o que fazer em assunçãoFotos Priscila Brito

Três dias de sossego: o que fazer em Assunção

Assunção é uma cidade onde os ônibus parecem ter saído de uma maquina do tempo. Onde as esquinas são o ponto de referência principal para praticamente tudo. Onde a principal rede de fast food, a Ña Eustaquia, tem comida com jeito de refeição feita em casa. Onde o fim de semana tem jeito de cidade do interior. Pode ser que a cidade seja muito mais que tudo isso também. Mas foi o que eu consegui absorver da capital paraguaia, espremida entre a falta de tempo (só dois dias livres) e a falta de ânimo (pelos pequenos dramas nossos de cada dia, que me atacaram no finalzinho da minha viagem). Mesmo assim, encontrei o que fazer em Assunção

assunção paraguai

Eu fiquei três dias em assunção, mas dediquei o primeiro dia inteiro ao Asunciónico, numa sexta, e fui ter tempo para a cidade no sábado e no domingo. Talvez por isso tenha saído de lá com a impressão de uma cidade muito pacata. Se bem que na sexta, na hora do almoço, antes de ir ao festival, já tinha sentido um pouco isso também. Quem gosta dos roteiros turistões vai achar o que fazer lá, apesar de eu achar que o principal apelo é a cidade em si e a simples possibilidade de andar pelas ruas para sentir e conhecer o lugar. Em qualquer lugar que eu vá penso assim, mas achei que lá especialmente.

Veja nossas dicas de hotéis em Assunção e faça sua reserva

Contemplação

Gostei de mergulhar no ritmo lento que vi tomar conta da cidade no sábado e no domingo. Acho que naquele momento tudo de que eu precisava era sentar na pracinha do Panteón Nacional a los Heroes, ver o tempo passar e esquecer um pouco da vida, dar uma respirada, pra só depois retomar tudo outra vez.

Gostei do sossego e do silêncio que deixou tudo mais contemplativo. Passei pela avenida Costanera, às margens da bahia de Assunção. Dei aquela espiada no Palácio de los López. Foi quase como ter a cidade só pra mim. Muito diferente da multidão de turistas como vi em Santiago ou sem aquela barulheira sem fim das buzinas de Bogotá.

o que fazer em assunção

A bahia de Assunção só pra mim

O que fazer em Assunção

Quem gosta de fazer os roteiros tradicionais pode se guiar pela calle Palma, uma das principais ruas da cidade, e onde se concentra um dos pontos de comércio principais, com restaurantes, loja de departamentos (a Nueva Americana é o principal nome local), casas de câmbio.

É nela também que fica o Lido Bar, estabelecimento normal que ganhou fama entre os turistas, mas que eu preferi passar direto porque me pareceu muito mais apetitoso investir meus guaranis na Nã Eustaquia (citada acima e sobre a qual falarei mais adiante). O Lido fica próximo à “Palma y Chile” (esquina da rua Palma com rua Chile, uma maneira mais que corriqueira deles usarem as esquinas de rua como ponto referencial).

Perto dali também está a praça do Panteón Nacional a los Heroes, memorial que abriga os restos mortais dos heróis da história paraguaia, inclusive combatentes da guerra do Paraguai, aquela que o Brasil, junto com a Argentina e com o Uruguai, ajudou a ferrar com o nosso vizinho.

o que fazer em assunção

A calle Palma, uma das ruas mais turísticas de Assunção, numa tarde de sábado

Escadarias

Alguns quarteirões mais à frente, virando à direita na calle Antequera desde a Plaza Uruguaya, dá para encarar um morrinho de leve para chegar até a Escalinata Antequera, uma escadaria construída em 1928 para corrigir o desnível no relevo da área onde se encontra, mas que se converteu em um dos pontos mais emblemáticos da cidade.

De lá é possível ver a bahia de Assunção numa linhazinha bem fina no horizonte, e há quem aproveite os bancos pra sentar e bater um papo, dando ao local o ar de uma pracinha suspensa. A conservação não é das melhores, mas há atualmente em curso um projeto de revitalização da área.

o que fazer em assunção

Na avenida Paraguayo Independiente, três quadras abaixo da calle Palma (no sentido da bahia), tem-se o Cabildo. É um edifício histórico que abrigava funções administrativas no período colonial e hoje é um Centro Cultural. Infelizmente, encontrei fechado no domingo. Próximo dali também está o Palácio de los López, sede do governo, e a Manzana de la Riviera, um conjunto de casas históricas que juntas formam um complexo cultural. Também estava fechado no dia que passei por lá.

o que fazer em assunção

A sede do governo paraguaio

Bahia de Assunção

Por detrás do Palacio de los López já se avista a bahia de Assunção. É possível chegar mais perto pela Costanera, avenida que passa por um projeto de urbanização que privilegia o uso do espaço pela população. Nota-se já alguns bancos, ciclovias. Mas faltam projetos de ocupação para dar vida e ação ao espaço. Ele estava quase deserto na tarde de domingo em que estive por lá. Na bahia também rolam passeios de barco.

DSCN4835

Gostei de ver outras caras de Assunção, quando circulei de ônibus para ir ao Asunciónico e para o aeroporto. A longa avenida Eusebio Ayala tem jeito de centrão, com muvuca de carros, gente e muito comércio popular. Seguindo pela Mariscal Lopez, em direção à Aviadores del Chaco, via de acesso ao pequenino Aeroporto Silvio Pettirossi, me deparei com uma cara mais modernizada da capital.

#PartiuAssunção

Eu não sei até que ponto Assunção é de fato um destino não-tradicional para brasileiros. Apesar de todo mundo espalhar aos quatro ventos quando vai a Buenos aires ou Santiago e não se ouvir o mesmo sobre Assunção, me deparei com muitos brasileiros por lá. E até paguei algumas coisas com reais, sinal de que realmente é comum a brasileirada na capital paraguaia. Mas se ainda não for um destino certo, poderia passar a ser. É uma cidade barata pra nós, exige pouco tempo e tem sua marca e personalidade, assim como as demais capitais da vizinhança (e agora tem o Asunciónico, né?).

Vai viajar para o Paraguai? Faça agora o seu seguro viagem. É uma forma de garantir que você vai ter assistência em qualquer imprevisto com a sua saúde sem ter que se preocupar com os gastos incalculáveis que um problema desses fora do Brasil pode ter. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

3 comments

Add yours
    • Priscila Brito 20 Abril, 2016 at 10:13 Responder

      Eu não presenciei nada que pudesse parecer perigoso, Fidelis. Também não recebi nenhum tipo de instrução a esse respeito. Fiquei pouco tempo lá, então talvez não seja o suficiente para dar uma afirmação categórica, mas realmente não tive nenhuma experiência ruim em relação à segurança.

Deixe uma resposta

Close