Fotos Priscila Brito

Asunciónico, no Paraguai, é simples e baratíssimo

O Asunciónico é o mais novo festival das quebradas sul-americanas. Nasceu no último mês, em Assunção, no Paraguai, e o Festivalando estava lá para presenciar este parto. Como um recém-nascido típico, é pequetito. É um festival bem enxuto, com apenas dois palcos e mais foco nos shows que em firulas/ativações de marca e outras atividades extra-musicais.

Quem gosta de todo aquele oba-oba de festival pode se decepcionar, mas quem é mais objetivo e só quer saber de música vai encontrar no Asunciónico uma excelente opção. Além dele limitar o lineup às grandes atrações principais que vêm a América do Sul em março para o Lollapalooza (assim você vê o pessoal “mais importante” sem ter que ficar se dividindo desesperadamente por vários shows), o custo é baixíssimo. O ingresso mais caro para dois dias de evento neste ano foi R$ 324, e ainda por cima dava direito a serviço vip. Mais precisamente, as opções de ingresso eram as seguintes: R$ 117 (um dia), R$ 210 (um dia vip), R$ 162 (dois dias) e R$ 324 (dois dias vip). E o lineup era este:

asuncionico line up asuncionico line up

De modo geral, é tudo muito simples, sem firula nenhuma. Além disso, não há problemas graves para o público. Mais detalhes na avaliação abaixo:

Transporte
O Asunciónico aconteceu no Jockey Clube, numa região central da capital paraguaia. O acesso principal é feito pela avenida Eusebio Ayala, o que ajuda bastante: sendo uma avenida que corta a cidade em uma larga extensão, há muitas linhas de ônibus que te deixam no local. Na volta, a única opção é o táxi. Até aí nenhum problema, pois além de haver uma boa oferta de veículos na saída, Assunção não é muito grande e as chances são grandes de você se hospedar em algum local não muito distante do Jockey.

O grande problema é que os táxis no Paraguai não têm taxímetro e ninguém (absolutamente ninguém) parece concordar acerca dos valores de uma corrida. Antes de sair para o festival eu perguntei para a recepcionista quanto, aproximadamente, ficaria um táxi do Jokey até o hotel. Ela disse que em torno de uns 40 mil guaranis (R$ 24). O taxista me cobrou 100 mil (R$ 60). Tentei tirar a prova com o recepcionista que estava no hotel de madrugada, na hora que eu cheguei, e ele disse que normalmente a corrida sai a uns 80 mil (R$ 48). Padronizar e organizar as coisas pra quê?

Informações
Uma tenda isolada na entrada era o único ponto de informações sobre o festival. Nada de guias, flyers, ou pelo menos alguma informações sobre o horário dos shows nos telões. Nada. A falta de uma circulação melhor da informações só não comprometeu por completo o Asunciónico porque o festival é realmente pequeno.

Hidratação e comida
Água de graça em festival é para poucos (o Lolla Chile é quem faz bonito nesse quesito aqui na região). A praça de alimentação era modesta, mas adequada às proporções do festival. E, apesar do pouco espaço, conseguiu oferecer um cardápio com variedade razoável, inclusive opção vegetarianas (mas não veganas): refeições rápidas, sanduíches, sushi, quesadillas, doces e paletas (a moda chegou lá também). Havia espaços para comer sentadinho, bonitinho, um detalhe que eu prezo muito em festivais. Ainda por cima tinha “vista” para o palco.

Achei legal que um dos patrocinadores montou um barzinho com drinks variados, o que é ótimo pra sair do lugar comum da cerveja. Afinal, tem gente no mundo que consome bebida alcoólica, mas não necessariamente cerveja (eu!).

asuncionico festival paraguai

Conectividade
Nenhum sinal de wi-fi aberto. Mas não acho a falha mais grave um festival não oferecer wi-fi para o público, apesar de ser um agrado bem vindo. Falha grave mesmo é quando oferecem, mas a conexão não funciona.

Limpeza e banheiros
Os banheiros eram químicos, mas como o público era pequeno, eles estavam em situação usável. Achei difícil encontrar lixeiras espalhadas pela área do festival. Para não jogar lixo no chão, fui atrás de um dos muitos funcionários que circulavam pelo local recolhendo lixo do chão. Mesmo assim, de modo geral, o público e a produção conseguiram manter o espaço bem limpo.

asuncionico festival paraguai

Compra de ingressos
Eu deixei para comprar os ingressos somente quando cheguei em Assunção, algo não muito recomendável. Apesar do risco, ainda havia entradas disponíveis e o principal ponto de venda era a rede Aquí Pago, uma espécie de agência que recebe pagamentos de contas em geral e que tem unidades espalhadas por vários endereços de Assunção. No site há possibilidade de pagamento com cartão de crédito e há um sistema de vendas específico para clientes Itaú.

Segurança
Foi feita uma revista padrão na entrada, mas não me pareceu que nada mais que isso fosse necessário. O público do Asunciónico foi um dos mais sossegados que já vi.

Se você quer gastar pouco e ver quem realmente interessa em um festival, sem perder nenhum show, considere uma visita ao Asunciónico. A simplicidade do festival é compensada pela objetividade.

asuncionico festival paraguai

Transporte8.5
Informações5
Hidratação e comida9
Conectividade5
Limpeza e banheiros9
Segurança9
O Asunciónico é um festival pequeno, com estrutura simples, e consegue evitar a maioria dos problemas de um grande festival graças ao seu porte menor. A localização facilita muito o acesso. Porém, o principal atrativo e trunfo do festival é o baixíssimo preço dos ingressos.
7.6

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

2 comments

Add yours

Deixe uma resposta