lollapalooza brasil 2019Flashbang/Lollapalooza Brasil

Lollapalooza Brasil 2019 foi um Deus me livre, mas quem me dera

A história do Lollapalooza Brasil 2019 é a de uma relação ambígua entre fãs e festival. Algo como Deus me livre, mas quem me dera. Ou credo, que delícia; você não vale nada, mas eu gosto de você. Ou, ainda, pra quem quiser uma referência mais ~vintage~, entre tapas e beijos.

Começou com a ira pelo preço do ingresso. Por si só, já era alto demais e pareceu ser ainda mais caro quando o lineup pouco unânime saiu – a sensação foi de que não valia o quanto custava.

Mesmo com a relação estremecida, os mais confiantes deram uma chance e compareceram ao autódromo de Interlagos em número significativo (apesar de não ter sido o suficiente para esgotar os ingressos como no ano passado; uma média de 80 mil pessoas por dia, contra 100 mil em 2018).

Como optar por virar as costas pro Lolla quando você também tem a opção (e o privilégio) de poder estar onde muita gente também gostaria de estar durante um dos fins de semana mais falados do ano?

Além disso, valia o voto de confiança, principalmente diante de promessas de melhora do festival, como a disponibilização de água e wi-fi de graça (não fez mais que a obrigação, Lolla). Sabe como é, aquela esperança de que as coisas vão mudar pra melhor depois de uma discussão séria. Mas vieram, então, outros testes de paciência.

lollapalooza brasil 2019

Flashbang/Lollapalooza Brasil

Estresse na sexta

Na sexta-feira, na volta pra casa, uma falha no sistema elétrico da linha 9 – Esmeralda, deixou quem voltava do festival preso dentro do trem por cerca de meia hora. Com o sistema parado, o tempo de transferência para as linhas do metrô, que já estava apertado, foi comprometido. Em algumas linhas a transferência foi possível mesmo depois do horário, em outras, não.

É importante dizer que as cobranças em relação à falha não podem cair sobre o Lolla. Os trens são de responsabilidade do governo do Estado de São Paulo. E somente na semana do festival foram registradas três falhas semelhantes na linha 12 – Safira, fora um problema em uma composição na linha Azul do metrô. Ou seja, é recorrente.

Porém, indiretamente, o incidente expõe como a volta pra casa foi um problema no Lollapalooza Brasil 2019. Pode não ser tão simples o processo de negociação para prolongar o funcionamento do metrô nos dias de Lolla. Mas, se isso não é possível, o festival tem que parar de subtrair tempo dos usuários do metrô na hora de montar a programação.

Até 2017, o tempo entre o fim dos shows e o fechamento do metrô era de razoáveis duas horas. Do ano passado pra cá, o horário de encerramento é irregular, mais tarde, prejudicando quem usa o transporte de massa pra voltar pra casa (a maioria).

Na sexta, dia da falha citada, havia 1h15 apenas desde o fim dos shows até o fechamento do metrô. Um espaço de tempo super apertado que se tornou quase impraticável diante da pane elétrica. Com um intervalo mais adequado, talvez o mesmo incidente não tivesse provocado tanto transtorno.

Climão no sábado

No sábado, foi a vez da chuva colocar à prova a relação. Um alerta de raios e chuva forte na região de Interlagos fez a organização parar o festival, cancelar shows (Silva e Chemical Surf), evacuar o autódromo e fechar os portões. Em que medida os procedimentos foram corretos ou não, só um especialista pode dizer.

Mas a comunicação do ocorrido poderia ter sido mais objetiva. Houve reclamações de falta de orientação e de clareza no momento em que a chuva se aproximava.

Desde o início da semana a previsão era de chuva para o sábado e domingo. Por que não, por exemplo, deixar mensagens prontas que pudessem ser disparadas nos telões dos palcos sobre protocolos de segurança em caso de chuva forte pra que todos entendessem a situação e soubessem o que fazer numa eventualidade dessas?

Avisar nas redes sociais, como o Lolla fez, não é suficiente. Quem cuida da comunicação do festival deve saber que uma postagem nas redes sociais não chega para todos os seguidores no exato momento em que ela é publicada. Alguns verão só mais tarde, outros nem isso, pois são os algorítimos que decidem quando e para quantas pessoas a mensagem vai chegar.

lollapalooza brasil 2019

Flashbang/Lollapalooza Brasil

Fazendo as pazes no domingo

Veio o domingo, enfim. A chuva esperada não caiu, apesar de nuvens muito carregadas terem encoberto Interlagos no fim da tarde. O público era ligeiramente menor, desafogando as limitações do espaço do festival; não teve imprevisto no metrô. Um dia sem farpas. De ruim, depois de tantos danos na relação, só mesmo aquela inevitável melancolia dominical de que o fim se aproximava e que a vida estava prestes a voltar à maçante normalidade.

Não pise no nosso amor, Lolla

Certamente, em 2020 a maioria que tiver escolha vai optar por estar de volta (só quem foi pela primeira vez ao festival neste Lollapalooza Brasil 2019 e escolheu o sábado talvez repense e guarde um certo “trauma”; foi realmente um dia complicado). Resta ao Lolla valorizar essa persistência.

O festival, que vinha numa curva crescente depois de uma explosão de público nos últimos anos, desacelerou um pouco este ano. Que faça o melhor para não começar a andar pra trás e se afastar de quem tanto lhe dá prestígio.

Flashs do que rolou em Interlagos você vê nos nossos stories no Instagram

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

7 comments

Add yours
  1. Renan Esteves 8 abril, 2019 at 23:06 Responder

    Os bebedouros e o WiFi conseguiram cumprir a finalidade? Os banheiros continuam sendo os químicos? Sobre a questão do transporte, Lolla tem que chegar a um acordo com o Estado de São Paulo pra colocar o metrô 24 horas, porque vai continuar o mesmo sanhaço se nada for feito, sendo que o público também tem que cobrar, como foi o caso da água.

    • Priscila Brito 9 abril, 2019 at 11:57 Responder

      Poxa, escrever o texto às duas da manhã dá nisso, você se esquece de comentar outros pontos importantes. Água: funcionou. Achei que a estação do palco Ônix tava sempre com fila maior e por isso usei mais a do Bud, mas de modo geral o serviço fluiu. WiFi: achei ótimo que colocaram a cobertura no Lolla inteiro, mas super desnecessário exigirem CPF e e-mail para uso. A General Motoros vai usar os dados para contato comercial e comunicação. Não quis compartilhar uma informação tão importante quanto o CPF pra ficar recebendo propaganda de carro, porque eu sequer dirijo. Por isso, não sei se a rede fluiu.

      Quanto ao metrô, acho que não precisa ser 24 horas igual o Rock in Rio. O RIR a gente não sabe nunca que horas termina o show do Palco Mundo (já saí da Cidade do Rock 2h, 3h, 4h da manhã), então tem que ser a madrugada inteira mesmo. Pro Lolla, que tem hora certa pra acabar, um intervalo de três horas entre o fim dos shows e o fechamento do metrô já melhoraria muito, evitando correria. Isso eles conseguem ou ampliando o horário do metrô ou repensando os horários da programação.

  2. Erick Sofredini 9 abril, 2019 at 14:05 Responder

    As estações de água pareciam ter sido anunciadas só para falar que tinha. Contei 3 e com filas que atravessavam as pistas dos shows. Facilmente se perdia mais de meia hora. Infelizmente ainda prefiro comprar um copo de água por R$ 6,00.

Deixe seu comentário