forcaos 20 anosCorja/ Divulgação – atração confirmada para o Forcaos 20 anos.

Forcaos 20 anos: mulheres à frente e financiamento coletivo

O Forcaos 20 anos é duplamente especial. Não só pela comemoração das duas décadas de existência. Mas, também, pelo fato de ter assumido o posto entre os festivais de metal a colocarem as mulheres à Frente. E assim, o Nordeste dá show de civilização mais uma vez – lembram do Abril Pro Rock deste ano, não é? Equidade de gênero nos lineups dos festivais de metal nordestinos é algo levado a sério. Por isso, no Forcaos 2019 haverá um dia dedicado às bandas formadas por mulheres. No entanto, existe algo que foi determinante para que um dia como este chegasse: a participação delas foi e será, também nesta edição, muito para além dos palcos.

O Forcaos sempre foi delas e com elas

Coletivo Girls To The Front/ Divulgação

Quando conheci o Forcaos, em 2015, a professora Abda Medeiros se encarregou dos debates da programação e de outras várias funções de produção. Na equipe também haviam várias outras mulheres. Muitas delas sempre estiveram ali, construindo o festival junto com eles, desde o início, como afirmou Amaudson, um dos organizadores.

Já na edição de 20 anos, o festival contará com a participação do Coletivo Girls To The Front. Hoje formado por 11 mulheres, amigas e produtoras, o GTTF já realizou 5 edições do festival homônimo. O coletivo surgiu da inquietação de ver a indústria musical limitando a participação feminina nas cenas à exploração de atributos físicos e as relegando a postos subordinados. Assim, o Girls To The Front – nome inspirado na frase usada por Kathleen Hanna nos seus shows com banda Riot Grrrl Bikini Kill têm como maior objetivo combater o machismo dentro da cena rock underground autoral cearense e abrir mais espaço para as mulheres nos palcos.

Com a participação do GTTF no festival, as mulheres estarão oficialmente à frente do Forcaos 20 anos, na curadoria e produção. E posso dizer que, é justamente por isso que esta edição promete. Conversamos com as mulheres do Girls To The Front para saber mais detalhes:

Forcaos 20 anos: entrevista com o coletivo Girls To The Front

F: Que recado vocês querem dar com essa edição do Forcaos com um dia do lineup dedicado com bandas com mulheres em sua formação?

GTTF: Queremos passar a mensagem que juntas, já somos a revolução! As mulheres devem ocupar os espaços que lhe são de direito,seja produzindo, seja como musicista, seja como público…estamos todas em busca de mostrar que o mundo mudou e não vamos mais baixar a cabeça, vamos lutar de cabeça erguida e mostrar que aqui é sim nosso lugar e sabemos fazer muito bem tudo que nos é inviabilizado pelo sistema patriarcal. Somos Vorazes!!!

F: Queria saber o que entndem como empoderamento na música e por que acha importante pautar o empoderamento em festivais?

GTTF:O empoderamento feminino na música já é um ato de revolução em si, onde a mulher grita, utilizando seja voz ou qualquer instrumento, sua sede por justiça e equidade dentro desse sistema que nos subjulga por sermos mulheres. Os Festivais que têm como base o empoderamento feminino são um alicerce nessa luta, onde além de voz, se dá espaço. É um lugar onde energias se renovam e onde nos sentimos confortáveis para sermos quem realmente somos na essência.

F: Como avaliam o cenário/contexto de festivais e iniciativas culturais no país – e também comparando com o nordeste -, no quesito de equidade de gênero?

GTTF: Acredito que ainda é no estilo Faça vc mesma, pq estamos ainda muito longe de uma igualdade de espaço dentro da cena. Então arregaçamos as mangas e fazemos acontecer no melhor estilo Girls To The Front (risos). A nossa cena tá linda demais, apesar de termos ainda muita resistência na falta da representatividade, tem muita banda das antigas e novas na luta e fazendo bonito. Poderia ressaltar aqui por exemplo, uma banda de Maceió, chamada Oldscrastch que tocou no terceiro Girls To The Front, com um som nervoso e letras que tratam das nossas angústias e desejos em forma de um punk da melhor qualidade

F: E nessa curadoria que vocês fazem, tanto no GTF e pro Forcaos, como vc descreveria o cenário de bandas de mulheres?

GTTF: O cenário está crescendo porque está juntamente com o empoderamento e representatividade no meio geral. Apesar de estarmos ainda na mira do machismo, conseguimos através do festival, incentivar mulheres a terem suas próprias bandas, cantar gutural, tocar o que quiser.

F: Quais atividades vocês estão programando pro Forcaos para que, além da música, possam reverberar o que acreditam como empoderamento?

GTTF: O Forcaos tem tudo pra ser lindo demais, ficamos logo com a abertura e no dia mundial do Rock, uma super responsabilidade que agarramos com muito entusiasmo. Teremos 6 bandas, todas com mulheres na formação, uma feirinha de economia criativa, tb com mulheres micro empreendedoras, DJ, sorteios de kits e rifas, tudo pra garantir que no festival, mulheres de vários eixos se encontrem, se acolham.

Forcaos 20 anos rola em 5 dias e 4 casas diferentes

Ouse/ Divulgação – atração confirmada dia 13/07 Forcaos 20 anos.

Hell Lotus/ Divulgação – atração confirmada para o dia 13/07 Forcaos 20 anos.

A edição deste ano do Forcaos vai rolar em cinco dias. O primeiro, 13/07 acontece no Pirata Bar é comandando por bandas com integrantes mulheres. No lineup há artistas como Menstruação Anarquika, Ouse, Coldwish, Hell Lotus, Land of Lemuria e Corja. Já o segundo dia será 14/07, com shows no Theatro Jose de Alencar. Ainda, rolam shows na Vila das Artes, em 19/07. E nos dias 21 e 28 de julho, o festival toma conta da casa Havana 1884.

forcaos 20 anos

Land of Lemuria/ Divulgação – atração confirmada no dia 13/07 Forcaos 20 anos.

O lineup para os demais dias de festival ainda não foi confirmado. Pois como muita gente já deve ter visto, tá rolando uma vaquinha para viabilizar a edição deste ano. Amaudson “Bodim”, um dos organizadores do festival nos dá mais detalhes a seguir.

Vaquinha Forcaos 20 anos

A edição de 20 anos do Forcaos precisa de nós para acontecer. Apesar de já ter os palcos parcialmente definidos, ainda é necessário arrecadar dinheiro “para fortalecer o cast, financiar passagens, cachês de nomes que ainda estamos negociando”, afirma Amaudson.

Segundo o organizador, a cultura tem sido alvo de corte em todo o país. Assim, infelizmente o festival sofreu as consequências deste ano. Além dos cortes, não foi possível utilizar os equipamentos culturais da cidade, tal como o centro cultural Dragão do Mar, onde estivemos para uma das edições do festival, em 2015.

Resiliência

Bem humorado, Amaudson está confiante na vaquinha. Afirma ter recebido solidariedade de músicos e pessoas de todo o país. No entanto, fala que as dificuldades para a realização do festival sempre existiram. “Costumo dizer que todo ano temos um plano A para o evento. Mas geralmente, exercitamos o alfabeto inteiro(risos)”. Amaudson avalia que o cenário é adverso. Entretanto, “os tempos difíceis estimulam a criatividade, a união e a resistência”.

Em seus 20 anos, o festival teve que vencer diversos obstáculos. Então, este ano passa por mais uma prova, mas contanto dessa vez com a ajuda do seu público. Porém, quando perguntei sobre as consequências futuras dos cortes e possível fim do festival, Amaudson foi assertivo: “Enquanto tiver gente para carregar e produzir conosco, estaremos aqui firmes e fortes”.

Como contribuir?

Todo mundo pode contribuir com qualquer quantia para o financiamento do festival. A meta é de 17 mil reais. No entanto, apenas 1,600 foram arrecadados até o momento da publicação.

Para contribuir, basta fazer um cadastro neste site e pagar para engordar a vaquinha. Além do financiamento coletivo online, o festival também está vendendo camisas e chaveiros da edição comemorativa para arrecadar fundos para 2019.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário