Exausta. Assim eu estava naquela quarta feira quando acabava de chegar da maratona Wacken e turismo em Praga. Mas também naquela quarta quente em Hradec  králové era dia de ver uns certos senhores do rock/metal, lá daquela terra dos camarada do Submarino Amarelo, mas muito mais interessantes do que eles, na opinião de quem acha amarelo muito radiante.

A vontade do meu corpo era apenas de Lay down my soul on a bed! Ainda bem que meu cérebro assumiu o controle! O cansaço se curvou e sumiu aos pés daqueles que eram mais rápidos que o Motorhead, mais satânicos que o Black Sabbath, tinham tanta pirotecnia quanto o Kiss, e mais agressividade do que o Judas Priest. Nos curvamos para esses grandes deuses do rock n’roll.

Sim, rock‘n’roll. O album e a música “Black Metal” são nomes, inspiração e recheio satânico para a cena metal, mas o sub gênero está no Venom como um recém nascido, que se desenvolveu e virou jovenzinho na decada de 90, com um formato um pouco mais veloz. Aliás, foi com a canção “Black Metal” e muito fogo que abriram o show.

Venom Official Pictures Live BA 2014
Venom Official Pictures Live BA 2014

Cronos era pura simpatia e insanidade. Avisou: somos o Venom e viemos trazer mais fogo e algum sangue para o Brutal Assault. Perdoei de cara aquela mesma cropped de outrora, com o acúmulo de bacon abdominal de agora. Finalmente eu estava frente a frente com o proprietário desses versinhos mimosos

I bear the soul of Satan
I wear the seal of death
I hold the keys to destiny
Steal your dying breath

E para minha alegria, Antechrist estava no setlist! Isso depois de ter ouvido Buried Alive e Bloodlust. Além de vários clássicos, tocaram coisas mais novas – Pedal to the medal, de 2011, e nos agraciaram com uma música que vai estar no próximo álbum, intitulada Rise – com aquela mesma formula Venom, deliciosa de se ouvir.

Banda-mito, que influeciou toda a geração de queimadores de igreja, e toda a leva oitentista da cena do metal que foi um das mais importantes do mundo naquela época, a belorizontina.

Sem dúvida, o Venom fez o show mais importante do Brutal Assault, muito mais até do que o grande headliner, Slayer. E talvez um dos shows mais animados de todo o festival, que abriu em grande estilo.

Mais um sonho realizado: bater cabeca ao som de Venom, ao vivo.

Leave a comment