onde ficar em berlimLianeM via Shutterstock

Onde ficar em Berlim no pós-Wacken e demais festivais

Eu fui a Berlim para acompanhar o Resist to Exist, maior festival punk open air da Europa (e sonho com o dia que vou voltar para ver o Lollapalooza Berlim). Mas um certo festival que acontece longe dali tomou conta da cidade no último domingo que estive lá: o Wacken. Ele tinha acabado no sábado (a Gra estava lá). De repente, no dia seguinte, gente uniformizada com a camiseta do festival tomou conta das ruas. É que no planejamento de viagem para o Wacken a galera já inclui um lugar onde ficar em Berlim como saideira do roteiro.

São poucas horas de viagem da holy land do metal até a capital alemã (de três a cinco, dependendo do meio de transporte), o que torna quase obrigatória essa esticada pra quem vai ao Wacken. Fora o Wacken, essa esticada é ótima também para quem vai no Hurricane Festival (que rola em Scheeßel, a cerca de quatro horas de Berlim) e no Melt! (em Ferropolis, a aproximadamente duas horas). E ainda tem o Lolla, que é na própria cidade. Dica: dá para continuar no clima musical no seu pós-festival com uma vista ao Museu dos Ramones ou conhecer os principais pontos turísticos do ponto de vista de David Bowie.

Achar um lugar onde ficar em Berlim é super tranquilo. Além da excelente oferta de hotéis, localizados nos bairros mais centrais, praticamente em quase todo lugar você vai estar perto de uma estação de metrô (U-Bahn) ou de trem (S-Bahn). Deslocamento pela cidade super facilitado. Para ir direto ao ponto, Schoneberg-Tempelholf, Kreuzberg, Mitte e Charllotenburg – todos bairros vizinhos uns dos outros – são bons lugares para você procurar um hotel.

Schoneberg-Tempelholf – acesso facílimo

Schoneberg-Tempelholf foi onde eu fiquei em Berlim. É uma região central de Berlim com acesso fácil a tudo e pertíssimo de muitos pontos turísticos. Me hospedei neste hotel a um quarteirão da Winttebergplatz, onde fica a estação de metrô de mesmo nome, que te leva pra qualquer lugar pois nada menos que três linhas (U1, U2 e U3) servem a estação.

Tinha um supermercado ótimo e super barato quase de frente para o hotel onde eu comprava minhas saladinhas todos os dias. Poucos passos adiante está a KaDeWe, a principal loja de departamentos da Alemanha. É um passeio ótimo, a propósito. Nem que seja só para olhar os produtos, principalmente a seção de chocolates e de animais de pelúcia, com bichinhos de todo tipo!).

Mais uns passos e eu estava na Kurfürstendamm, avenida comercial super conhecida, com uma enormidade de lojas das principais grifes internacionais e restaurantes. O Tiergarten (parque enooorme) também está próximo. Perto dali estão também os pontos de interesse contíguos ao local: Bundestag, Portão de Brandemburgo e e a Siegessäule. De metrô você chega num piscar de olhos, mas se for animadx como eu chega até a pé.

Kreuzberg – meu bairro do <3 em Berlim

Kreuzberg acabou por se tornar meu bairro preferido de Berlim. Foi onde fiz mais caminhadas mais tranquilas e alguns passeios ótimos. Passei um dia inteiro no Badeschiff, um piscinão suspenso no rio Spree. Também foi onde experimentei o famoso currywurst, tradicional comida de rua de Berlim, graças a um fast food vegano que encontrei por lá. Tem uns brechós ótimos também, como o Colours, que vende roupas no quilo! Como um todo, é um bairro bem descolado. Voltei mais de uma vez só pra ~sentir o clima~.

Eu quase me hospedei lá neste hostel. Minha amiga Aline tinha acabado de voltar de Berlim à época e me recomendou o lugar onde ela ficou. Só optei pelo hotel citado acima porque tinha um programa de fidelidade da rede do estabelecimento, e ia poder usar uns pontos em troca de hospedagem. De modo geral, a região é bem servida de opções de hospedagem diversificadas. Você vai encontrar desde hotéis de rede até apartamentos para alugar.

Mitte – literalmente, o centro

Mitte em alemão é meio. Neste caso, o bairro se chama Mitte porque é a área mais central da cidade. É também a região com uma das maiores ofertas de hospedagem por motivos óbvios. É aqui onde estão os principais pontos turísticos da cidade, aqueles que você acessa rapidinho estando em Schoneberg-Tempelholf. Um dos melhores lugares onde ficar em Berlim.

No entanto, por conta de todos esses predicados, tem hotéis de padrão mais alto – e preço mais alto também. Se você quiser opções cinco estrelas, vai achar algumas boas. Mas também tem alternativas mais em conta, como este três estrelas e este apartamento. Tem hostel também, como este e este, e alguns híbridos, como este que oferece quartos compartilhados e individuais.

Charllotenburg – ainda perto de tudo

Charllotenburg é outra opção bem localizada e ainda vizinha dos demais bairros, conforme expliquei. Este hostel foi outra recomendação da minha amiga. Era a segunda opção dela e eu cheguei a considerar também. De modo geral, assim como os demais bairros citados, a área é bem servida de opções diversificadas: três estrelas, quatro estrelas, hotéis de rede. Não tem erro.

Vai viajar para a Alemanha? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close