Escolher os passeios no Atacama que vão entrar no seu roteiro no deserto não é tarefa simples. As opções são bem variadas e atrativas, o tempo e os recursos são limitados e a sua disposição também — a propósito, tempo, dinheiro e disposição são a combinação-chave de uma viagem ao Deserto do Atacama.

Por isso mesmo, são muitos os roteiros possíveis e o que eu vou compartilhar na sequência, exatamente o roteiro que eu fiz quando estive lá em 2020, é uma referência que pode te ajudar a entender como você pode montar a sua própria viagem.

Roteiro de passeios no Atacama: a minha experiência

Todos os passeios abaixo foram feitos com a Agência Ayllu Atacama, que é especializada em atender turistas brasileiros. Eu viajei a convite da agência e escolhi os passeios com base na disponibilidade da época em que viajei (você vai entender isso ao longo do texto) e, óbvio, nos meus interesses. A agência arcou com os passeios e a passagem aérea.

Eu conversei com o atendimento da agência antes de sair do Brasil para saber das possibilidades em geral nos dias em que estaria lá e fechei o martelo no meu primeiro dia já no Atacama. Essa é uma forma de se organizar para os seus passeios no Atacama, mas é também possível deixar para pesquisar tudo na hora, quando você chegar lá, passando pelas várias agências que oferecem serviços — elas se concentram nas ruas Toconao e Caracoles, muito fácil de encontrar no centro de San Pedro de Atacama, que é bem, mas bem pequeninho.

Leia também: hotel no Atacama e a experiência de ficar fora do centro

Essa é uma boa estratégia para quem está em busca de bons preços. Afinal, você pode pesquisar in loco as agências que têm os preços mais adequados para o seu orçamento. Mas é bom também para se deparar com alguns passeios exclusivos, que às vezes só uma ou outra agência oferece — porém, no geral, a maioria dos passeios é a mesma; a diferença estará no preço e no tipo de serviço que você vai receber em troca.

Primeiro dia, à tarde: Valle de la Luna e Valle de La Muerte

Na prática, esse foi o meu segundo dia no Atacama. Cheguei em uma terça-feira no fim da tarde, descansei o resto do dia e optei por dormir um pouco mais pela manhã no dia seguinte para só então fazer o primeiro passeio já descansada.

A minha escolha nesse dia foi o Valle de la Luna, que leva esse nome por ter uma aparência que lembra a superfície lunar. Na prática, o que se conhece nesse passeio no Atacama é a formação geológica da Cordilheira de Sal. Passei por formações de sal e construções abandonadas de mineradores que trabalhavam na região. Foi uma caminhada relativamente leve de uns 15 minutos em uma área mais plana e baixa e parada para algumas fotos.

Depois, seguimos para uma segunda caminhada, desta vez em área mais íngreme, até o Mirante de Achar. A subida é levemente íngreme até chegar em uma das formações. No alto, o caminho exige mais cuidado para não escorregar. O esforço compensa: do alto há uma visão privilegiada do Valle de La Luna.

Na sequência, a van levou o nosso grupo para o Valle de La Muerte (o nome original era Valle de Marte, em referência ao planeta, mas um padre belga se confundiu ao ouvir a palavra e trocou Marte por muerte, e assim ficou o nome da região). Aqui, o conhecimento do guia da Ayllu, o boliviano Angel, que fala português, fez toda a diferença. Ele nos levou para uma trilha que normalmente não faz parte do roteiro de outras agências e foi neste momento que este se tornou o meu passeio preferido de todos.

roteiro de passeios no atacama

deserto do atacama

Começamos a caminhada sob muito vento, mas em terreno mais plano. De longe, dava para ver o vulcão Licancabur no horizonte. Seguimos pela trilha até o topo de uma duna e de lá descemos a formação íngreme até chegar no vale em si. É tão íngreme que, na verdade, é quase vertical.

Olhando do alto, a impressão que dá é que você vai cair, mas a areia serve como um “freio” que te segura o tempo todo e a descida é segura. Você acha que vai descer na maior velocidade, mas acaba mesmo é deslizando na duna. E no final sai com o tênis cheio de areia! Essa aventura toda rendeu cerca de 40 a 60 minutos de caminhada.

A van nos aguardava no vale para que a gente fosse para outro ponto da região para, do alto, ver o pôr do sol acompanhando de um coquetel com queijos, vinhos e frutas preparado pela agência. Nesse momento, você entende porque o nome “Vale de Marte”: a paisagem fica avermelhada como o planeta.

Segundo dia, à tarde: Lagunas Escondidas e Ônibus do Deserto

De uma paisagem totalmente árida e um passeio quase radical no primeiro dia para uma experiência relaxante em meio a um oásis no segundo dia: conhecer o Deserto do Atacama é isso. A minha escolha para este dia, à tarde, foi a expedição às Lagunas Escondidas, um conjunto de sete lagoas com diferentes concentrações de sal e muito, muito azuis. Duas delas são liberadas para banho e o barato é boiar na água, já que o sal não te deixa afundar.

O passeio em si é de fato relaxante, já que a ideia é visitar um oásis e cair na água sem se afundar. Mas o caminho é puxado. A estrada é de terra, a van sacoleja bastante, e tudo isso por uma hora saindo de San Pedro. Dependendo da sua sensibilidade, pode dar um pouco de enjoo — minha estratégia nessas situações é ficar de olhos fechados.

Chegando lá dentro, porém, é só apreciar a paisagem e ser feliz. O azul das lagoas é lindo, mas tão bonito quanto é olhar ao redor, no horizonte, e ver as cordilheiras, um semi salar e as formações rochosas. A agência ofereceu roupões pra quando a gente saísse das lagoas e o local em si tem um vestiário onde podemos tomar uma ducha e trocar de roupa.

roteiro de passeios no atacama

Mas o passeio não acaba aqui. Seguimos para o momento instagramável do dia: o famoso ônibus do deserto, um ônibus abandonado, todo enferrujado, mas que nós humanos da era das redes sociais achamos incrível. Felizmente, o lugar entrega muito mais do que só uma foto que logo vai sumir no seu feed.

Mais uma vez, vale a pena olhar ao redor para apreciar a paisagem: o relevo parecido com a superfície de Marte, as montanhas da Cordilheira de Sal, o barulho das rochas se contraindo e o barulho do vento, muito vento. Neste ponto, o guia da agência fez toda a diferença outra vez. No lugar de só fazer a parada para a foto, ele chamou nossa atenção para todos esses elementos do local.

Terminamos, com um coquetel antes de voltar para San Pedro de Atacama.

onibus do deserto no atacama

Segundo dia, de madrugada: Tour Astronômico

Bem coladinho com o Valle de la Luna e o Valle de la Muerte, este foi outro dos passeios no Atacama que me marcaram mais. Sendo o Atacama um dos melhores lugares no mundo para observar as estrelas, já que não há luzes artificiais de áreas urbanas comprometendo a visualização, algumas agências oferecem um tour voltado apenas para a observação do céu.

Neste tour da Ayllu, em que voltamos ao Valle de la Muerte, a promessa era de observar as estrelas a olho nu e com telescópio, mas no fim foi bem mais que isso. Com um guia formado em física, o que tivemos foi uma grande aula de astronomia diante do céu mais estrelado possível. Ele nos ensinou a localizar o Cruzeiro do Sul, o sul celeste, identificar constelações e planetas. Vimos estrelas cadentes, satélites na órbita da terra e, com o telescópio, vimos Marte, Júpiter e Saturno.

A imagem de Saturno e os anéis no visor do telescópio nunca mais vão sair da minha memória. Tudo isso aconteceu sem absolutamente luz artificial nenhuma, somente à luz das estrelas, criando uma experiência de imersão genuína que raramente temos nesse mundo tão cheio de estímulos.

tour astronomico no atacama

Para completar, o passeio incluiu uma foto tirada pelo Angel, guia e também fotógrafo profissional, cobertores para quem quisesse se aquecer (eu estava toda trabalhada no casaco corta vento, segunda pele, meias e luvas de neve, então não senti frio), e um lanche com chocolate quente, vinho e snacks.

Importante: se você quer muito fazer o tour astronômico, precisa planejar sua viagem para o Atacama fora das datas de lua cheia. Como ela ilumina muito o céu, não há como fazer a observação das estrelas a olho nu que o passeio propõe.

Terceiro dia: eu simplesmente descansei

Depois de passar a tarde do segundo dia descansando, a noite acordada no hotel até umas 2h da madrugada aguardando a van me buscar para o Tour Astronômico e só voltar do passeio por volta das 5h, eu decidi: no terceiro dia eu vou descansar. E dormir.

Dormi até a hora que deu vontade. À tarde, fui com calma para o centrinho de San Pedro de Atacama almoçar e tirei um tempo para finalmente passear pelas ruazinhas da cidade e conhecer o povoado e os famosos doguinhos enormes que ficam na porta dos comércios. À noite, voltei para o hotel para descansar mais um pouco, já que o passeio do dia seguinte exigiria que eu acordasse mais cedo.

san pedro de atacama

san pedro de atacama

Quarto dia, de manhã: Rota dos Salares

Este tour começou cedinho ainda na sede da Ayllu, com um café da manhã preparado para o grupo. É um dos passeios no Atacama que inclui altitude, e acredito que por isso quase não há trechos de caminhada, para evitar esforço, ao contrário das estripulias que fizemos no Valle de la Luna e no Valle de la Muerte.

O foco é passar pelas muitas formações de sal que estão nas partes mais altas do deserto, mas até chegarmos nessa parte fazemos paradas em pontos estratégicos para conhecer as belezas no caminho. A primeira delas é um mirante para o meu grande amigo dessa viagem, o vulcão Licancabur, que eu avistava todos os dias na saída do hotel. Paramos também na Lagoa Quipiaco, onde é possível ver flamingos de longe — não podemos chegar perto para não perturbar os bichinhos.

vulcao lincacabur atacama

roteiro de passeios no atacama

Depois, entramos na Reserva Nacional los Flamingos, cheia de formações geológicas — La Pacana, Laguna de Aguas Calientes e o Salar de Quiquiro, a poucos quilômetros da fronteira com a Argentina. Chegamos, enfim, a uma concentração de salares e o visual é único. Muitas cores, em um contraste grande com a ideia de um deserto. Tudo é muito vibrante e mais impactante que qualquer tratamento em Photoshop.

Com esse visual, de frente para o salar, paramos para almoçar, com as refeições preparadas pra gente no local pela equipe da agência.

Quinto dia, de manhã: Geyser el Tatio

Mais um dia de altitude (cerca de 4 mil metros) e bastante frio. Saímos bem cedinho para ver os gêiseres, espécies de nascentes que entram em erupção com jatos de água quente. Neste local do Atacama, estamos no maior campo geotérmico da Terra. O frio é pra valar, então aqui mais uma vez é preciso recorrer a todo o aparato de neve e corta vento. Ao mesmo tempo, chegar perto do vapor dos gêiseres ajuda a pegar um ar quentinho.

roteiro de passeios no atacama

Além de conhecer a atividade dos gêiseres, quem tem disposição para trocar todas as camadas de roupa por roupa de banho pode entrar em uma das lagoas termais com águas na casa dos 35° — essa eu passei. O tour com a Ayllu incluiu um café da manhã farto preparado no local para depois seguirmos viagem para outros pontos de interesse no caminho.

Na descida paramos no Bofedal de Putana, um pântano na altitude, e conhecemos o povoado de Machuca. É um micropovoado, com menos de 50 habitantes. Uma das maiores atrações do local é a venda de carne de lhama, mas o meu eu vegetariano também passou essa.

Quinto dia, à tarde: Trekking Guatin + Termas de Puritama

Este tour veio acrescentar mais uma gama de contrastes a tudo que eu já tinha vivido nos passeios no Atacama até então. O tour começa com um trekking dentro de um cânion, em meio a rochas, cactus e outras vegetações locais a cerca de 3 mil metros de altitude. O trajeto requer esforço moderado na maior parte do tempo, mas tem alguns lampejos de aventura, como ter que saltar sobre pequenos riachos. O destino final é uma piscina de águas termais, onde paramos para aproveitar a água por um tempo. A agência forneceu roupões.

deserto do atacama

Fizemos o trajeto de volta pelo mesmo caminho, onde a van nos esperava. No caminho até o um vale onde a gente faria o nosso coquetel, o  guia parou em uma fazenda no meio do caminho para comprar o queijo de cabra que faria parte do nosso cardápio, que já contava com frutas, queijos, vinhos, cerveja e pães. Entramos na fazenda e, enquanto ele escolhia, vimos as cabrinhas simpáticas.

Sexto dia, de manhã: Lagunas Altiplânicas

O último dia também foi em altitude (por volta de 4 mil metros) para conhecer as lagoas que se formam nos trechos mais altos do Atacama, nas cordilheiras, como resultado da neve que descongela e escorre do pico até os vales da região.

São muitas lagoas no roteiro, e a primeira delas é a Tuyacto, em um trecho bem alto e com vento forte. Nessa primeira parada tivemos o café da manhã, mais um bem farto, bem típico de hotel, desta vez com direito a sobremesa: chilenito (um versão do alfajor no Chile) e doce de leite.

Depois fomos para o mirante de Piedras Rojas e fizemos uma parada no meio da estrada para pura e simplesmente deitar na BR. É que o local é tão remoto que permite uma brincadeira dessas. O passeio termina com a dupla de lagoas Miscanti e Meñiques, com um pit stop estratégico na placa que marca um dos pontos por onde passa o Trópico de Capricórnio.

O tour também inclui um almoço na sede da Ayllu, com cardápio bem brasileiro, já que a agência é especializada nesse público: arroz, feijão, batata-frita e outras opções no esquema self-service, super brasileiro também.

passeios no atacama

Para terminar

Como eu disse no início, todos estes passeios foram feitos com a agência Ayllu Atacama, com quem eu viajei a convite para o deserto. Alguns pontos para ter em mente:

  • Todos os passeios têm um custo que é pago à agência com antecedência; em alguns casos, é preciso também um ingresso para a atração que é pago no local em questão no momento da entrada
  • Em alguns passeios a van da agência te busca e te leva de volta no hotel; em outros, a saída é da agência e na volta te deixam no seu hotel ou vice-versa
  • Todos os passeios incluem refeições que são preparadas antes da saída da equipe da sede da agência. As refeições são sempre servidas em mesas, com uma estrutura legal pra gente sentar e comer com tranquilidade. A equipe também leva na van equipamento para aquecer e/ou manter a temperatura dos alimentos e bebidas, conforme a necessidade
  • Há outras opções de passeios além destes que eu fiz; alguns são ofertados durante o ano todo, outros variam conforme a temporada

Você pode saber mais sobre os passeios no Atacama com a agência Ayllu Atacama aqui

Imagem principal: LMspencer/Shutterstock

2 Comments

  • Renan Esteves
    Posted 22 de maio de 2022

    Gostei desse seu passeio! Fiquei bolado com todo esse roteiro. Outro lugar que me chama a atenção e que, quem sabe um dia, gostaria de muito de visitar é a Ilha de Páscoa, já na fronteira com a Polinésia Francesa. Só que por ser um local mais afastado do país, o custo pra se chegar lá não é nada barato. Fico fascinado por passeios que envolvem deserto, trilha, trekking, etc.

    • Priscila Brito
      Posted 25 de maio de 2022

      Esse é o grande dilema de querer ir pra Ilha de Páscoa: o custo da passagem!

Leave a comment