montreuxriviera.com/Divulgação

O barato da Riviera suíça

A Suíça é um país caro, você já deve ter ouvido alguém falar. E é mesmo. Na minha chegada ao aeroporto de Genebra, recebi as “boas-vindas” por meio de um bilhete de trem que me custou 31 francos suíços (cerca de R$ 75) para o trajeto até Vevey, onde fiquei hospedada para acompanhar o Festival de Jazz de Montreux. Mas, como diz minha mãe, pra tudo dá-se um jeito e há como segurar por mais tempo o Le Corbusier nas suas mãos (o arquiteto estampa a nota de dez francos) e gastar menos com aquilo que inevitavelmente vai consumir seu dinheiro durante uma viagem: transporte e alimentação.

Encontre passagens para a Suíça com o melhor preço

 

Faça seu seguro viagem para a Europa com desconto

No quesito transporte, a palavra mágica se você está indo para a região dos lagos é Riviera Card. O cartão, que na verdade nada mais é que um pedaço de papel, te dá gratuidade (sim!) nos ônibus e trens que ligam Montreux, Vevey, Lavaux e Villeneuve, além de 50% de desconto em museus, parques temáticos e passeios de barco. Graças a ele, fiz a rica e cruzei o Lago Léman de barco, abraçada pelos alpes suíços. Para ter acesso a ele, é preciso estar hospedado em um dos hotéis ou hostels credenciados na autoridade de turismo de Vevey-Montreux. Neste link, você pode checar quais são os estabelecimentos participantes. Eu fiquei neste hostel, que tinha os melhores preços numa época que é super alta temporada (verão + festival de Montreux).

Pesquise mais hotéis em Montreux

Pesquise mais hotéis em Vevey

No momento do seu check-in, é só pedir o cartão. No hostel em que fiquei nem precisei pedir, o pessoal da recepção já foi me entregando de imediato. Ele será impresso com o seu nome e o período da sua estadia. Você vai receber também um flyer informando em quais serviços você tem desconto. Na hora de comprar os ingressos, apresente-o. Para usar o transporte, não é preciso apresentá-lo. Apenas entre no trem ou no ônibus e carregue ele sempre com você. Caso apareça algum fiscal, mostre-o.

Quando o assunto for comida, guarde dois nomes na memória: Migros (ou Migrolino, as unidades do tipo loja de conveniência) e Fleur de Pains.

baratoriviera1

O Migros (ou Migrolino, versão pocket no estilo loja de conveniência) é uma rede de supermercados presente em toda Suíça. A dica já valeria tendo em vista a regra de que comprar comida em supermercado sempre vai valer mais em pena que em restaurante – por exemplo, um muffin no café do festival de Montreux custava 4,50 francos, enquanto no Migros que ficava do outro lado da rua do Centro de Convenções, onde acontece o festival, o mesmo produto saía por 2 francos.

Acontece que o Migros tem um detalhe a mais: um bufê com massas, carnes, tortas e saladas, com preço razoável e ótimo para quando dá aquela vontade de comer comida de verdade. O esquema é uma espécie de semi-self-service. As massas, carnes e legumes gratinados são vendidos no quilo, mas cada porção é pesada separadamente (e não é você quem serve, mas sim um funcionário, que vai perguntando se a quantidade de comida está suficiente). Em média, 100 gramas de cada opção sai por 2 francos. As tortas, quiches e saladas são vendidas separadamente e custam, em média, 5 francos cada. Sabendo equacionar, dá para fazer uma refeição com jeito de comidinha de casa pagando algo em torno dos 10 francos. Uma porção de arroz, legumes gratinados e um quiche de queijo me custaram 11 francos. Em restaurantes com opções à la carte, vi pratos a partir de 15 francos.

Já a Fleur de Pains é uma boulangerie e pâtisserie (padaria e confeitaria em bom português) com algumas lojas espalhadas pela Suíça e com preços tão apetitosos quanto os doces e baguetes expostos em sua vitrine. A influência francesa é notável na Riviera suíça não só no idioma, como também na gastronomia, e lá na Fleur de Pains você vai se deparar com madeleines, macarons e éclaires (a nossa boa e velha bomba de chocolate), pães, quiches e baguetes.

baratoriviera_2

Na média, os doces ficam na casa dos 3 francos e os salgados não passam dos 7. Um bolinho de canela e baunilha e uma torta de queijo me custaram 7,50 francos. Bônus: ao lado do caixa, sempre tem alguma iguaria da casa livre para degustação.

Sabe de outros baratos da Riviera suíça? Conta pra gente nos comentários.

O Festivalando faz parte do programa de afiliados do Booking.com. Isso quer dizer que fazendo as reservas no Booking através dos nossos links, você ajuda o site a ganhar uma pequena comissão, mas não paga nada a mais por isso. 😉

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

4 comments

Add yours
  1. Um roteiro para a Suíça: a Riviera e além | Festivalando 21 janeiro, 2015 at 08:48 Responder

    […] Super importante: ficando em Montreux ou Vevey, certifique-se de que você vai ficar hospedado em um hotel/hostel credenciado pela autoridade de turismo da Riviera. Estes estabelecimentos estão autorizados a presentear os turistas com o Riviera Card, um cartão que te dá descontos em atrações turísticas e gratuidade no transporte em alguns trechos. Falo mais sobre isso neste post aqui. […]

Deixe uma resposta