Falando húngaro

São 41 letras (14 vogais e 27 consoantes, coisas do tipo “Gy” e “Dzs”), 18 casos de declinação e a fama de ser a única língua que o diabo respeita (é capaz, na verdade, do próprio coisa ruim ter inventado o idioma).Trata-se do húngaro, que a equipe do Festivalando vai ouvir bastante nos próximos dez dias, já que estamos agora em Budapeste, na Hungria, para acompanhar o gigantesco Sziget.

Para nos habituarmos tanto ao idioma quanto à programação do festival, colocamos no ar agora uma playlist dedicada às bandas húngaras que vão tocar em um palco exclusivo do Sziget, o Volt. O pop rock domina (às vezes surge até um rock mais carregadinho nas guitarras), mas também há umas pitadas de hip hop, reggae e eletrônico ecoando da atual cena do país.  Divirtam-se.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

4 comments

Add yours

Deixe uma resposta