wikimedia commons. O mar.

O mar e o mosh

A onda vem em sua direção. E você sabe que ela pode te derrubar. Vão te dar a mão para voltar para a roda? Talvez não, mas ainda é possível levantar sozinho. A maré, contudo, vai querer te levar embora junto com ela, para o pit? O mar arrebata com violência. Seu corpo contra a água que insiste em te transportar para o lado que ela quer. Gente junta e fluida também avança num redemoinho, te querem no centro do mar?

No epicentro do mosh seu corpo se abala e quase submerge. O embate é inevitável, e desejável? Furo a multidão e saio na outra crista, mas em breve alguém surfa sobre mim, sobre a água, sobre o embolado de pessoas que dançam com vigor. Chego à grade. Logo volto, pois a maré me envolve e pede compania para seguir em direção à areia, e no caminho eu e a onda derrubamos mais alguém.

Para e pensa, vacila e a maré te leva uma vez mais para o ponto de partida, naquela tentativa de transpor o quase instransponível – foi num estalo, longe de onde as ondas rebentam, no intervalo de um festival de metal que percebi essa metáfora discarada. Eu observava o mar como observara o mosh.

ForCaos 2015. Foto: Victor Rasga

ForCaos 2015. Foto: Victor Rasga

O meu encontro com o mar tem sido constante desde o início do Festivalando. Não por acaso,também o encontro com o mosh. Os mares da Dinamarca, Noruega, Suécia, Fortaleza e Rio de Janeiro, os moshs do Roskilde, Aalborg Metal Festival, Inferno, Sweden Rock, ForCaos e Rock in Rio. Em cada um deles há peculiaridades. Mas uma máxima é possível ser retirada desse encontro constante. Na beleza do mar há violência, na violência do mosh há beleza.

mar revolto

O mar. Wikemedia Commons.

Para o mar e para o mosh, vale espiar antes de se atrever. Ambos exigem iniciação. Para nadar no mosh, é preciso entendê-lo antes. Para moshar nas ondas, é preciso algo mais do que bater pernas e braços.

Diante da violência oceânica e humana, é preciso estudar cada traço, saber aonde entrar. O mar pode te puxar para um buraco do qual será preciso fôlego para sair. O mosh também.
O mar e o mosh compartilham certo movimento. Não só circular, mas aquele de vai e vem, de tensão de superfícies. Compartilham também efeito, e às vezes causa. As pessoas dizem se sentirem energizafas depois de um banho de mar. Eu, contudo, saio do mar drenada. Do mosh, esgotada.

A tal sensação de “alma lavada” também é uma decorrente do encontro com o mar e com o mosh.  Ambos são um convite para o gasto de energia, para depois desencadear o transbordar de conforto com a endorfina. Da calma vem a contemplação. Depois de sair do mar-mosh, você já parou para contemplar o que emana de lá?

11834696_908735122543142_3929157652129510506_o

Já pensou que no mar há um mistério, e no mosh também? Muitas vezes não conheço aqueles em que me proponho aplicar a força. Não conheço também o que vou encontrar dentro do mar. E assim como os fundos de areia que a toda hora se movem, remodelam, te engolem e criam espaços inusitados, o mosh também se remodela, ganha novos personagens e movimentos que mudam de acordo com o ritmo tocado, a velocidade da percussão, a intensidade do riff.

Quase a mesma imagem me chega à mente quando penso na saída do mar, na saída do mosh: o corpo caminha para fora, o corpo tem gotículas ( de água salgada ou suor?). O sorriso está no rosto. Às vezes o sangue também está no rosto, um rubro bonito e brilhante. O mar me encanta. O mosh também.

mar

Gauguin, Paul – Vahine no te miti (Femme a la mer)

*Contribuiu com fotos de “mosh pit” para esse post: Victor Rasga.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

2 comments

Add yours

Deixe seu comentário