que falam as letras, vemos a sociedade holandesa despida de muitos dos moralismos e hipocrisias: há músicas sobre vaginas, pênis, metáforas sexuais de todos os tipos, tudo em tom humorístico e muita diversão. É claro que algumas delas passam um pouco dos limites, com conteúdos que podem beirar ou consumar de fato o sexismo.

Alguns títulos de música: “ele sempre trava”, “como ele pode crescer desta maneira”,”mexilhões” e por aí vai…Talvez fosse arriscado dizer, mas para efeito de uma comparação muito rápida, são quase Mamonas Assassinas do acordeão, cantando as piadas da sociedade que inventou o Stroopwafel.

Um pouco da história do Jordaan e da música produzida aí

A história dos cafés de música do Jordaan se mescla à história de resistência da classe trabalhadora holandesa. O Jordaan era um bairro empobrecido, onde trabalhadores com famílias grandes moravam em casas velhas e pequenas. Ali, também havia desemprego e muitas mazelas sociais.

Os cafés passaram a ser opções de divertimento dentro da própria vizinhança. As pessoas se reuniam à noite nesses estabelecimentos para beber, tocar música e ter um pouco de divertimento, aliviando as tensões das vastas jornadas de trabalho e da pressão de se viver nas condições em que viviam.

Muitos músicos nasceram neste bairro, trabalharam e viveram suas vidas na vizinhança mais festiva de todas. Nomes como Johnny Jordaan, Tante Leen, Manke Nelis, Johnny Meier e Jan & Mien viraram referência da música folk do país. Inclusive, esses músicos e musicistas têm seus trabalhos reconhecidos ali mesmo no bairro, em uma praça chamada Johnny Jordaanplein, onde há estátuas de todxs.

Claro que nem todos cantavam conteúdos sexuais, como Bolle Jan. Há também muita exaltação da vida e da festa, do amor bem como de lugares e boas memórias sobre o país. Há alguns anos, as pessoas ainda torciam o nariz para o Jordaan e para a música produzida ali. Aquela divisão ridícula de baixa e alta cultura separou, por muito tempo, o Jordaan das grandes salas de concerto do centro de Amsterdã. Hoje, o Jordaan é um dos bairros turísticos mais visitados em Amsterdã. E lá, a festa é garantida!

Veja dicas de onde ficar em Amsterdã

Os cafés do Jordaan

Jordaan é o bairro boêmio de Amsterdã. E aí vários cafés de música funcionam até hoje. Para quem gosta de festejar, beber e conhecer mais da cultura e história local, o bairro é uma passagem obrigatória. Além dos cafés, a casa de Anne Frank também pode ser visitada no mesmo bairro.

turismo no jordaan

Jordaan. Ph: Ivica Drusany via
Shutterstock

São muitos cafés legais. Mas vale lembrar que nem todos têm música típica ao vivo. Na verdade, não tive tempo de visitar todos. Mas esse aqui foi um dos que mais gostei e achei interessantes para sentar e tomar cerveja. O café Thijssen também é muito legal, pois sempre há quizes ( em inglês também!).

Sugiro que se joguem nas ruas do bairro e entrem naqueles cafés em que o clima está mais convidativo. Então, deixo aqui este mapa para que você possa se divertir no Jordaan + o Cafe Bolle Jan, que não fica no bairro, mas você precisa conhecer!

 

Turismo no Jordaan + festival no Jordaan = <3!

Além de fazer turismo no Jordaan, caso você venha para Amsterdã em agosto, ainda vai presenciar o Jordaan Festival, um festival de música popular holandesa. Alguns palcos são instalados ao longo do bairro e dos cafés. A diversão é garantida!

Informações sobre o festival.

turismo no jordaan

Joardaan Festival 2017/ Divulgação

Confira também o nosso roteiro alternativo de Amsterdã

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

1 comment

Add yours
  1. O roteiro alternativo de Amsterdã: passeios e excursões pra mentes abertas e livres | Festivalando 23 outubro, 2018 at 00:05 Responder

    […] Não é todo mundo que fala de turismo musical em Amsterdã por aí. Por isso, também entendo este tipo de turismo uma alternativa aos roteiros turistões. Então, se você quer ver o lado musical da cidade, não deixe de ler o post sobre as casas de show lendárias, lojas de disco e mais, e também o post sobre o Jordaan, o bairro mais musical da Holanda. […]

Deixe seu comentário