" /> Brutal Assault: Festivalando tomando de assalto a República Tcheca! | Festivalando

Brutal Assault: Festivalando tomando de assalto a República Tcheca!

Brutal Assault é mais ou menos aquele nome de festival que você não pode falar para sua tia, avó ou seu chefe, quando estiver a fim de ir e tiver que contar para a geral. Pode ser que as pessoas se assustem. Brincadeiras a parte, esse daí é outro super evento de Heavy Metal que acontece na Europa, mais precisamente no leste do velho continente, na República Tcheca, entre os dias 6 e 10 de agosto deste ano.

Competindo com o Summer Breeze, e Obscene Extreme, o Brutal Assault (um teenager tcheco de 19 aninhos), geralmente ganha desses outros dois por sempre trazer line ups muito bem montados e que agradam a todos os estilos de metalheads. Eu diria, por exemplo, que esse ano o B.A tem um line up melhor ou tão interessante quanto ao do Wacken Open Air. Deve ser por isso que euzinha vou agregar a segunda pulseirinha brutal ao meu braço! E isso me deixa bem mais confortável, pois a primeira vez em 2009 foi permeada por alguns perrengues que me ensinaram um tanto de coisas (e que depois conto aqui no blog), mas também surpresas – como, por exemplo, ficar em um hotel em que todas as bandas ficaram e ser convidada para tomar café na mesa do Opeth.

ba2013_flyer

Brutal Assault press

Esse ano, o primeiro dia de festival traz nada mais nada menos do que a lenda do metal extremo, Venom! O segundo dia vem cheio de estrelas metálicas de grandeza elevada: Children of Bodom, Katatonia, Obituary, Slayer…Depois, se o seu pescoço ainda estiver no lugar direitinho, o terceiro dia tá que tá, com Amon Amarth, Fleshgod Apocalypse, Combchrist, Enthroned e Six Feet Under. Para levar quase todos os metalheads a terem uma concussão de tanto bater a cabeça, o quarto dia traz Aosoth, Benediction, Down, Impaled Nazarene, Satyricon, Sodom, Sick of it All, Soilwork e, para acalmar os ânimos e te dar um descanso para ir dormir direito, My dying Bride.

E como se não bastasse esse puta line up, o festival ainda acontece em um forte militar construído em 1700 e pouco, na província de Jaromer.  O Fortress Josefov torna o ambiente do festival ainda mais interessante e único. E os habitantes do forte, que ficam circulando em algumas partes dele, não poderiam ser mais trevosos: bodes!

189564_192832047420545_8075941_n

Arquivo pessoal, 2009.

Além disso, Jaromer fica a menos de 2 horas de Praga, uma das cidades mais lindas que esses olhos de quem vos escreve já viu. E um roteiro true trevas do mal é obviamente muito fácil de ser traçado pelas redondezas de Praga: tavernas com refeições medievais e deliciosa cerveja tcheca baratinha – por falar nisso, deixa eu manifestar meu amor de novo por esse festival: Czech Budvar, meio litro da melhor cerveja tcheca ( e eles se orgulham disso e pedem que esqueçamos o lixo americano chamado Budweiser) sendo vendido dentro do B.A a 1.10 euros!!!

Voltando ao turismo true trevoso do mal que só o B.A vai te proporcionar: pois bem, tem toda aquela coisa de teatro de marionetes, cristais, bonequinhos e blablabla, mas tem o museu da tortura, o cemitério de praga, o ossuário de Sedlec, que fica a caminho de Jaromer, e todos aqueles castelos fudidos de lindos! Gente, República Tcheca e Brutal Assault juntos é muito amor para um coraçãozinho metaleiro só!

189367_434619933241754_1556175732_n

Praga, 2009. Arquivo pessoal.

Você ainda quer mais motivos para ir ao B.A? O ingresso para os quatro dias é um dos mais baratos entre os festivais de metal europeus: 72 euros! E não precisa ficar com medo de entregar seu dinheiro nas mãos da Obscure Promotion, produtora do evento, pois é um festival tão consolidado quanto o Wacken, apesar de não ter a mesma visibilidade.

Então pensa direitinho e, se o B.A já virou seu sonho de consumo, guarda o início do Agosto de 2015, geralmente entre os dias 6 e 10, para esse festival que na verdade é um pacote completo de turismo musical, uma experiência e tanto!

Assita a esse vídeo aqui para ficar com mais vontade ainda:

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário no mundo sobre Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Comecei a ir em festivais de metal internacionais em 2009. Desde então, viajar em busca da música, essa outra paixão, tornou-se um projeto profissional que hoje chamamos de Festivalando.

No comments

Add yours

Deixe seu comentário