graspop 2018Graspop Metal Meeting 2017. Ph: Nathalie Moors

Graspop 2018: o que esperar da maior edição do festival em toda a sua história?

O Graspop 2018 já chegou metendo o pé na porta com uma edição de 4 dias, a maior da sua história. Quando a tendência entre alguns festivais é de encolher, reduzindo os dias de evento, o Graspop Metal Meeting banca o crescimento e aposta em um lineup completamente estrelado.

Embora existam outros festivais com lineups similares na Europa este ano, o Graspop Metal Meeting se destaca pela consistência da programação. Há várias edições, os organizadores têm conseguido fechar com os artistas mais bem cotados nos gêneros do rock e metal em turnê.

Histórico de headliners nos últimos 10 anos:

2017:Deep Purple – Rammstein – Scorpions
2016: Black Sabbath – Volbeat – Iron Maiden
2015: Kiss – Slipknot – Scorpions
2014: Avenged Sevenfold – Volbeat – Black Sabbath
2013: Twisted Sister – Slipknot – Iron Maiden
2012: Ozzy Osbourne & Friends – Limp Bizkit – Guns N’ Roses
2011: Scorpions – Judas Priest – Slipknot
2010: Aerosmith – Soulfly – Kiss
2009: Motley Crue – Slipknot – Marilyn Manson
2008: Judas Priest – Kiss – Iron Maiden
2007: Aerosmith – Iron Maiden – Ozzy Osbourne

Estivemos no Graspop Metal Meeting em 2016 e já pensávamos que aquela tinha sido uma edição histórica, com nomes como Black Sabbath, Iron Maiden, Twisted Sister, Foreigner e por aí vai. No entanto, o lineup de 2018 não perde para aquela edição. Digamos que, mais uma vez, o Graspop veio para sapatear na cara da sociedade dos festivais de metal.

Para quem vai este ano ou para quem pretende ir em edições futuras, está aberta a temporada de especulações sobre o GMM18!

Também são para vocês alguns posts importantes: para quem está indo ou ainda pretende ir, não deixe de ler o guia de viagem do Graspop Metal Meeting. Para quem ainda está pensando nas próximas edições, que tal começar pelo planejamento financeiro, sabendo quanto custa viajar para o Graspop?

Então, a principal especulação é sobre o que esperar desta edição do Graspop? Será ela outra edição épica? Algumas mudanças sugerem impactos importantes, tipo o acréscimo de um dia. O lineup também confirma uma tendência. Além disso, um passarinho me contou que a previsão do tempo parece repetir o clima da edição passada. Sem magia e tecnologia, vamos conversar sobre este mega festival, que já conquistou o coração de muitos brasileiros. Inclusive aqueles que eram mais ortodoxos e dedicados inteiramente à peregrinação ao tradicional Wacken Open Air.

Graspop 2018 ou GMMXL

Primeiramente,  a grande mudança do Graspop 2018 é o acréscimo de mais um dia. Apesar de ele não ser um festival de grande extensão territorial, este acréscimo deixa geral meio apreensiva. Afinal, gasta-se muita energia dentro de um festival de música. E não é somente em caminhar de um lado para o outro em mais um dia. Significa que serão mais um monte de bandas descarregando seu poderoso metal sobre nossas cabeças em mais um dia. Não vai ser para fracxs esta edição, né?

Também, significa um dia a menos para curar ressaca. Por outro lado, é um dia a mais deste festival nas nossas vidas. Então, pode-se deduzir mais um dia de diversão e muitas oportunidades para conhecer bandas novas. Nesta edição XL, o festival conta com 118 bandas, 25 a mais do que na edição passada. Vai ter muito som, não é mesmo?

Shows emocionantes

Não é preciso dizer que o lineup do Graspop 2018 está matador, não é mesmo? Os nomes dos headliners saltam aos nossos olhos, como aquelas boas lembranças de quem foi iniciadx no rock e metal na década de 80.

graspop 2018

Ozzy. Graspop Metal Meeting 2016/Divulgação

Então, a programação está assim: 3h30 de sucessos do Guns despejados em fãs enlouquecidos (vocês verão como os belgas se comportam <3); logo, Volbeat, a banda que conseguiu levantar todo o Graspop 2016, mesmo debaixo de chuva; Aí, vem o Iron Maiden dando aquela surra de metal, levando todo mundo a cantar em coro tudo o que a banda fez na vida; por fim, o Madman Ozzy vem dizer adeus aos palcos belgas. Não se pode esquecer, também, de Judas Priest, que vem apresentar o seu mais novo álbum, muito aclamado pela crítica, ao vivo, pela primeira vez no festival.
Assim, parece que corações bangers e rockers serão balançados nesta edição.

 

graspop 2018

Volbeat no GMM2016/ Divulgação Graspop Metal Meeting

 

Mulheres no lineup

graspop 2018

Doro Pesch/ Divulgação Graspop Metal Meeting

A quantidade de mulheres nos lineups de festivais de metal continua sendo, ainda, ridiculamente pequena. Entretanto, ainda se pode ver uma tentativa do Graspop de fazer um lineup com a presença delas, para além dos subgêneros do metal sinfônico e tal.

Neste ano, vai rolar L7, Thundermother,Doro, Vixen, Arch Enemy, Arkona, Amaranthe, Lacuna Coil, Dool, The Pink Slips, Follow the Cipher e Stone Broken. Pouco mais do que 10% do lineup… ok, ainda há esperança da equidade de gênero chegar ao lineup do Graspop.

Lotação máxima

Em pouco tempo, os passes para todos os dias do Graspop 2018 e o ingressos tipo VIP foram completamente esgotados. No entanto, também não demorou muito mais para que os day tickets para 22 e 23 acabassem. No fim da última semana, também anunciaram que os ingressos para o dia 24 já eram. Inclusive, fizeram uma lista de espera para quem não conseguiu comprar.
Até agora, ainda sobram alguns ingressos para o dia 21, com Guns N Roses, Ghost, Kataklysm, Madball, Jonathan Davis e mais.

Mas, o que isso quer dizer? Para esta pessoa que vos escreve, parece que dia 22, 23 e 24 serão dias de lotação máxima, de muita gente mesmo. Apesar disso, o que não vai acontecer é algo que acontece no Rock in Rio, em que algumas áreas do festival se tornam intransitáveis. Porque, neste quesito, o Graspop é muito bem organizado. No entanto, pode esperar mais dificuldades para comprar comida e obter sua cerveja. Ir ao banheiro também vai ser um pouco mais demorado, por conta das filas que vão se formar.

Dias ensolarados?

Quando a gente foi no Graspop 2016, pegamos dias muito chuvosos e enlameados. No entanto, parece que aquele foi um ano deveras atípico. Na maioria das vezes, faz sol! Fez sol em 2017 e, pelo que a gente pode ver desta previsão do tempo aqui abaixo, vai fazer sol outravez em 2018. Oremos!

Um festival muito bem organizado

Aproveitando o assunto da chuva, vale destacar como o Graspop é muito bem organizado. Mesmo com o tempo ruim insistente, em 2016, eles conseguiram solucionar rapidamente os problemas.
Também é muito boa a disponibilidade de ônibus para deslocamento entre o festival e o centro de Dessel. Por isso, não precisa se preocupar. Dor de cabeça com transporte você não vai ter. Vale lembrar que, para quem chega diretamente ao aeroporto, é possível comprar um ticket com antecipação, para viajar direto de lá até o festival. Isso ajuda muito! Clique aqui pra comprar seu ticket de trem para o Graspop 2018, por apenas 10 euros.

Além disso, uma dica interessante é comprar os tokens com antecedência para se alimentar lá dentro. O Festival é cashless. Quem compra antes, paga apenas 2,50 euros em cada token. Já quem deixa para depois, enfrenta uma boa quantidade de fila e ainda paga mais caro.

Vai dar vontade de voltar

graspop 2018

Graspop 2017/ Divulgação

Mesmo com todos os problemas que enfrentei em 2016, deu vontade de voltar! Como o festival ficou um dia maior, pode ter certeza que a sua relação com ele vai ficar mais profunda.
Aí, quando você pegar aquele trem de volta para Bruxelas, vai bater aquela bad e a certeza de que, surgindo a oportunidade e as melhores condições financeiras, você vai querer voltar.

E vocês, o que estão especulando sobre a edição deste ano?

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

4 comments

Add yours
  1. Élcio Luis da Cruz 7 outubro, 2018 at 12:10 Responder

    Eu fui, minha terceira vez no festival, e foi foda. Sempre muito bem organizado!!
    Só teve problema no primeiro dia na entrada, era muita gente ao mesmo tempo e pegou os organizadores de surpresa. Mas a educação europeia/belga ajudou, tudo acorreu lentamente masAh, trabquilo. Não houve empurra-empurra, brigas, reclamações exageradas, etc. Nada, a galera muiti de boa como sempre.
    Resolvido no segundo dia.

    Ah, o dia 21 deu sold out tb dias antes, MAS comer, beber, banheiros: tranquilos, filas pequenas e rapidas.

    Recomendo muito o GMM!!!
    Ano q vem, Copenhell p mudar um pouco e curtir uma de minhas cidades preferidas!

    • Festivalando 8 outubro, 2018 at 12:55 Responder

      Poxa, Élcio. Que ótimo saber que vc é fã do Graspop! A gente também curte. Mas, do nosso ponto de vista(que às vezes é bem exigente) o festival não conseguir contornar tão bem o tumulto todos os dias. Estava muito sujo e tudo mais. Apesar de que sim, não era tão problemático comer e beber a partir do segundo dia, pois havia grande oferta mesmo. Ai, que lindo que vc vai ao Copenhell! Maravilhoso festival e CPH mora no meu <3. Melhor ano vivido na minha vida foi em CPH, sem dúvida alguma! Bjs e boa viagem!

    • Flavio 7 maio, 2019 at 16:23 Responder

      Fala Élcio, blz?? Estou pensando em ir ao GMM esse ano pois estarei passando por Bruxelas no mesmo fds. Minha ideia é ir apenas um dia (domingo), e estou na dúvida em relação à logística. Dá para fazer um bate e volta ou precisa acampar? No caso da camping, vc acha que apenas um saco de dormir serve, ou pelo clima precisa de barraca? Abc!

      • Gracielle Fonseca 7 maio, 2019 at 20:24 Responder

        Ei, Flavio! Massa demais. Super apoio que você faça esse esforço. Tenho certeza de que não vai se arrepender. Então, existe shuttle saindo a todo o tempo do Graspop, em Dessel (de graça ainda)e que vai te deixar na estação de Mol, de onde partem os trens para Bruxelas. Então, você precisa apenas checar se nesse dia vai ter trem durante a madrugada voltando para Bruxelas. Sei que tem, mas sei também que os horários são mais escassos. Portanto, vc precisa checar isso no site da cia de trem (SNCB). Sobre ficar no camping, um saco ao relento jamais conteria o meu frio, rs. Mesmo sendo um festival de verão, a maioria das noites é bem gelada. Não sei o seu nível de resistência ao frio. Mas de qualquer forma, eu não aconselharia. Se chover, então, aí ferrou, rs. Mas acho que rola demais de voltar para Bruxelas. Não deixe de ir ao festival, vai rolar, hehe! Grande abraço!

Deixe seu comentário