roteiro de sete dias na itáliaS.Borisov via Shutterstock

Roteiro de sete dias na Itália: Roma, Florença e Milão

É uma tentação ir ao país da bota e não querer conhecer um monte de cidades de uma vez só. Cada cidade carrega anos de história e incontáveis pontos turísticos, as distâncias são pequenas e tudo é acessível por trem – cujas passagens têm preços razoáveis. Foi empolgada com tudo isso que fiz um roteiro de sete dias na Itália na minha primeira vez no país. Fui a Roma, Florença e Milão.

Esse foi o roteiro fechado em comum acordo com as minhas amigas, por questões de preferência geral do grupo e logística. Mas as combinações poderiam ter sido várias outras, como você verá mais abaixo no texto. Considero que valeu muito a viagem da maneira que foi, mas hoje prefiro sempre gastar mais tempo num mesmo lugar do que ficar na pressão dos dias contados. Uma forma não é melhor que a outra, é apenas uma questão de preferência. Meu ritmo de viagem hoje é mais lento, só isso.

O fato é que esse meu roteiro de sete dias na Itália foi, na verdade, um roteiro de cinco dias “e meio”. A ideia era começar a viagem por Roma, porque fui no fim do ano para passar o réveillon lá. Mas as passagens para Milão tinham o preço melhor. Sendo assim, tive que chegar por Milão e de lá ir para Roma para começar o roteiro desejado. Não é o melhor arranjo, nem de longe, mas foi o que deu pra fazer na época.

Ficou assim o roteiro:

Sábado/Domingo – Viagem BH/São Paulo/Milão
Domingo – Viagem Milão/Roma
Segunda/Terça/Quarta – Passeios em Roma
Quinta – Viagem Roma/Florença + Passeios em Florença
Sexta – Viagem Florença/Milão + Passeios em Milão
Sábado – Passeios em Milão
Sábado/Domingo – Viagem Milão/São Paulo/BH

O seguro é obrigatório para entrar na Europa. Aproveite e compre agora o seu seguro viagem com desconto
Faça também sua reserva de hotel com nossas dicas: onde ficar em Roma, onde ficar em Florença e onde ficar em Milão

Viajando de trem na Itália

Seja o roteiro sugerido acima ou qualquer outro dentro da Itála, o jeito mais rápido de viajar internamente é de trem. E costuma ter um preço bem razoável também. Na viagem acima, fiz Milão/Roma em três horas; Roma/Florença em 1h30; e Florença/Milão em 1h50.

Mais uma vez, repito que este é apenas um dos muitos roteiros possíveis dentro da Itália. Só para dar um exemplo, tendo como referência as três cidades deste Roteiro, a partir de cada uma delas você poderia traçar rotas completamente diferentes viajando de trem:

  • De Roma: para Nápoles ou Pompeia (não mais que 2h30). A propósito, há quem faça o trajeto Roma – Nápoles – Pompeia no mesmo dia, pois as duas últimas cidades são super próximas.

  • De Florença: para Siena, Pisa (não mais que 1h30 de viagem), Bolonha ou Arezzo (não mais que meia hora de viagem)

  • De Milão: para Verona, Gênova (aproximadamente 1h30 ou 1h40), Bergamo (2h) e Veneza (2h30)

Imagina quantas combinações não seriam possíveis?

Para comprar as passagens com segurança, vá direto ao site da TrenItalia, a principal empresa ferroviária do país. Procure por passagens nos trens chamados de frecciarossa. Eles são de alta velocidade e super modernos, garantindo trajetos tão rápidos como estes que eu fiz. Comprar com antecedência pode garantir preços melhores.

Roteiro de sete dias na Itália: Roma, Florença e Milão

Partindo para a promessa deste post, segue um possível roteiro de sete dias na Itália com passagem por Roma, Florença e Milão. Ou, como já explicado, um roteiro de cinco dias “e meio”, já que os deslocamentos engolem alguns dias. É importante ressaltar que, além de apresentar uma dentre várias possibilidades, é também um roteiro apertado em termos de tempo, que se atém ao básico de cada cidade.

Três dias em Roma

Antes de começar o roteiro, uma recomendação: considere fortemente comprar o Roma Pass. Assim como acontece em várias capitais da Europa, este passe te dá descontos em atrações e outras vantagens, como furar filas nos principais pontos turísticos. Nem sempre eu acho que esses passes valem a pena, mas o Roma Pass vale, sim.

Há dois tipos: um válido por 72h e outro válido por 48h. O primeiro te dá entrada gratuita nas duas principais atrações turísticas e desconto nas demais, além de entrada direta no Coliseu sem enfrentar filas, e livre acesso ao transporte público pelo período de três dias. O segundo te dá gratuidade na primeira atração turística e todas as demais vantagens pelo prazo de dois dias. Detalhe: Coliseu, Fórum Romano e Palatino contam como uma única atração! 😀

Compre aqui o seu Roma Pass e facilite a sua viagem. Você pode comprar pela internet antes da viagem e escolher um ponto de retirada em Roma. Eu optei por retirar no posto do Coliseu e de lá mesmo já fui fazer o passeio.

Roma – Dia 1: Coliseu, Fórum Romano e Monte Palatino

onde ficar em roma

prochasson frederic via Shutterstock

Começamos em Roma pela porção a leste do rio Tibre, onde estão concentradas boa parte das ruínas. O roteiro parte do mais importante e dedica um dia inteiro a atrações que tomam tempo. O Coliseu e o Fórum Romano, especificamente, merecem uma visita com calma, pra dar conta de absorver tanta história e coisa boa pra se aprender. O Palatino pode ficar no meio de ambos, como um “break” na avalanche de informações dos dois demais.

Roma – Dia 2: Vaticano e Trastevere

Hora de partir pra outro ponto super importante de Roma, o Vaticano, seus vários museus e a Capela Sistina. Aqui o Roma Pass não vale, mas você pode e deve reservar o seu ingresso antecipadamente para também evitar filas no Vaticano. Acredite em mim, você não vai querer perder duas horas ou mais esperando pra entrar.

Compre aqui o ingresso sem fila para os Museus Vaticanos e a Capela Sistina e economize tempo

Este é um passeio que também exige calma se você quiser realmente desfrutar de tudo, pois o complexo de museus é vasto e, além das obras expostas nas galerias, a própria arquitetura dos museus é repleta de afrescos e pinturas no teto (não só a Capela Sistina). Há muito o que se admirar.

roteiro de sete dias na itália

Laszlo Szirtesi via Shutterstock

Quando você já não aguentar mais olhar obras de arte, é hora de partir pro Trastevere, bairro boêmio e romântico de Roma, onde a noite acontece. Vale reservar um tempo para passear pelas ruelas, ver os prédios históricos e comer comida italiana de verdade com fartura e preço bom. Lembro que uma cantina no bairro me cobrou 20 euros numa entrada, prato principal, sobremesa e taça de vinho.

A lógica de juntar Vaticano e Trastevere no mesmo dia é que ambos localizam-se a oeste do rio Tibre (ao contrário das atrações do primeiro dia, que estão a leste, como todas as grandes ruínas de Roma).

Roma – Dia 3: Panteão, piazzas, fontanas…

Este é um dia mais relaxado, sem a pressão das filas e dos horários de abertura e fechamento das atrações. É hora de visitar as famosas piazzas e fontanas, espaços públicos que são a cara de Roma.

A Piazza della Rotonda pode ser um bom ponto de partida, pois abriga uma das mais famosas e mais bem conservadas construções da Roma Antiga, o Panteão. A Fontana del Pantheon também é uma grande atração. A Piazza Navona (foto abaixo) está nas proximidades – no período das festas de fim de ano, ela abriga um típico mercado de Natal. A Fontana di Trevi, a fonte das fontes de Roma, também está nos arredores.

roteiro de sete dias na itália

ESB Professional via Shutterstock

A famosa Piazza di Spanga está um pouco mais ao norte. Mas vale seguir o caminho até lá, aproveitando a rota da Via del Corso, rua famosa por abrigar lojas de grandes marcas.

roteiro de sete dias na itália

RossHelen via Shutterstock

Para visitar apenas a catedral, você não paga nada. Terá apenas que esperar na fila, que não costuma ser demorada – mas com o tempo restrito, é importante ter atenção ao andamento da mesma.

Para subir até o Duomo (463 degraus!) e ter uma das vistas mais incríveis da vida, é preciso comprar um ingresso que também dá direito a subir o campanário (a torre lateral que você vê na foto, com mais de 400 degraus também) e visitar a cripta e o batistério. Como o tempo é de apenas um dia na cidade, é preciso decidir se será feita uma visita completa às atrações da catedral ou se você vai partir pra outro lugar.

Compre aqui o ingresso de entrada prioritária para a cúpula da Santa Maria del Fiore, acesso à catedral, cripta e batistério

A sugestão, neste segundo caso, é não perder a chance de conhecer a Galeria Uffizi, que abriga nada menos que obras de Caravaggio, Michelangelo, Rembrandt, Da Vinci e tantos outros grandes nomes da arte. Mas, atenção: se você realmente quer visitar a Uffizi, compre os ingressos com antecedência pela internet para evitar adivinha o quê? Sim, as filas. Isso vale tanto para uma passagem corrida por Florença quanto para quem tiver mais tempo.

Garanta aqui antecipadamente a sua entrada sem fila na Galeria Uffizi

O fim do dia pode ser dedicado à incrível Piazza della Signoria, com suas estátuas imensas a céu aberto, e à histórica Ponte Vecchio.

roteiro de sete dias na itália

vvoe via Shutterstock

Milão – Dia 5: Duomo, Palacio Real e Galeria Vittorio Emanuelle

Seguro o fôlego que a viagem ainda não acabou!

Começando pelo básico do básico, vamos ao Duomo de Milão, mais uma catedral de arquitetura impressionante. Admirar o exterior de mármore é só o começo da visita, se assim você quiser.

Você pode entrar na catedral (gratuito) e ainda passear pelo museu do Duomo, a cripta de São Carlos, a área arqueológica (com restos de outras catedrais, no subterrâneo do Duomo) e subir até o telhado. Para todas essas visitas, é preciso comprar ingresso (para uma ou outra atração, um ingresso combinado para todas elas).

Compre aqui o ingresso de acesso a todas as áreas do Duomo de Milão – terraço, museu e área arqueológica

roteiro de sete dias na itália

BAHDANOVICH ALENA via Shutterstock

Na Piazza del Duomo tem ainda o Palácio Real e hoje funciona como museu. Caso tenha apetite por mais arte nesta viagem, é um passeio a se considerar. Quando estive em Milão, o museu abrigava uma mostra retrospectiva completa de Andy Warhol, uma das exposições que mais sempre quis ver na vida!

Quase colada na praça está a Galeria Vittorio Emanuele. Este é um super famoso da cidade por conta das lojas de marcas de luxo, livrarias e cafés. Contíguo à galeria está o Quadrilátero da Moda, região famosa pela altíssima concentração de lojas de marcas luxuosas. Nos limites das vias Monte Napoleone, Alessandro Manzoni, della Spiga e do corso Venezia você vai encontrar lojas do nível de Rolex, Cartier, Tiffany’s, Gucci e Dior.

Milão – Dia 6: Castelo Sforzesco

O roteiro termina nos limites do centro histórico, no Castelo Sforzesco. A construção do século XV abrigou a nobreza de Milão no passado e hoje é a casa de coleções de arte de diferentes vertentes. Tem arte ocidental (inclusive Michelangelo), arte egípcia, arte antiga, um museu da pré-história, dentre outras mostras.

roteiro de sete dias na itália

lara sh via Shutterstock

Fora o valor artístico das coleções, a própria arquitetura e história da construção já são um convite para o passeio.

Não deixe de fazer agora o seu seguro viagem. Ele é exigido para entrar na Europa, e se você não apresenta-lo será barradx na migração. Além disso, é a garantia de que você terá assistência caso haja algum imprevisto com a sua saúde. Aqui você pode pesquisar o melhor preço em várias seguradoras, comprar o que se adequar ao seu orçamento, conseguir um desconto e parcelar sem juros.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário