" /> Como fazer um festival em casa: o Roskilde ensina | Festivalando
festival em casa roskildeSimon Frøsig Christensen / Roskilde Festival

Como fazer um festival em casa: o Roskilde ensina

“Se a vida te der limões… Transforme em laranja.” É com essa inspiração que o dinamarquês Roskilde Festival está convocando os fãs a fazerem o seu próprio festival em casa, na contramão das versões digitais dos festivais em meio à pandemia. Um motivo a mais pra amar o gigante e cinquentenário festival dinamarquês, um dos meus favoritos desde sempre e super querido no Festivalando.

Orange Feeling

O chamado do Roskilde pra cada um fazer o seu festival em casa vem incorporado pelo espírito do festival. A brincadeira com a laranja na citação acima é um trocadilho com o “orange feeling”, o termo usado pra definir o sentimento provocado pela experiência que se tem no festival. Só quem viveu sabe e eu vivi e sei – tentei dizer o que é, mas é muita mais fácil (e bonito) sentir.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Você tem um minuto para ouvir um testemunho de festival? Vamos falar de Roskilde Festival, na Dinamarca? ⠀ Roskilde me engoliu. 🧡 ⠀ E enquanto mastigava, me levou pra uma realidade paralela dotada de um peculiar espaço-tempo. Me orientava lá dentro por blocos e quarteirões de barracas. Um dia vivido no festival valia por uns cinco dias na vida aqui fora. A música nunca parou de tocar. ⠀ As pessoas não dormiam. Tinha gente circulando pra lá e pra cá numa eterna muvuca dinamarquesa. Fui parada várias vezes a caminho do camping, me puxaram pra dançar, me deram cerveja, outras vezes um abraço, outra vez alguém disse que me amava. ⠀ Na entrada de um show, fui carregada no colo de um estranho, ele sorriu pra mim, me colocou no chão e seguiu em frente. Bati papo com um brasileiro que saiu de Londrina e estava montando seu acampamento usando uma sunga e uma galocha. Joguei conversa fora com os meus vizinhos de camping. ⠀ Vi competição de skate e descansei na beira de um lago. Arrumei um namoro de festival, com data pra acabar. ⠀ E no sétimo dia, quando tudo acabou, não consegui descansar. Quando o festival me cuspiu de volta pra vida, bateu aquela lombeira e aquela melancolia, aquela saudade. Até hoje, seis anos depois, carrego comigo o tal do “Orange Feeling”, a alma do festival que só quem viveu sabe. 🧡😍🧡 ⠀ #festivalando #festivais #music #festival #musicfestival #roskilde #roskildefestival #dk #summerfestivals #orangefeeling

Uma publicação compartilhada por Festivalando (@festivalando_) em

Do it yourself

A ideia de fazer tudo por conta própria é simplesmente o modo de fazer do Roskilde desde sempre. Com 50 anos de história, ele é um festival construído por muitos voluntários, sem fins lucrativos – com doação dos lucros para organizações sociais – e que valoriza a criatividade e a liberdade em sua programação.

Dos oito dias de evento, os quatro primeiros se resumem única e exclusivamente ao acampamento – uma grande cidade basicamente, onde a gente pode passar o tempo fazendo vários nadas, brincando, dançando, conversando, criando. Os mega-shows ficam pra depois – e o lineup é sempre de agradecer de joelhos.

E para manter a missão de doar recursos para diferentes instituições mesmo em um ano em que não há festival, o Roskilde está vendendo ingressos com preços simbólicos cujo valor será totalmente convertido em doações.

O manual do Roskilde para fazer um festival em casa

O Roskilde vai publicar em seu site guias completos com informações e dicas pra ajudar e inspirar quem quiser brincar de festival em casa. Oficialmente a convocação é para o dia 4 de julho, quando o festival encerraria sua edição este ano. Mas fica o convite pra fazer a brincadeira simplesmente quando der vontade.

O Download Festival fez neste mês uma edição digital e muita gente armou seu próprio festival em casa – respeitando a quarentena, incorporando o mesmo espírito que o Roskilde está estimulando agora. Sugiro visitar o Twitter deles pra alguma inspiração.

1. Faça você mesmo, mas do jeito certo

Estamos no meio de uma pandemia, portanto, a preservação da saúde e a segurança são pontos críticos – e segurança é coisa seríssima pro Roskilde.

Faça o “festival” com quem mora com você e fez a quarentena este tempo todo com você. Se tiver que ser sozinho, que seja.

A ideia é estimular de forma lúdica o sentimento de estar em um festival por meio de memórias e atividades caseiras. Não é pra reproduzir à risca o que se passa em um festival; não é pra fazer reuniãozinha em casa nem aglomeração.

Por último, mas não menos importante, respeite os seus vizinhos. Não obrigue os outros a aturar uma celebração que é só sua. Mais dicas aqui.

2. Entre no clima

Faça playlists de artistas que você viu ao vivo e te trazem boas memórias, relembre histórias de festival, reveja fotos e vídeos que você fez, converse com quem viveu estes momentos com você – seja uma conversa presencial (se for com quem você mora) ou uma troca de mensagens ou vídeo-chamada (se for uma pessoa que não vive com você).  Mais sugestões aqui.

3. Música, arte e ativismo

Dessa parte o próprio Roskilde vai se encarregar, com uma seleção de shows dos arquivos do festival. Isso não impede também que você procure por registros de shows que você gostaria de rever.

O festival ainda convida pra que a experiência de ver os shows venha acompanhada de expressões criativas e ativismo, pois o festival também é permeado por essa consciência.

Se precisar de sugestões, nessa thread eu coloquei algumas fontes que permitem que qualquer um se informe e se envolva com as pautas do movimento negro, que recebeu apoio da indústria da música, inclusive muitos festivais, a partir da #BlackOutTuesday. Mais dicas aqui.

4. Comida e bebida

Prepare comidas e bebidas que lembram o que você gosta ou costuma comer e beber em festivais. Eu simplesmente achei a sétima maravilha do mundo descobrir que dá pra comprar mini churros congelados, uma das minhas comidas preferidas de festival (culpa do Lolla)! Aqui tem receitas do Roskilde.

5. Camping

Pode ser dentro de casa ou no quintal, tanto faz. O importante aqui, como definiu bem o Roskilde, é simplesmente realizar “a nobre arte de fazer absolutamente nada – só que de um jeito significativo e divertido”.

Dançar, preparar a comida, fazer jogos, uma atividade manual ou simplesmente tirar um momento pra não fazer nem pensar em nada. Tudo vale. Mais sugestões aqui e um pouco de inspiração no vídeo abaixo, direto de quando o Festivalando esteve no Roskilde.

6. Compartilhe sua experiência

O convite do Roskilde pra compartilhar o festival em casa não é simplesmente pra que cada um mostre o que está fazendo, mas pra que isso sirva pra inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. E também pra que todo mundo se conecte ao ver o que cada um fez. As hashtags que serão usadas pelo festival no dia 4 de julho vão ser  #roskildefestival #rf20.

Leia mais sobre o Roskilde Festival e a experiência do festival e na Dinamarca

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário