festival dos sonhosAndrew Allcock/Glastonbury/Divulgação

Qual o seu festival dos sonhos?

Qual o seu festival dos sonhos? Conta pra mim ali nos comentários. Abre seu coração. Eu e Gra já rodamos por algumas dúzias de festivais por aí – alguns que nós sonhávamos mesmo em ir, outros que não imaginávamos ir e acabamos descobrindo que também poderiam estar nos nossos sonhos. Mas já passou da hora da gente saber com quais festivais você sonha. É com vocês que compartilhamos nossas histórias, temos que ouvir as histórias de vocês também (o que já fazemos, em partes, aqui). Quem sabe não descobrimos sonhos semelhantes? Quem sabe vocês não mencionam festivais pra gente passar a sonhar também?

Não é a primeira vez que vocês se deparam com essa questão aqui. Alguns devem tê-la respondido na pesquisa que fizemos há alguns meses para conhecer o perfil de vocês que nos leem. Mas era um questionário impessoal, sem identificação do autor das respostas, e a pergunta era só mais uma no meio de mais de uma dezena. Para os curiosos, revelo que o festival mais citado foi o Wacken (28%), seguido do Coachella (23%), Glastonbury (9,5%) e Hellfest (9,5%). Vários outros foram citados nos 30% restantes. Só que esse negócio de número é frio demais e humano de menos. Pode até ser preciso, mas é limitado. E por isso nasce este post.

Conta pra mim qual o seu festival dos sonhos e os porquês. Conta o que um festival precisa ter para povoar os seus sonhos. Porque se a gente morre numa grana para ir a um festival, aceita passar alguns perrengues (porque todo festival tem um perrenguezinho pra oferecer), se vira para conseguir ingresso até quando já está esgotado, é porque tem um impulso passional e irracional que empurra a gente pra essa queda livre (que, ainda bem, na maioria das vezes, acaba virando um salto prazeroso de para-quedas). O fato de os festivais serem grandes parques de diversões para gente crescida, experiências de escape num espaço-tempo próprios, é uma das forças por trás desse impulso – talvez até uma força inconsciente. Mas há forças muito peculiares que são capazes de mover só você.

O meu festival dos sonhos

festival dos sonhos

Jason Bryant/Glastonbury/Divulgação

Tenho muitos festivais na minha wishlist, assim como a Gra (ela, inclusive, já teve a felicidade ir ao festival dos sonhos dela, o Wacken). MasO festival dos meus sonhos é o Glastonbury. Porque minha educação sentimental musical, se é que dá para usar essa expressão, passa profundamente pelo rock inglês de diferentes décadas (apesar de ter aprendido a ouvir e a gostar de muita coisa diferente à medida que o tempo foi passando). Porque quando eu fui para a Inglaterra (justo no ano em que não fizeram o Glastonbury por causa das Olimpíadas) eu comprovei de perto o que eu já imaginava de longe: os ingleses celebram e levam a sério a música pop de um jeito único, de um jeito que só uma CDF de música como eu consegue achar legal. Porque eu quero poder um dia celebrar a música na terra dos Beatles, da NME e do Jools Holland. Porque o Glastonbury é o maior festival da Inglaterra e um dos maiores do mundo. Porque eu acho uma gracinha eles se referirem ao festival como “Glasto”. E eu quero muito a ir ao Glasto mesmo odiando a ideia de ter que me enfiar numa fazenda no meio do nada e correr o risco de passar uma semana andando na lama (sonho, para assim o ser, não precisa ter coerência, né?).

E você? Me conta agora: qual o seu festival dos sonhos?

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

14 comments

Add yours
  1. adilsonnobrega 13 agosto, 2015 at 16:01 Responder

    Live Aid / Live 8 é um troço raríssimo, mas me arrepio em pensar nessas duas edições. Na primeira, o Quuen segurando um Wembley lotado e a reunião do Led Zeppelin. No segundo, Paul McCartney junto com U2 (até hoje não acredito que isso aconteceu) e reunião do Pink Floyd. Quem sabe aparece uma terceira edição.

    Mas dos festivais que acontecem com frequência, concordo com a Priscila, fico com o “Glasto” também.

    • Priscila Brito 13 agosto, 2015 at 17:28 Responder

      Aquelas tretas do destino das doações deram uma queimada no Live Aid; talvez até por isso ele não tenha se tornado um evento periódico. E tem também essa proposta de juntar gente muito grande. Não deve ser fácil fazer isso de tempos em tempos. Mas na era das redes sociais, crowdfunding e formas mil de pagamento eletrônico, estão perdendo uma boa oportunidade de potencializar a proposta inicial do evento.

  2. Ana Luíza Zacchi 14 agosto, 2015 at 11:08 Responder

    O festival que está no topo da minha wishlist é o Glastonbury também, por alguns motivos bem parecidos com os seus, Priscila. Passaria pelos perrengues de ir para Worthy Farm, acampar, enfrentar chuva, lama, etc amarradona, haha.
    Uma das coisas que mais me encanta no Glasto é a imensidão do line up e o espaço que eles abrem para bandas novas. Acompanho todos os anos e sempre acabo conhecendo uma banda/cantor(a) diferente que “gruda” no ouvido.
    Além do Glasto, na imensa lista de festivais norte-americanos, quero muito ir ao Coachella e ao Lollapalooza Chicago. Nesse ano tive a felicidade de poder ir ao The Governors Ball, em NY, que não é um festival tão popular, mas foi uma grata surpresa.
    Para o lado do “velho mundo”, tenho vontade de ir no Primavera Sound, no Montreux Jazz Festival, no T in the Park e no Isle of Wight.
    Ufa, acho que é “só”, haha.

    • Priscila Brito 15 agosto, 2015 at 14:58 Responder

      Entendo esse “só”, Ana! Eu também tenho uma lista de festivais dos sonhos, mas se fosse incluir no texto ele iria virar uma dissertação, rsrs. Montreux era um que estava nos meus sonhos (em proporções menores que o Glastonbury), e finalmente pude conhecê-lo no ano passado. Foi maravilhoso, perfeito. O problema é que, depois que a gente realiza o sonho, o festival entra para outra lista, que é a “dos festivais que quero voltar”. Eita!

  3. Leo Silva 1 maio, 2016 at 10:48 Responder

    Perrengues @ Glasto!

    Entao gente, voces iriam rir muito de mim porque o meu problema com fetivais sempre foi esse, A sujeira. e depois de ja ter passado anos de perrengue com meu amigos, no reading festival e no Isle of Wight, que nao se importam em ficar sem tomar banho, so no wipes nas areas privadas, eu comecei a fazer a minha versao do glamping!!!! Para horrer deles, e minha paz e alegria……..

    Ano passado no Glasto, levei meu banheiro privado, eu comprei um segunda tenda (inclinada) que serve como um vestiario e levei um chuveiro de energia solar e um sanitario movel (nao riam ha ha) os dois sao dobraveis e leves, a nossa vizinha de camping que ja ia ao Glasto por 10 anos com a familia de 6, virou minha fan, ficou chocada com a idea e disse que esse ano copiaria.

    Eh tudo uma questao de planejamento…. Voce ate esquece de ficar chateado quando a chuva chega, porque sabes que no fim do dia tera uma agua quente pronta para limpar o corpo… ha ha

    Esse ano pela primeira vez eu vou fazer o glamping do Glasto, eu sempre fui contra porque tira um pouco da experiencia de um festival (ir para um festival e ficar em um hotel/pousada eh como ir de ferias para a praia e so ficar na piscina do hotel, tem quem goste mais nao faz sentido). Porem, eu sou da teoria que antes de falar mal agente tem que “experimentar” e como esse ano o nosso group eh de 8 pessoas, resolvemos gastar no luxo. E ver no que vai dar….

    Acho que voces deveria sim tentar ir para o glasto, ano que vem havera, mais ha rumores de que nao sera no worthy farm, sera ha algumas milhas dali.

    Normalmente Glasto para a cada dois/tres anos para a renovacao ecologica da fazenda, mais como nos dois ultimos anos a conciencia ecologica cresceu entre os “festivaleiros” que teremos o nosso retiro espiritual haha, novamente esse ano.

    Eh uma experiencia unica, ir para glasto eh mais do que ir para um dos melhores festivais do mundo… Se puder ate esqueca que estas indo para um festival, pense que esta indo visitar um pais anarquico e distante, que todos sao como voce. E que por cinco dias voce vivera sonhos e fantasias, e que provavelmente nao lembrara de muitas coisas, como no filme “Hangover”, so as fotos do dias seguinte para te contar o que de fato aprontaste e os novos amigos que fizeram! 🙂

    • Priscila Brito 1 maio, 2016 at 15:54 Responder

      Leo, você é ninja!! Como pessoa super fresca pra essa questão de sujeira que eu sou, simplesmente achei o máximo sua engenhoca pra chuveiro e sanitário móvel. Quero mais detalhes pois vou querer copiar 😛

      Sobre o glamping desse ano, não se preocupe. Você já acampou várias vezes, já viveu a coisa “na real”. Por justiça e por direito você pode se dar esse luxo pelo menos uma vez, né?

      PS: Amei demais o seu relato! Sério mesmo 🙂

Deixe uma resposta