turismo na autobahnAutobahn by night. Photo: Yve-TWN

Turismo na Autobahn da Alemanha: vai encarar?

Para muita gente, entusiasmo definiria o momento. Afinal, dirigir na autobhan (termo que denomina as rodovias federais da Alemanha) tem um status especial. Além de ser o país onde o carro foi inventado, possui essas estradas consideradas extremamente bem planejadas, seguras e sem regulação do limite de velocidade. É aí nessa falta de limite que reside o fascínio de muitos quando pensam em fazer turismo na autobahn. Mas também, a sensação de morte iminente, no meu caso.

Eu e dois amigos chegamos em Hamburgo já no primeiro dia do Wacken Open Air, o maior festival de metal do mundo. Havíamos optado por alugar um carro e dirigir na Autobahn, uma vez que não havíamos encontrado acomodação perto do festival e nem estavam (eles) dispostos a acampar. Estávamos cansados e ansiosos para chegar à nossa pousada, num pequeno vilarejo chamado Barmstedt, que ficava a aproximadamente 50km de Wacken, local em que acontece o festival.

turismo na autobahn

O primeiro contato com a autobahn

Parecia simples. Do aeroporto de Hamburgo, onde alugamos o carro até Barmstedt, pegue a A7 (autobahn 7) depois a A23 (autobahn 23). Tava lindo, vire ali, vire aqui e ótimo, siga reto pisando fundo na estrada. Em tese era mesmo fácil. Até o momento em que mal conseguimos tirar o carro de dentro do estacionamento da locadora, ao lado do aeroporto. Rodamos, e rodamos mais uma vez, até que entramos de novo no estacionamento.

Na segunda tentativa conseguimos. E meu coração disparava, pois estávamos na tal da autobahn onde a velocidade é igual a zueira, sem limites. Por sorte, ou azar, nos deparamos com um engarrafamento gigantesco (ao mesmo tempo que queria chegar ao local do festival rápido, também agradecia o fato de a autobahn estar lentinha! ). Um acidente havia acontecido na A23, um carro tinha pegado fogo. Não soubemos detalhes do ocorrido.

turismo na autobahn

Acidentes – leves e graves

À medida que o engarrafamento se desfazia, meu estresse aumentava. Tenho muito medo mesmo de velocidade e, a isso, juntaram-se outros 3 terríveis agravantes. Primeiro, não conhecíamos o lugar e ainda teríamos que passar na pousada antes de ir para o Wacken. Assim, certamente pegaríamos a autobahn à noite.

Segundo, quem guiava o carro era um amigo que também dirigia o veículo no qual vivenciei meu primeiro acidente rodoviário, felizmente não grave. Ele deu uma amassada no carro em uma mureta, eu levei uma lambida no pescoço do cinto de segurança, mas todo mundo no carro ficou bem. O terceiro agravante foi que, ao entrarmos no carro soubemos que um metalhead havia morrido em um acidente de carro fatal, indo para o Wacken, na estrada que dava acesso ao festival.

acidente no wacken

Chata de carona

A tríade do meu desespero então estava formada. Virei a chata de carona, ao invés de chata de galocha. O meu medo fez com que eu impusesse limites de velocidade no meu amigo que a própria legislação alemã não colocava. Fiz drama, sim, admito. Disse que se o velocímetro passasse de 100 que eu desceria do carro e iria para o Wacken sozinha de trem e shuttle bus (inclusive eu tinha rotas preparadas, gravadas no meu celular. Contudo, seria uma opção bem desconfortável, por conta dos horários e conexões).

Talvez eu tenha podado a emoção desse meu amigo de voar na estrada (ME JULGUEM!!!! ), mas também com um carro motor 1.0 isso seria um pouco improvável. E aí você também pode até perguntar: “poxa gra, mas não é perigoso dirigir abaixo de 120km/hr, o mínimo da Autobahn?”. Te respondo que não. Não é se você ficar à direita, e for atencioso com tudo e todos. E 100 km/hr já tá bom né gente? Quer correr? Alugue um carro de fórmula 1 e vá para um autódromo, kct! hauahau

Veja nossas dicas e reserve agora seu hotel em Berlim e em Wacken

Roteiros para fazer turismo na Autobahn

Para mim, a autobahn significou a parte uó de estar no Wacken, devido a esse meu problema sério de amar demais a minha vida. Para muitos, contudo, a autobahn é objeto de desejo e não só um meio de chegar às cidades turísticas, mas sim uma atração turística por si só. O fetiche de dirigir nessas estradas leva pessoas de todo o mundo a alugar carros potentes para pisar fundo por mais de 12.000 km de autoestrada onde a velocidade máxima, na maioria dos trechos, é aquela que o seu motor aguenta.

Existem roteiros e programações turísticas que, por exemplo, são feitos pelos amantes da alta velocidade. Por exemplo, já tem se tornado famoso o roteiro que inclui o passeio pela A8, passando pelos vilarejos de Shalt, Göppingen, Deggiggen, Blaustein e Blaubeuren.

Como quem ama velocidade provavelmente idolatra as máquinas automobilísticas mais potentes, os museus das mais famosas montadoras alemãs, como Mercedes Benz, Audi, Porsche estão todos eles acessíveis nessa rota entre Frankfurt, Munique e Stuttgart. Entre estas cidades inclusive está o autódromo de Hockemheim. Tem até pacote turístico de empresa aérea brasileira chamado alemanha Fly & Drive – duas noites em Munique, duas noites em Stuttgart e uma em Baden-Baden, incluindo hotel , passagem aérea e aluguel de carro. Tudo isso por +ou- R$ 8 mil… Salgado, né?

turismo na autobahn

autobahnadventures.com

Dicas para alugar um carro para dirigir na Autobahn

Mas para aqueles que ainda assim só querem mesmo ir para o Wacken e aproveitar para dar aquela acelerada na Autobahn, seja a A7 ou A23, é bem fácil e relativamente barato realizar esse sonho. A maioria das locadoras de carros oferece preços razoáveis e pacotes já com gasto de combustível previsto A dica é escolher a opção de você encher o tanque na devolução. Certamente vai ficar mais barato o preço do litro do combustível.

Você pode alugar um carro gastando um mínimo de 50 euros o dia. Quanto à carteira de habilitação, sendo ela da categoria B e escrita em alfabeto romano, é tranquilo. Leve a sua que vão aceitar sem ser necessário a tradução juramentada. Mas cheque antes com a locadora, de qualquer forma, pois algumas delas costumam pedir a versão traduzida da carteira de motorista.

Segurança

Minha neurose à parte, as autobahns são sem dúvidas estradas muito bem construídas. Largas, duplicadas de ambos os lados, bem sinalizadas, pavimentação impecável, grandes acostamentos, alças com boa margem de segurança. Há botões de acionamento de emergência em vários trechos, iluminação e poucas curvas. Tudo isso faz sim dessas estradas locais seguros para acelarar. Mas, para mim, a velocidade ainda sim é uma variável da morte: falhas mecânicas e batidas são quase sempre fatais em alta velocidade. Portanto, esse é um tipo de turismo que não me atrai e está decidido que eu vou acampar no meu próximo Wacken!

Vai viajar para a Alemanha? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Também é uma forma de evitar gastos exorbitantes caso você precise de algum atendimento médico. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento e ainda conseguir um desconto.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

1 comment

Add yours

Deixe seu comentário