custo tomorrowlandDivulgação

O custo Tomorrowland: Brasil x Bélgica x EUA

Ah, Tomorrowland, essa terra prometida em forma de festival que deixa tanta gente louca, desesperada, desvairada com a possibilidade de pisar esse território sagrado para quem é fã de EDM. Para alguns, a loucura, o desespero e o desvario podem vir acompanhados de dúvida relativas ao que chamarei aqui de custo Tomorrowland e também com relação às possibilidades que o evento oferece. Há quem se contente com o festival agora no Brasil, mas vejo muita gente em fóruns da internet alimentando o sonho de um dia ir ao local de origem do festival na cidade belga de Boom. Ainda há uma terceira possibilidade, o TomorrowWorld, versão norte-americana do festival, que acontece em Atlanta.

Ter noção desse tal custo Tomorrowland pode ajudar quem sonha conhecer o festival fora do Brasil a se programar. Por isso, fiz uma comparação de preços de ingresso e de alguns serviços praticados pelo festival no Brasil, na Bélgica e nos Estados Unidos, e os resultados estão no gráfico que acompanha este post, mais abaixo.

A má notícia é que o festival é caro em qualquer lugar. A boa notícia – surpresa, surpresa, surpresa – é que o Tomorrowland Brasil é o menos caro de todos (não digo mais barato porque acho que este é um adjetivo que não se aplica ao Tomorrowland tendo em vista o que já presenciei por aí. Até festival na Escandinávia, onde a altíssima carga tributária joga o preço de qualquer coisa pro alto, consegue ter preços melhores).

Tanto o ingresso Full Madness (válido para os três dias de festival) quanto o acesso mais básico ao acampamento, o chamado DreamVille Regular, custam menos aqui. No quesito comida e bebida, o valor unitário do Token, a moeda do festival, é muito semelhante ao valor cobrado na Bélgica. O Tomorrowland Brasil só é mais caro que os demais quando o assunto é o estacionamento, mas, por outro lado, oferece o segundo melhor preço para quem opta pelo serviço de shuttle.

O rombo no orçamento é maior para quem opta pelo TomorrowWorld. Mesmo com a cotação do dólar ligeiramente inferior à do euro, quase todos os itens pesquisados saem mais caro nos Estados Unidos. Já o custo do Tomorrowland na Bélgica fica no meio termo. O transporte custa menos na comparação com o Brasil e os Estados Unidos e o valor unitário do Token é ligeiramente mais baixo. Entretanto, o preço cobrado para acesso à DreamVille é o mais alto de todos.

Comece a se planejar. Crie alertas de preços e pesquise passagens para São Paulo ou para a Bélgica. Pesquise também hotéis próximos a Itu, em São Paulo, e próximos a Boom, na Bélgica. Se preferir, consulte preços de pacotes para o Tomorrowland

O custo Tomorrowland comparado

O gráfico abaixo ilustra melhor a comparação do “custo Tomorrowland” nos três países. Comparei os preços do ingresso Full Madness (cobrado para os três dias de festival); do acesso ao acampamento mais básico de todos, o DreamVille Regular (agora chamado Magnificent Dreams na Bélgica); o custo unitário do Token (agora chamado Pearl na Bélgica); e duas opções de transporte – shuttle e estacionamento. O custo final considera o valor que seria gasto por alguém que opta por ir aos três dias de festival, vai acampar e utiliza a opção de transporte mais barata.

Todos os preços usados para a comparação e presentes no gráfico foram convertidos para o real e consideram os valores praticados pelos três festivais em 2015. Para este post, utilizei as seguintes cotações para conversão: dólar = R$ 3,19 e euro = R$ 3,45.

O Tomorrowland oferece outros tipos de ingresso e modalidades de acampamento, além dos que foram citados neste post. Saiba mais aqui.

Monte sua viagem para o Tomorrowland

Se você vai para o Tomorrowland na Bélgica ou em São Paulo, consulte nossos parceiros para compra de ingressos, pacotes, reserva de hotéis e mais.

ferramentas para viajar para festivais reserva de viagem online

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

62 comments

Add yours
    • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 11:32 Responder

      Certamente, Pablo. As posições de mais caro e mais barato sofreriam uma reviravolta nessa perspectiva que você propôs. Quando fiz as contas pensei em fazer algo do ponto de vista de um brasileiro que sonha em ir a um dos três festivais, ou seja, o custo do ponto de vista de quem ganha em reais. Mas comparar com o salário mínimo de cada país é realmente uma boa, não só para o Tomorrowland, mas também para outros festivais, já que a gente está sempre falando aqui de festivais gringos. Uma bela dica que você deu! Obrigada.

      • Luiz Eduardo 20 julho, 2015 at 19:41 Responder

        Priscila, considerando que os custos levantados seriam baseados em um brasileiro indo ao festivel, seria interessante, levar em consideração o transporte aéreo por exemplo saindo de algumas capitais como RJ e SP, que são os principais pontos de partida para viagens aos EUA e Belgica. Assim dá pra levar em conta todo o custo envolvido. Ainda sim, parabéns pela pesquisa.

        • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 21:31 Responder

          Realmente, Luiz. É um dado que ajuda a complementar bem. Pensando aqui bem rápido, imagino que seria pelo menos uns 2 mil para os EUA e 3 mil para a Bélgica, podendo variar pra mais ou pra menos dependendo da antecedência da compra ou até de promoções. Mas uma pesquisa mais cuidadosa seria necessária.

    • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 14:01 Responder

      Este é o comentário geral que tenho visto nos grupos do Facebook, Junior. As pessoas gastaram um valor relativamente alto, mas saíram bem satisfeitas do festival. Não vi, até o momento, críticas ou reclamações graves.

      • Junior Vazquez 20 julho, 2015 at 20:05 Responder

        aa claro que tem pontos negativos.. o melhor foi…
        “cachorro quente e cachorro quente tomorrowland”
        Ok.. quantos tokens? 2 tokens o normal e 2,5 o tomorrowland, e qual a diferença?
        o tomorrowland vem molho.. IAUHEIAUHEIAHEIAHEIAUHE
        achei um pouco caro os chopps também, por serem meio aguados..
        na loja de souvenir deu 2 da tarde acabaram os bonés… pouquíssima variedade de camisas =[
        de resto foi sossegado

        • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 21:56 Responder

          Ih, Junior. Não tem jeito, comida dentro de festival é sempre um roubo! Pelo menos a galera que acampa pode levar comida também pra não ficar dependendo só desses preços sem noção…

  1. Rafael Bernardo 20 julho, 2015 at 14:45 Responder

    Eu gastei bem mais do que isso já que tive que comprar barraca e tudo. O festival tinha uma boa organização interna mas até chegar nele era uma bosta e a falta de informação e preparo de vários funcionários era uma bosta. Com os preços do Brasil não pretendo voltar, mas sim ir para Bélgica.

    • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 14:57 Responder

      Oi, Rafael. Conforme eu tinha falado no comentário anterior, eu ainda não tinha visto críticas mais fortes ao Tomorrowland Brasil. Mas é claro que tenho acompanhado as reações de um grupo que representa uma fração das dezenas de milhares que foram ao festival. É uma pena que você tenha tido essa experiência. Quando se paga muito alto por um serviço, o que se espera é que a qualidade seja correspondente. Espero que você vá para a Bélgica e tenha uma ótima experiência lá! 🙂

  2. Junior Rodrigues 20 julho, 2015 at 18:37 Responder

    Gastei em média R$ 1,500 e não me arrependo nem um pouco..Concordo que para chegar ao parque o acesso estava meio bagunçado,mais o que vivenciei lá dentro é algo inexplicável.Com toda certeza ano que vem estarei lá novamente. Ahh,parabéns por fazer esse post,tem muitas pessoas que tem dúvidas sobre os valores estimados que se gastam na tomorrow,agora da pra elas terem uma noção..

    • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 21:41 Responder

      Obrigada, Junior. Pelo visto não tem jeito mesmo de ficar com gasto abaixo de mil, né? A maioria tá confirmando que ficou nessa casa dos 1.400, 1.500. É bom que os comentários de vocês que foram ao festival também vão ajudar quem precisa ter noção dos custos 😉

    • Emanuel 7 novembro, 2015 at 01:18 Responder

      fale amigo. vi seu posta aqui e gostaria de saber mais sobro o os custos do tomorrowland. quanto vc teve de gasto com aéreo, hospedagem e ingressos?? fico grato pelo retorno.

    • Priscila Brito 20 julho, 2015 at 21:37 Responder

      Oi, Filipe. Que bom que te ajudou. São valores de referência para este ano, e variações podem acontecer tanto em função de aumento de preços quanto de variação no câmbio (pro caso de quem pensa em ir pro exterior). Mas dá mesmo pra ter ideia dos vários serviços pelos quais tem-se que pagar, etc.

  3. Amanda Cancian 23 julho, 2015 at 23:30 Responder

    Independente da crítica por parte de alguns só tem a melhorar! Reclamam que aqui foi ruim, mas sem sombra de dúvidas foi maravilhosooo
    Alimentação é caro em qualquer festival! Referente ao preço do ingresso vale cada centavo sem contar pelo que a gente paga quantos djs maravilhosos não vemos? Ótimo post…

  4. Carlos Henrique Rico 24 julho, 2015 at 03:28 Responder

    Maravilhoso seu trabalho de comparação. Você analisou os custos do festival e não do quanto cada um foi gastar proporcionalnente. Por isso nada de usar unidade de referencia como salario mínimo para comparar. Não dá certo. Se vc inluir o preço da passagem aérea, tambem tem que por o valir para alguém que venha da Bélgica e de Atlanta pra cá para poder comparar igual. Se não colocar significa complexo de vira-latas nosso. O festival foi maravilhoso em todos os aspectos. Quando algo é bom precisa ser caro no nosso país, infelizmente. Quero ir em todas as edições daqui. Parabéns.

    • Priscila Brito 24 julho, 2015 at 14:53 Responder

      Obrigada, Carlos! A questão da metodologia de cálculo tem suscitado pontos de vista diferentes, mas acho que no fim todo mundo está tendo uma luz sobre os custos do festival, assim espero, já que a ideia básica era essa mesmo.

  5. Hilton Araújo 24 julho, 2015 at 14:20 Responder

    Muito boa a comparação. Seria interessante também converter os valores em dólares para termos noção dos valores reais. Fui 2 vezes na Bélgica (2013 e 2014) e 2 vezes nos EUA (2013 e 2014), além do Brasil. Os eventos são similares, mas os valores a serem gastos quando se viaja para fora do país encarecem muito a participação, então, tem-se que ter pelo menos uns 10 mil reais para usufruir com certa comodidade e conforto sem passar necessidades lá fora. Com relação à participação no Brasil foi legal, mas as atrações foram menores que o esperado, tendo em vista que se cobram quase os mesmos valores, além disso, faltou um pouco de organização, talvez por ser a primeira vez no Brasil, e a falta de segurança também incomodou, pois fui agredido dentro do festival em Itú sem nenhuma razão e por alguém covarde, que me atingiu por trás, chegando a desmaiar e ser atendido em um posto médico que acha que todos que chegam lá devem estar drogados, o que não foi meu caso, e já prevendo que pudessem me roubar, deixei os cartões e dinheiro em casa, isso nunca aconteceu lá fora. Fiz meus questionamentos para o evento, visando melhorias. Abraços

    • Priscila Brito 24 julho, 2015 at 15:03 Responder

      Obrigada, Hilton. São muitas outros gastos realmente para incluir nos cálculos, e muitas vezes eles podem variar radicalmente dependendo de cada um. Hospedagem, por exemplo. Há quem não se importe em dividir um quarto misto de hostel com 10 camas porque prefere gastar o mínimo possível. Já há quem prefira ter um conforto ou privacidade mínimos, e aí acaba pagando um pouco mais. Enfim, a ideia era dar um start pra quem estava meio perdido. Sobre o festival no Brasil, é uma pena que não tenha sido 100%. Vejo as pessoas realmente muito entusiasmadas com o TML no Brasil, o alvoroço e a demanda são bastante altos; a organização deveria seriamente corresponder nas mesmas proporções.

  6. Igor 26 julho, 2015 at 11:01 Responder

    Esse valor total de 1204 foi tudo comprado no primeiro lote certo ? Se sim tinha que fazer outros gráficos referente aos outros lotes por que nem todo mundo tem a sorte de compra o 1 lote .

  7. Yuri 26 julho, 2015 at 14:45 Responder

    Seguinte, eu tenho 17 anos e só faço 18 dia 26 de abril ;-; e meu Deus eu queria muito ir, o problema não é o ingresso e sim a idade será que dá alguma merda se eu tentar ir?

    • Priscila Brito 26 julho, 2015 at 16:24 Responder

      Yuri, eu primeiro tentaria conversar com outras pessoas que foram para saber como é a questão do controle de documentos na entrada. Há vários grupos do Tomorrowland no Facebook e você pode entrar neles para perguntar para as pessoas como foi. Outra coisa que você pode fazer é tentar checar diretamente com a organização do festival se haverá algum problema na sua entrada sendo que você vai completar 18 anos pouquíssimos dias depois do festival. Escreva para [email protected] ou [email protected] e explique detalhadamente sua situação. Tomara que não tenha problema! 🙂

    • Priscila Brito 25 setembro, 2015 at 04:10 Responder

      Oi, Priscila. Obrigada! Experiência é tudo em festival e o comentário dominante de quem vai ao TML vai sempre nessa direção. Ir para a Bélgica teria o “tchan” a mais de viajar para um país estrangeiro e tal, mas acho que o TML Brasil conseguiu suprir bem o sonho de muita gente. Aproveite bastante o festival! =)

  8. Handreza Braga 9 outubro, 2015 at 15:38 Responder

    Preciso saber urgente dessa informação,moramos no Amapá e temos que ter toda a programação disposta antecipadamente

  9. Handreza Braga 9 outubro, 2015 at 15:44 Responder

    Pri pretendo adquirir o Magnificiente Greens,quero saber se posso dividir com outra pessoa,sendo que compraremos o Full Madness cada um ?
    Então dividiríamos a cabana durante os três dias.
    É possível ?

  10. Handreza Braga 9 outubro, 2015 at 16:16 Responder

    E também quero saber se o único documento obrigatório de identificação é apenas a identidade ou pode ser outro como Carteira de trabalho ?

    • Priscila Brito 9 outubro, 2015 at 16:41 Responder

      Oi, Andreza! Vou responder todas as suas dúvidas neste mesmo comentário, ok? Sim, pode ficar tranquila, você e seu amigo podem dividir a mesma barraca comprando o Magnificent Greens 🙂 O ingresso do Magnificent Greens é por pessoa, e não por barraca. Sendo assim, desde que vocês dois tenham cada um um ticket Magnificente Greens, podem dividir a mesma barraca. O TML aceita no Magnificent Greens barracas para até duas e até quatro pessoas. Quanto ao documento eu, no seu lugar, levaria os documentos que normalmente são mais aceitos como identificação: a carteira de identidade ou de motorista. 🙂

  11. Ana Paula 11 outubro, 2015 at 14:59 Responder

    Oi Priscila, tudo bem? Uma dúvida, moro na Alemanha, sabe quais cartoes aceitam na compra dos ingressos pra Tomorrowland na Bélgica?

    • Priscila Brito 12 outubro, 2015 at 16:23 Responder

      Oi, Ana! O TML Bélgica tem uma fase de pré-venda mundial (Worldwide) que aceita os seguintes métodos de pagamento: Bancontact/Mr. Cash
      iDeal
      MasterCard/ Visa
      PayPal
      Sofortuberweisung
      ING Homepay
      Maestro

      Note que no caso dos cartões a especificação é somente com relação à bandeira. Não restrições quanto a origem de emissão do cartão. Um detalhes pra ficar atenta é que alguns sites reservam-se no direito de barrar a compra caso o país de emissão do cartão seja diferente do país do IP da máquina de onde está sendo feita a compra. Não sei se este será o seu caso. De qualquer forma, há várias opções de pagamento e também tempo para você se preparar 😉

  12. Natália 7 dezembro, 2015 at 22:00 Responder

    Olá, eu pretendo ir ano que vem na TL da Bélgica e gostaria de saber se você pode me indicar sites de pacotes pra eu cotar valores. Obrigada! 🙂

  13. Deyse Zanchetta 24 dezembro, 2015 at 11:00 Responder

    Os valores na Bélgica também depende do transporte que você vai usar, e de onde você vai sair. Em 2014 fui no Tomorrowland da Bélgica, ingresso FULL MADNESS COM DREAMVILLE levando a minha barraca, saindo de trem PARIS x BÉLGICA, mais onibus até o festival saiu por R$ 2,756.00

    • Priscila Brito 25 abril, 2016 at 09:59 Responder

      Oi, Matheus! O shuttle é o serviço de transporte oficial do TML que te leva até o local do festival. Ele é vendido poucos meses/semanas antes do evento. De modo geral, é assim que funciona. Você tem dúvida sobre o shuttle de algum dos três festivais especificamente (BR, Bélgica ou EUA)?

  14. André Casavechia 26 abril, 2016 at 21:04 Responder

    Olá Priscila!
    Estive este ano na Tomorrowland Brasil, e não achei muito salgados os preços não. Comprei o ingresso antecipado só para a sexta-feira, o que me decepcionou um pouco foi a loja oficial no evento. Poucos bonés, chaveiros tinham acabados, enfim faltou rever o estoque…
    Pra quem gosta de musica eletrônica vale muito a pena ir. Um espetáculo, organização excelente, efeitos visuais show, som com muita qualidade.
    Programando-se com antecedência voce nem nota pesar no bolso.
    Ano que vem vou de novo, quem sabe para Bélgica.

    • Priscila Brito 27 abril, 2016 at 09:11 Responder

      Oi, André! Com planejamento realmente as coisas ficam mais tranquilas. Que bom que você teve uma boa experiência no festival. Dou o maior apoio pra você começar a se programar pra ir pra Bélgica! Certamente vai valer super a pena, como qualquer viagem sempre vale.

  15. Jean Kratéry 9 junho, 2016 at 11:30 Responder

    Nossa muito legal o Post.
    Mas o que você me diz sobre o Tml 2017? Os preços iram cair ou iram aumentar?
    você que é a Expert, em festivais \o/ . heuheu
    Pretendo ir no Tml 2017 e preciso de dicas favoráveis para ir sem medo e voltar satisfeito.

    • Priscila Brito 9 junho, 2016 at 13:11 Responder

      Jean, algum reajuste no ingresso sempre tem. Por exemplo, teve uma variação de uns 40 euros do ano passado pra este ano no valor do ingresso. É possível que suba mais um pouco no ano que vem. Mas esse não é o maior problema. O que vai ser mais determinante para fazer ele ficar mais caro ou mais barato é a cotação da moeda, o que interfere no preço que você vai pagar pelo ingresso, pela hospedagem, pelas passagens, etc. Por exemplo, o preço do ingresso pode até subir, mas se o real tiver um fortalecimento súbito no ano que vem (situação muito hipotética), o euro cai e talvez nem dê pra sentir tanto assim o aumento no preço do ingresso. Outro exemplo: o preço do ingresso pode permanecer o mesmo, mas se nossa economia afundar mais ainda, enfraquecendo muito mais o real, vai ficar mais caro do que já é na hora que você fizer a conversão de moedas. É bastante complexo! Economize o máximo que puder, faça estimativas e torça para nossa economia voltar a melhorar.

    • Priscila Brito 18 julho, 2016 at 12:22 Responder

      Oi, Priscilla! Ainda não. Há alguns rumores de datas, mas nada confirmado oficialmente. Acho que vale ficar atenta ao TML Bélgica este fim de semana, pois pode ser que saia alguma informação oficial. Vamos aguardar! 🙂

    • Priscila Brito 23 agosto, 2016 at 10:20 Responder

      Marisa, um valor aproximado incluindo passagem e hotel pode variar bastante dependendo do tipo de hotel que você escolher (uma cama em hostel pode custar três, quatro vezes menos que uma diária em quarto privativo) e das condições de compra de sua passagem. Você pode aproveitar uma promoção de bilhetes aéreos pra Europa por menos de 2 mil reais ou gastar mais de 3 mil somando conexões e deslocamentos dependo dos aeroportos de origem e destino. Seus hábitos de viagem também interferem. Tem gente que não abre mão de conforto, tem gente que não se importa em passar uma noite em aeroporto pra economizar uma diária. Em resumo, teria que avaliar seu perfil de viagem pra saber melhor.

    • Priscila Brito 3 outubro, 2016 at 20:51 Responder

      Oi, Fernando! A compra de ingresso é bastante concorrida e geralmente acaba bem rápido, então a questão é se preparar bem para ser ágil e estar a postos no minuto que as vendas abrirem (normalmente é no início do ano). A boa notícia é que em 2017 o TML Bélgica vai rolar em dois fins de semana, o que quer dizer que você terá o dobro de chances para conseguir ingresso. Mas lembre-se também que fora a venda direta há também pacotes oficiais vendidos no próprio site e também vendidos por empresas parceiras do TML. Ou seja, apesar da alta demanda, há muitas possibilidades de se conseguir ingresso.

  16. Vinicius Meyrer 4 novembro, 2016 at 10:00 Responder

    Bom dia!
    Estou planejando a viagem para Julho do ano que vem na Bélgica, gostaría dedicas para garantir meu ingresso, tenho receio de fazer o pagamento de toda a viagem e ficar pendente com o ingreso.

    Obrigado!
    FESTIVALANDO!

Deixe uma resposta