" /> Cinco coisas que não podem faltar no Electric Daisy Carnival Brasil | Festivalando
electric daisy carnival brasilFotos Insomniac/Electric Daisy Carnival/Divulgação

Cinco coisas que não podem faltar no Electric Daisy Carnival Brasil

Você já sabe porque a gente te contou aqui: o Electric Daisy Carnival Brasil, que acontece nos dias 4 e 5 de dezembro, em São Paulo, vai ter o Kinetic Field, palco colossal que estreou na edição 2014 do EDC Vegas, e Avicii no lineup, conforme garante o jornalista José Norberto Flesch, a Mãe Dinah dos shows internacionais no nosso país. Também já é palavra da produção do festival que o Brasil terá a mesma estrutura da matriz gringa, o que quer dizer que o autódromo de Interlagos vai ser inundado por esculturas e instalações gigantescas, coloridíssimas e brilhantes, além de um parque de diversões – coisas que fazem o Electric Daisy Carnival ser o que é.

Mas em meio a uma estrutura tão gigantesca há pequenos detalhes que fazem a diferença em diferentes níveis: desde uma melhora na estrutura até uma experiência diferente ou um mimo muito simples. Eu andei vasculhando as redes sociais do EDC Vegas, a principal edição da franquia do festival hoje, e também do EDC Nova York, e vi que eles estão cheios destes pormenores que, certamente, muita gente gostaria de ver reproduzidos aqui no Brasil. Listo cinco deles a seguir. Se de fato o festival em São Paulo vai incorporá-los, não depende de mim. Mas fica a dica pra quem faz, e o convite para entrar na torcida, no caso de quem vai.

1) Água de graça (e à vontade)

electric daisy carnival brasil
A água de graça em festivais é um tema recorrente aqui no Festivalando. E ele só se repete tanto porque temos visto que é razoavelmente comum essa prática em festivais gringos. Nas nossas, viagens, eu e Gra passamos por festivais na Dinamarca, Alemanha, França e Chile que ofertam água gratuitamente para o público. Duas leitoras nossas também tiveram a mesma experiência em festivais nos Estados Unidos. O Electric Daisy Carnival Las Vegas ajuda a aumentar essa lista, graças a estações como esta aí da foto. A mesma prática se repete no EDC Nova York e EDC Reino Unido. Fica a dica pro EDC Brasil não destoar dos irmãos gringos.

2) Cerimônias de casamento

electric daisy carnival brasil
Vegas é famosa pelos casamentos no estilo fast-food e o EDC entrou na onda. Quem realmente queria oficializar a relação com seu parceiro pôde fazê-lo no festival, mediante a compra de pacote que dava direito a uma mini-cerimônia: um oficial autorizado a realizar a cerimônia, buquê no estilo do festival, seis fotos profissionais, documento legalizando a união e um certificado de souvenir, além da possiblidade de escolher a temática decorativa da cerimônia.

Quem não quis desembolsar os 320 dólares tinha a opção de fazer um casamento de brincadeirinha, sem a necessidade de pagamento e reserva de horário. Como neste segundo caso nada era pra valer, era possível celebrar a união de qualquer forma: com seu peguete de última hora ou até com seu grupo de amigos. Há membro do staff para realizar a cerimônia e é dado um certificado comemorativo como souvenir.

3) Carnival Square

electric daisy carnival brasil
A Carnival Square é uma área central do EDC Vegas que concentra uma série de serviços de utilidade para o público. Tem os básicos comida, bebida e achados e perdidos, mas também outros realmente úteis para quem está em um festival. Dentre eles, áreas de descanso, meet & greets com artistas (super comum nos festivais de metal na Europa), caixas eletrônicos, estações de carregamento de celular, massagens (serviço pago) e venda de carregadores portáteis, ear plugs e filpbelts.

4) Paradas muito loucas

electric daisy carnival brasil
Entenda como quiser o item quatro, mas estou me referindo às paradas artísticas no estilo pop-up com estruturas gigantescas como esta aí da foto que irrompem em algum ponto do festival, em meio ao público. Leia os comentários na foto do Facebook pra ver como o pessoal se divertiu.

5) Pulserinhas no lugar de ingresso

electric daisy carnival brasil
Ah, as pulserinhas, esse item substituto do ingresso que os festivais gringos já usam de praxe e que nós do Festivalando adoramos colecionar. A prática aqui no Brasil não é comum, mas a vinda de festivais gringos pode mudar isso. O Tomorrowland, por exemplo, presenteou quem foi a Itu este ano com estes acessórios que depois viram item de ostentação. É uma maneira justa de dar automaticamente um souvenir do festival a quem já está pagando tão caro para frequentá-lo. Turma do EDC Brasil, pense com carinho 😉

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

4 comments

Add yours
  1. Rodrigo Airaf 8 julho, 2015 at 12:11 Responder

    Gente tem um diacho de uma lagarta psicodélica na edição de Vegas que eu preciso que vá!

    Tomorrowland Brasil tinha bebedouros com água gratuita à vontade também, tomara que o EDC siga isso mesmo.

    06. Não pode faltar euzinho!

    Sobre o palco, é o Kinetic Field mesmo ou é a versão menor que foi pras outras edições fora de Vegas? Ta rolando a maior confusão porque tem um post da Insomniac (kineticCATHEDRAL: How to Move North America’s Biggest Stage Across the World) que mostra que em todas as edições fora de Vegas o palco Cathedral teve uma mudança drástica no tamanho, de 440 feet de largura pra 240, quase metade! E de 100 feet de altura pra 90 (que correspondem aos 27 metros de altura mencionados pela Billboard sobre o EDC Brasil). Eles vão trazer mesmo o palcão de Vegas ou vão seguir o Pocket?

    • Priscila Brito 8 julho, 2015 at 13:09 Responder

      Rodrigo, eu tenho acompanhado essa ~polêmica~ do tamanho do Kinetic Field que virá para o Brasil. Não faço ideia de qual versão vai ser usada aqui, mas imagino que a decisão final depende de vários fatores, como logística para transporte e montagem do palco e também o espaço disponível em Interlagos para configurar toda a estrutura do festival. Aguardemos!

Deixe seu comentário