onde ficar em varsóviafotorince via Shutterstock

Onde ficar em Varsóvia: ofertas de hotéis e melhores regiões

Varsóvia, capital da Polônia, merece um espacinho num roteiro de viagem para a Europa. Tem muita história, pode ser conhecida em pouco tempo e tem um câmbio favorável para brasileiros (apesar de ser parte da União Europeia, o país ainda não integra a Zona do Euro e usa sua moeda original, o zloty). Planejar a viagem até lá não tem muito segredo. A Polônia faz fronteira com a Alemanha e a República Tcheca, dois países muito visitados por Brasileiros. Além disso, a logística de transporte é fácil. Você pode ir de trem). E, como a cidade é pequena, achar um lugar onde ficar em Varsóvia é bem simples, como você vai ver a seguir.

Basicamente, você precisa ter apenas duas palavras em mente na hora de pesquisar hotéis em Varsóvia: Cidade Velha. Ou, para entrar no clima da viagem e usar o idioma local, Stare Miasto.

Cidade Velha, “o” lugar onde ficar em Varsóvia

Ao contrário de outras capitais da Europa, onde as principais atrações turísticas podem estar espalhadas por vários pontos, em Varsóvia quase todos os lugares de interesse estão concentrados num mesmo ponto, a Cidade Velha. Há outras coisas para se visitar fora do centro antigo também. Mas tudo é tão perto da região, devido às curtas dimensões da cidade, que o mais prático é ficar mesmo na Stare Miasto.

No centro antigo estão o Castelo Real de Varsóvia e a Coluna de Sigismundo, um monumento em homenagem ao rei Zygmunt III Waza, um dos mais antigos da Europa, datado do século XVII. Mais antigas ainda são a Muralha de Varsóvia e a Praça do Mercado, um dos pontos mais vivos da cidade, com restaurantes, lojinhas de souvenir e artistas de rua.

RESERVE AQUI hotéis em Varsóvia na Cidade Velha

onde ficar em varsóvia

Roman Babakin via Shutterstock

Para ir de lá até outros pontos da cidade é simples. A estação de metrô Ratusz Arsenal serve a região. Você pode usar uma das muitas linhas de tram que percorrem os arredores da Cidade Velha pra chegar até lá ou fazer uma caminhada, se for da turma mais animada.

Você vai precisar do metrô para visitar atrações nos bairros vizinhos, como o Museu da Resistência, o Museu Fryderyk Chopin e o Monumento a Copérnico, dois ilustres poloneses.

Hotel em Varsóvia – onde eu fiquei

Eu fiz uma visita rápida a Varsóvia no meio de uma viagem para Paris. Tinha um show do Paul McCartney no Estádio Nacional e eu simplesmente precisava ir. Mas como estava com tempo limitado e só consegui um voo de volta pra Paris muito cedo, no dia seguinte ao show, precisei ficar perto do aeroporto.

Fiquei neste hotel aqui, de uma das principais redes do mundo. Por isso, não teve erro. Super confortável, o padrão seguro que você encontra em qualquer outra cidade (meu hotel em Milão também foi um da mesma rede). Quem gosta da rede pode reservar um quarto na filial que fica no centro de Varsóvia, vizinho à região histórica.

Como já indicado neste post, o ideal mesmo é ficar na Cidade Velha. Eu só escolhi ficar perto do aeroporto porque meu roteiro foi muito sui generis. Se você tiver essa mesma necessidade do aeroporto, o hotel é uma boa opção porque tem transfer gratuito (tudo que eu precisava!).

Ofertas de hotéis em Varsóvia

Você vai conseguir achar preços bons na hora de pesquisar onde ficar em Varsóvia. Mas nada impede que ache preços ainda melhores. Por isso, configurei este localizador de ofertas. Pode ser que você consiga ótimas tarifas para as suas datas.



Booking.com

Vai viajar para a Polônia? Faça agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você estará amparadx caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close