Holland pop festivalHolland Pop Festival. Ph: Erik Baas via Wikimedia Commons.

Almoço com o Holland Pop Festival, o Woodstock dos Países Baixos

Na semana que se passou, eu estive em Rotterdam, nos Países Baixos. Mas foi por motivos diferentes daqueles que geralmente me levam a escrever por aqui. Porém, os motivos que geralmente me levam a escrever por aqui estavam no acaso do meu compromisso marcado pra hora do almoço naquela cidade. E foi assim, sem planos ou pesquisa prévia de roteiro de turismo musical que aconteceu o meu encontro com o Holland Pop Festival. Coisa do destino? Desta vez pode ser.

Bosque, lago, sol, boa comida e muita história

Na hora de escolher um local para o almoço, meus anfitriões decidiram me levar a um restaurante que fica de frente para um lago, rodeado por um bosque bem bonito. Segundo eles, o dia estava muito quente e convidativo para um lugar assim. Eles acertaram na mosca. Já de cara, ao descer na estação Boezemstraat, todo aquele clima moderno e agitado de Rotterdam muda, tornando-se um delicioso clima bucólico. E veranesco, pois sim, aquele dia as temperaturas passaram dos 25 graus.

holland pop festival

Caminho de Karlingsen. Ph: Michielverbeek via Wikimedia Commons

Já foi uma delícia caminhar até o restaurante,passando pelo bosque e pelo moinho de vento tradicional (!) – sim, pasmem: apesar de ter sido completamente destruída durante a segunda guerra mundial, Rotterdam ainda conserva alguns poucos resquícios das paisagens de outrora. Aí, quando me deparei com a bela vista a qual nos faria companhia para almoçar, agradeci a oportunidade de conhecer mais um lugar assim.

holland pop festival

Restaurant de Tuin/ Divulgação.

Contudo, o melhor ainda estava por vir e não era a minha salada de salmão (a qual estava uma delícia, diga-se de passagem). Eu não sabia, mas o lago e o bosque de Karlingse guardavam uma história especial para o Festivalando: O lugar foi sede do primeiro (e único) Holland Pop Festival, em 1970. E o festival foi tão emblemático e tão importante para o país que no bosque existe até mesmo um monumento dedicado ao festival.

Planejando sua viagem para a Holanda?

1.Veja as ofertas de passagem para Amsterdã e outros destinos.

2. Se for passar uns dias em Rotterdam, dê uma olhada nesta lista de hoteis.

3. E não se esqueça de fazer o seu seguro viagem, para garantir sua entrada na Europa sem problemas e evitar complicações durante a sua estadia.

4. Ah, caso ainda não conheça a Melhor Câmbio, faça um teste comparando as diversas casas e tarifas em um só lugar.

 

Uma homenagem ao Holland Pop Festival

holland pop festival monumento

Herinneringsmonument/Holland Pop Festival. Ph: A.Beijer via Wikimedia Commons

O Woodstock Holandês mereceu no mínimo uma estátua em meio ao complexo de Karlingse. Entretanto, não mereceu novas edições, o que é uma pena. Talvez tenha sido devido ao fato de que o festival não foi um sucesso, digamos. Foi e não foi. Não foi sucesso financeiro, pois os organizadores tiveram muito prejuízo. A cerca ao redor do bosque onde ocorreu o festival cedeu e várias pessoas entraram sem pagar. Também choveu bastante, o que afetou muito a vida dentro do festival.

Público no Holland Pop Festival.

Público no Holland Pop Festival. Ph: Rob Mieremet (ANEFO) via Wikimedia Commons

acampamento holland pop festival

Acampamento no Holland Pop Festival. Ph: Rob Mieremet (ANEFO) via Wikimedia Commons

Holland Pop festival

Stone the Crows no Holland Pop Festival. Ph: Rob Mieremet (ANEFO) via Wikimedia Commons

No entanto, foram três dias intensos. O Holland Pop Festival foi palco para apresentações como as de Pink Floyd, Santana, Focus, Renaissence e outras. Além de música, a programação também contava com diferentes tipos de vivência, exibição de filmes e trocas culturais. Outro ponto muito importante do Holland Pop Festival é que ele foi um marco da tolerância e aceitação do uso da maconha no país. Ainda não era permitido na época, mas os policiais mantiveram distância das pessoas que consumiam o produto no local.

Para saber mais, tem um documentário super legal feito sobre o festival. Interessante como em meio ao caos ainda rolou uma equipe gravando tudo!

Sobre o Karlingse Plas

Hoje, o Karlingse Plas e bosque são os espaços de recreação por excelência durante o verão. As pessoas podem se reunir ali para comer queijo e tomar vinho à beira do lago, ou para ter um almoço mais formal no restaurante. Ainda é possível nadar em algumas partes do lago, onde também há uma área reservada para nudismo. Além disso, o lago é um ótimo lugar para a prática de alguns esportes aquáticos e o bosque é um prato cheio para se embrenhar em uma longa caminhada para esfriar a cabeça.

Apesar de não haver nenhum super festival por lá, ainda existem alguns eventos musicais menos estrondosos no complexo de Karlingse até os dias atuais.

Como chegar ao Karlingse Plas e o que fazer por lá

É bem fácil chegar ao Karlingse Plas. Saindo da estação central de Rotterdam, há vários trams, bem em frente. Para ir ao lago, você pode pegar o tram 7, em direção a Woudestein. Aí é só descer na estação Boezemstraat, a sexta após a central. São 16 minutos de tram e quase o mesmo tempo caminhando até o local.

Num dia de verão, sentar-se à beira do lago para beber e comer parece ser uma ótima pedida. Ainda tem a dica do restaurante em que fui, o Restaurante de Tuin. Os pratos não são tão caros e as bebidas também em conta. Comi uma salada de salmão por pouco mais de 10 euros. O prato mais caro custava 22.

Pra quem gosta de nadar, leve seus trajes de banho, pois essa é uma coisa que eu fiquei devendo fazer.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

1 comment

Add yours

Deixe seu comentário