milkshake brasilMilkshake Festival/Divulgação

Milkshake Brasil: o que esperar do festival que aposta na diversidade

Música é (ainda) o ponto de partida de praticamente todos os festivais em atividade hoje; muitos deles, cada vez mais, também colocam a tão falada experiência no centro de suas intenções. Mas a diversidade como um princípio, e não como uma consequência (de um lineup eclético, da abrangência do evento, etc), talvez seja uma marca de pouquíssimos festivais. É o caso do Milkshake Brasil, versão nacional do homônimo holandês que tem sua primeira edição no país no dia 16 de junho, em São Paulo, no Autódromo de Interlagos.

O festival espera reunir uma multidão heterogênea de 15 mil pessoas que se posicionam de maneira afirmativa, para celebrar aquilo que são. Para entender essa proposta em detalhes, que levou três anos para ser trazida para o Brasil, o Festivalando falou com Maurício Soares, diretor de marketing da Plusnetwork, responsável pela vinda do Milkshake ao Brasil. Ele também deu detalhes da estrutura do festival e da programação.

milkshake festival

Milkshake Festival/Divulgação

Milkshake Brasil, o conceito

Festivalando: Dentre tantos países no mundo, por que o Brasil foi quem teve a oportunidade de sediar uma edição do Milkshake fora da Holanda?

Maurício Soares: Iniciamos há 3 anos um diálogo com os organizadores do festival na Holanda e acreditamos que agora, em 2017, o debate sobre a diversidade no Brasil alcançou uma maturidade interessante para a vinda do Milkshake.

Além disso, encontramos um grupo de parceiros e profissionais que realmente entendem a proposta do festival e será capaz de traduzi-la para o Brasil da melhor forma possível.

De modo geral, os festivais hoje trabalham muito com o conceito de experiência, de se conectar com as pessoas, etc. Como a proposta do Milkshake se posiciona diante desse cenário?

O Milkshake terá literalmente centenas de performers se apresentando em todo o festival, proporcionando um ambiente jamais visto em eventos deste porte por aqui. Para além disso, uma série de atividades fará parte da programação do evento, com concursos, jogos e outras diversões para o público.

O Milkshake se define como um festival de diversidade e tem aderência forte na comunidade LGBT. Mas fora a diversidade de gênero e sexual, quais outras formas de diversidade também cabem dentro do conceito do Milkshake?

Todas as formas. Gordo, negro, magro, alto, oriental, branco, baixo, hétero, espiritualizado, liberal, progressista… todos são bem-vindos. O Milkshake é um festival para todos que amam – e querem se sentir à vontade, sendo quem são.

Dudu Bertholini foi convidado para fazer a direção artística do festival. Como será o trabalho de adaptar o festival para os interesses e gostos do público brasileiro?

Muita conversa, referências das mais variadas, diferentes vozes e reuniões muito divertidas. É muito importante para todos que estão envolvidos com o projeto encontrar o tom certo, e por isso buscamos reunir um grupo autêntico e criativo.

Podemos esperar mais edições do Milkshake no Brasil nos próximos anos?

Se for da vontade do público, é claro que sim!

milkshake festival

Milkshake Festival/Divulgação

Milkshake Brasil, a estrutura

Faça as contas: o Milkshake Brasil vai ter:

  • 4 palcos
  • 5 blocos de carnaval
  • 1 trio elétrico
  • Mais de 100 bailarinos e ferformers

Maurício Soares, diretor de marketing da Plusnetwork, adiantou pra gente nessa mesma entrevista. Ainda segundo ele, o festival vai ocupar uma área inédita de Interlagos para este tipo de evento.

Milkshake Brasil, o lineup

Para entender o lineup: “a proposta é reunir artistas da música pop, hip-hop, eletrônica e até do samba, refletindo o posicionamento abrangente e multifacetado do festival”, de acordo com Maurício. Além dos shows, ele lembra que a programação vai ter dança, performances, intervenções e também surpresas.

milkshake festival

Milkshake Brasil, a parte prática

Quando: 16 de junho, das 18h às 5h
Onde: Autódromo de Interlagos, São Paulo
Quanto: Pista – R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia). Premium – R$ 349 (inteira) e R$ 274 (meia)
Mais informações: milkshakefestival.com.br

Como chegar

Para chegar ao Milkshake Brasil, em Interlagos, é preciso pegar a linha 9-Esmeralda dos trens da CPTM e ficar na estação Autódromo. Se você não tem acesso direto à linha 9-Esmeralda, terá que fazer integração na estação Pinheiros, da linha amarela do metrô.

checklist electric daisy carnival brasil

Da estação Pinheiros até a estação Autódromo são estimados 24 minutos de viagem (cálculos da CPTM). Em seguida, você terá que caminhar cerca de 20 minutos da estação até a entrada de Interlagos (cálculos do Google Maps). Lembre-se de adicionar o tempo de deslocamento da sua casa/hotel até a estação Pinheiros se você tiver que fazer integração por lá.

Itens proibidos

  • Copo, garrafa ou quaisquer recipientes de vidro;
  • Drogas ilícitas, medicamentos sem receita médica ou produtos compartilhados com outras pessoas por motivos médicos. Será necessária a apresentação de uma receita médica original com o seu nome e com os medicamentos claramente listados, incluindo dosagem diária compatível com os dias de estadia no festival;
  • Projéteis ou explosivos no estado sólido, líquido ou gasoso;
  • Produtos ou materiais e sprays inflamáveis;
  • Objetos pirotécnicos de qualquer tipo (por exemplo: sparklers e foguetes);
  • Barris e cilindros contendo gases ou líquidos de qualquer tipo;
  • Quaisquer armas, facas, objetos pontiagudos, cortantes ou objetos que podem ser usados para ferir alguém (paus, correntes, facas, armas e afins);
  • Materiais destinados à fabricação de bombas ou outros produtos que possam causar explosões e/ou incêndios;
  • Animais (exceto cães-guia);
  • Desodorante, cosmético ou perfume em recipientes ou sprays com volume superior a 30oz/90ml);
  • Lasers Pointers (qualquer cor e potência);
  • Câmeras, máquinas fotográficas profissionais ( lente intercambiável);
  • Pistolas de água;
  • Cadeiras;
  • Papel em rolo de qualquer espécie, jornais e revistas, livros e cartazes;
  • Tintas e canetas;
  • Bandeiras cujo tamanho exceda 1,5m de comprimento por 1m de largura;
  • Bandeiras com mastro;
    Infláveis cujo material possua potencial lesivo;
  • Drone;
  • Walkie talkie;
  • Eletroportáteis;
  • Bastão de selfie;
  • Guarda-chuva (de qualquer tamanho);
  • Malabares;
  • Substâncias tóxicas;
  • Garrafa térmica e Cuia para Chimarrão;
  • Papel em rolo (jornal, revistas);
  • Capacetes;
  • Skate;
  • Patins;
  • Patinete;
  • Bicicleta;
  • Isopor ou utensílios para armazenamento;
  • Tablets e Notebooks;
  • Pingentes, correntes pesadas;
  • Objetos pontiagudos (canetas, palito de cabelo, etc.);
  • Objetos perfuro cortantes (tesoura, cortador de unha, lâmina de barbear);
  • Qualquer material ou objeto cuja dimensão ou peso possa provocar ferimentos em caso de esforço físico isolado ou generalizado;
  • Qualquer item que possa ser usado como um meio de perturbar a paz, pôr em perigo a segurança do público e/ou provocar danos a pessoas e bens, a critério exclusivo da equipe de organização do festival.

Itens permitidos

  • Alimentos industrializados, lacrados e em embalagens que, a critério da organização do evento, não ofereçam risco de ferimentos em caso de esforço físico isolado ou generalizado: 3 (três) itens por pessoa;
  • Copos de água, devidamente lacrados: 2 (dois) por pessoa;
  • Maços de cigarro: 1 (um) por pessoa;

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta