" /> Por que ir a um festival de pop? (da perspectiva headbanger) | Festivalando

Por que ir a um festival de pop? (da perspectiva headbanger)

Para pegar geral? Ou para acompanhar o [email protected]? Ou seria para chapar e ficar muito [email protected]? Certamente, esses não eram os meus motivos.

Mas provavelmente eram motivos de grande parte dos Szitzens (referência a “cidadãos” em inglês) – nome barango dado àqueles que compraram o passe para a semana toda do Sziget, festival que acontece em Budapeste, Hungria. Eles estavam ali por causa de tudo menos o espetáculo musical, que era pano de fundo para a balada.

Não quer dizer que a música tem que ser protagonista nos festivais o tempo inteiro, como vimos no Roskilde festival. Mas aí, o festival precisa segurar a onda em outros aspectos, o que não foi o caso do pretensioso festival de Budapeste.

O Sziget é um festival pop. Forçando a barra, pop-rock. Desde o início da nossa empreitada festivaleira, confesso que torci muito o meu nariz para ele. Do momento da compra do ingresso – os EUROnymous mais mal empregados da minha vida – até o momento do término do festival, ficou em mim a sensação de “ o que eu estou fazendo aqui?”. Afinal, o Heavy Metal é um estilo musical permeado por uma cultura e comunidade de gosto muito bem delimitados, o que não é tão comum no mundo pop, pelo menos ao meu ver.

this-is-why-we-listen-to-metal

Que comecem mil julgamentos do “você precisa se abrir e escutar de tudo”. Não, [email protected] Eu não preciso escutar de tudo só por que você “open mind” acha que eu devo. Todos são livres para fazer o que quiser com os ouvidos. E há ganhos e prejuízos nisso, como em tudo na vida.

O respeito à diversidade é o que importa. (Sempre falo que, se algum dia eu, do alto da minha metaleiragem for tocada por um samba, pode ter certeza que lá estarei ouvindo e quem sabe dançando.O problema é que até hoje eu não fui tocada. Nem pelo samba, nem por Jesus. E foda-se a máxima de “quem não gosta de samba bom sujeito não é”…).

tumblr_m73wkkFWZ71rxnyyro1_500

E olha que dou chance aos meus ouvidos. Não ouço só Heavy Metal e seus derivados por conta do regimento interno da metaleiragem não. Existe uma predileção inegável pelo estilo. Mas, na verdade, ouço coisas diferentes, e gosto de muitas delas. Esse era o único motivo que de fato poderia me confortar em ir a um festival em que Heavy Metal passava longe. Tá certo que, o meu viés pelas coisas mais pesadas despertou meu interesse para alguns shows específicos do Sziget: Korn, Queens of the Stone Age, Prodigy, NOFX, e por que não Skrillex?

Mas, acompanhando minhas amigas entre um show e outro, ouvi coisas que me cativaram. Quem diria que eu gostaria de ouvir Manic Street Preachers, o Britpop do Britpop? Pois é, curti! E não só curti Manic Street Preachers, como gostei de ver o show do Placebo e até dancei no Skrillex!

 

A reflexão que faço é que, eu dificilmente pagaria para assistir a um show desses artistas separadamente. Talvez o do Placebo, pois tenho uma certa admiração por eles desde a adolescência. Dou então o meu braço a torcer, depois de torcer muito o nariz, para o fato de que um festival de pop te dá oportunidade de conhecer melhor alguns artistas. E, por não ter a concorrência metaleira, que quase sempre está na minha ordem de prioridade, ficou mais fácil estar aberta a essas experiências musicais no pop- e experiências de show, que é muito diferente de eu apenas clicar numa playlist de artistas pop no youtube.

Aí me perguntei: será que eu volto a um festival desse tipo? TALVEZ – mas não no Sziget, a gente já disse o porquê. E, vale lembrar que, esse ano, além de ir no Sziget também fui ao Popegoja ( baby indie festival na Suécia, lembram?). E só para constar, gostei muito mais do Popegoja!

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário