" /> O Brasil deu as caras nos dez anos do Planeta Brasil | Festivalando
dez anos do planeta brasilLeca Novo/Divulgação

O Brasil deu as caras nos dez anos do Planeta Brasil

Quase 40 mil pessoas foram comemorar os dez anos do Planeta Brasil (o festival), no sábado (26), no Mineirão, e o próprio Brasil (o país) “compareceu” com seus problemas e tragédias, graças a um diferencial na programação desta edição comemorativa. Intencional ou não, o fato foi pra lembrar que esse planeta chamado Brasil (o país, novamente) inclui os bons e diversos artistas nacionais que dominam o lineup do festival, mas não só.

É que a programação dos dois grandes palcos do festival não foi feita só de shows. Entre uma apresentação e outra, personalidades convidadas fizeram pequenas palestras abordando temas de interesse social.

dez anos do planeta brasil

Frank Bittencourt/Divulgação

Bela Gil defendeu a população indígena; Minotauro lembrou os números escandalosos da pobreza e da violência contra LGBTIQs; Djamila Ribeiro pediu justiça para os afetados pelo deslizamento da barragem da Vale em Brumadinho – que até então mal completava 24 horas, e também em Mariana, em 2015.

A ação foi uma expansão do que ocorreu no ano passado, quando Glória Maria subiu ao palco para falar de diversidade, respeito e combate ao racismo. E também um pequeno espelho do Planeta Talks, evento com palestras e debates que, desde o ano passado, acontece um dia antes do festival com as personalidades que também dão as caras no festival.

Um caminho pra ser autêntico

No ano passado, a propósito do Planeta Brasil 2018, eu lembrei que o festival ainda tinha uma alma pra construir. Se ele aprimorar essa aposta nas palestras como abertura de shows, tem grandes chances de criar uma pegada mais autêntica.

Por enquanto, o restante das atrações extra-musicais são apenas boas reproduções da cartilha dos festivais mainstream contemporâneos (parede de escalada, flash tatoo, mirante, tirolesa…). Mas vamos fazer justiça ao preço ainda justo do ingresso e à arrecadação de alimentos em troca da meia entrada para quem não tem esse direito por lei.

Voltando ao Brasil (o país), o noticiário recente também marcou presença durante os shows, seja pra falar da falta de respostas sobre o assassinato de Marielle e Anderson (Milton Nascimento e Criolo), a renúncia de Jean Willys (Natiruts) e, mais uma vez, a tragédia protagonizada pela Vale em Brumadinho (Raimundos, Seu Jorge e Milem).

dez anos do planeta brasil

Nathália Pacheco/Divulgação

dez anos do planeta brasil

Nathália Pacheco/Divulgação

Mas houve momentos também para lembrar que o Brasil é um belo país tropical com talento e potencial que se repete em gerações (Céu e Jorge Ben Jor), com mulheres incríveis (Jade Baraldo e Cynthia Luz) e misturas sem fim (Raimundos e os 25 anos de seu forró-core, sem entrar nos detalhes de como aquelas letras envelheceram maaaal).

Só foi uma pena ter que ouvir parte disso com o baixo volume do áudio do Palco Norte, do início ao fim do festival.

#ficaadica pros próximos dez anos do Planeta Brasil

Um problema ainda persistente do festival é o espaço. A Esplanada do Mineirão é desconfortável para um festival e tem se mostrado cada vez menor para o crescimento do Planeta Brasil. Com a falta de alternativas em BH para um evento dessa configuração, mais que um problema, o espaço também é um desafio.

Água a R$ 7, em pleno verão, com proibição da entrada de garrafas de água, é um problema muito grande também quando tem tanto festival aqui e lá fora com água de graça. Apesar de haver bebedouros no Mineirão, eles ficam na área que o Planeta Brasil delimita para a pista premium, onde a água já é liberada no open bar. A propósito, esse negócio de pista comum e pista premium em festival não combina.

Seguir a cartilha dos festivais moderninhos vale. Mas tem algumas boas práticas dos melhores e mais exemplares festivais do mundo ainda faltando (um beijo, Roskilde).

Mais Planeta Brasil nos sotories do Festivalando no Instagram

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário