city card na EuropaStock Photos/Kroshanosha/Shutterstock

City card na Europa: saiba como funciona, quais cidades oferecem e se vale ou não a pena

Antes de viajar para o velho continente, muita gente se pergunta se compensa ou não adquirir o city card na Europa. O produto é oferecido por várias capitais, também vendido com os nomes city pass e welcome card. Ainda, existem algumas variações chamadas de tour card. Mas, basicamente, a ideia é a mesma pra todos: o city card na Europa, em qualquer cidade, vai oferecer um conjunto de atrações turísticas por um único preço.

Além disso, também poderá incluir transporte gratuito, mapas, descontos em restaurantes e até aluguel de bikes. Mas, também existem cartões separados só pra atrações, ou só pra transporte ou só para descontos. Portanto, é preciso avaliar cada caso, e ler muito bem a descrição do que é oferecido.

City card na Europa – como funciona?

O funcionamento do city card na Europa vai variar de acordo com cada capital. No entanto, existem algumas coisas que são as mesmas pro city card Berlim ou Paris, por exemplo:

  • Os city cards têm um período de validade. Existem cards de um dia, dois, três e até mesmo semanais e mensais. Este último geralmente costuma cobrir apenas o transporte.
  • A maioria dos cartões vai pedir que você escolha o tempo de validade dele no momento da compra. Por isso, calcule muito bem o tempo disponível para turismo na cidade antes de comprar.
  • Você compra um voucher que dá direito ao city card para a cidade destino online. Depois, você recolhe o seu city card no local determinado (geralmente, em centros de turismo e aeroportos. Mas isso virá indicado em seu voucher).
  • Em geral, basta apresentar o city card na entrada dos locais de visitação e no transporte para garantir a “gratuidade” adquirida previamente.
  • Mesmo que você já tenha garantido a sua entrada e não enfrentar filas com o cartão, é preciso checar se a atividade que você deseja pede que sejam feitas reservas com antecedência. Neste caso, basta agendar antes, com os dados do seu city card em mãos.

City card na Europa – quando vale a pena?

Antes de dizer se comprar um city card de uma capital europeia vai valer ou não, você precisa pensar na sua viagem como um todo:

  1. O tempo que tenho disponível para fazer turismo?
  2. Quais e quantas atrações de fato me interessam dentre aquelas oferecidas no city card?
  3. Todas as atrações que me interessam cobram? Ou há horários em que se pode visitar de graça? (Por exemplo, há museus europeus com horários de entrada gratuita pra todo o público)?
  4. Tenho algum tipo de preço especial pra minha faixa etária quando compro uma atração separadamente?
  5. Vou me deslocar muito pela cidade? Os preços de tickets de transporte são caros?

Assim, ao responder esta pergunta você vai ter uma dimensão melhor do benefício que um city card pode trazer. De maneira geral, eu aconselho a compra de city cards para quem fica em uma cidade por mais de 2 dias. Pois em dois dias se pode fazer muitas coisas, mas não tantas coisas como às vezes os cartões oferecem. Por exemplo, há cartões que te dão direito a entrada gratuita em mais de 60 museus e atrações. Logo, é humanamente impossível querer visitar tudo isso em um só dia.

Também é preciso refletir sobre as principais atrações ofertadas, e fazer as contas de tudo aquilo que te interessa. Às vezes, ao somar todos os passeios que você queria ir e ainda acrescentar o gasto de transporte, comprar separado pode fazer você levar um baita de um prejuízo.

Outro assunto que pesa muito e faz os city cards serem tão atrativos é o fato de se poder evitar filas. Afinal, você faz apenas uma compra online, e não mais tem que se preocupar com a aquisição de outras entradas. Menos ainda precisará enfrentar as enormes filas de bilheterias de algumas capitais super movimentadas, por exemplo. Portanto, digo que o cartão compensa ainda mais quando você viaja em alta temporada.

City card na Europa – quando não vale a pena?

As perguntas anteriores também servem para pensar quando um city card não vai compensar pra você. Além disso, é preciso analisar os tipos de cartão diferentes que podem servir a uma situação e não a outra. Por exemplo, pra quem fica em uma dada cidade por dois dias ou menos, o cartão de transporte pode ser uma boa, desde que os preços de tickets de transporte sejam bem elevados. Porém, o cartão que inclui mais de 60 atrações pode significar dinheiro jogado fora quando comprado por alguém que só vai ter 1 dias e poucas horas pra turistar, por exemplo.

A melhor dica é mesmo olhar para as atrações, fazer a conta das entradas daquelas que mais te interessam, somar tudo e comparar com o preço do cartão. Lembre-se que há cartões que não incluem transporte e outros que incluem. Aí, é preciso prestar mais atenção. Pois, às vezes, a compra das atrações separadas pode se equiparar ao valor do cartão. Mas, se o cartão tiver transporte, vai compensar. Caso não tenha, aí não compensa, mesmo.

City card na Europa – links para comprar o cartão de 27 cidades

Comprar city cards de cidades europeias online é bem mais fácil do que enfrentar filas. Por isso, separamos links diretos de pelo menos 27 cidades, onde você pode adquitir um city card. Pra comprar, basta utilizar seus cartões de crédito. Ou então, você também pode pagar via paypal.

Planeje sua viagem para a Europa

1. Veja as ofertas de passagem para as principais capitais e outros destinos.

2. E não se esqueça de fazer o seu seguro viagem, para garantir sua entrada na Europa sem problemas e evitar complicações durante a sua estadia.

3. Ah, caso ainda não conheça a Melhor Câmbio, faça um teste comparando as diversas casas e tarifas em um só lugar.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

o por diversas capitais.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário