festvial holandês eindhoven estrutura eindhoven metal meeting effenaarEindhoven Metal Meeting 2016. PH: Eus Straver

Como é a estrutura do festival holandês Eindhoven Metal Meeting

A Holanda fez bonito em sua estreia aqui no nosso mundo Festivalando. A rapinha do tacho de 2016, o festival holandês Eindhoven Metal Meeting foi um dos eventos de metal mais bem organizados nos quais já estivemos presentes. O EMM rolou em Eindhoven, cidade ao sul do país, pertinho da fronteira com a Bélgica e Alemanha. A gente esteve lá, nos dias 16 e 17 de dezembro do ano passado e te contamos tudo sobre como é a estrutura deste festival.

O EMM é um festival de médio porte, com apenas 36 bandas tocando em dois palcos de uma das casas de shows mais importantes da cidade de Eindhoven, a Effenaar. Sem dúvidas, entrou para a categoria dos Indoor favoritos, que rolam no inverno.

Effenaar x Eindhoven Metal Meeting

O EMM conta com duas grandes vantagem a seu favor quando o assunto é estrutura: 1) Rola no centrão de Eindhoven, colado com a estação central de trem e com uma das ruas principais da cidade; 2) A Effenaar, casa onde o EMM acontece, é uma das casas de shows mais modernas e bem equipadas em que já estive presente.

Vários serviços que nem costumamos avaliar aqui no Festivalando estavam disponíveis. Por exemplo, disponibilidade de lockers e um guarda-roupas super moderno. Em toda a casa havia paineis indicando as atrações, bem como as atividades disponíveis no espaço, senhas de wifi, etc.

estrutura eindhoven metal meeting festival holandes

Assim, em vários aspectos, não havia possibilidade de muitas falhas para esse festival. Porém, nem tudo é perfeito. Apesar de ter causado ótimas impressões, em alguns quesitos o Eindhoven Metal Meeting poderia ser melhor, e te contamos quais são eles.

Transporte

Nada mais cômodo do que ter a casa de show ao lado da estação central de trens da cidade, não é mesmo? No EMM é assim. A Effenaar está ao lado de tudo – da estação central de trens, dos pontos de ônibus e das vias principais da cidade. Assim, pode-se chegar ao local por vários meios de transporte.

Para quem vai de carro, o estacionamento amplo da estação central, logo em frente à Effenaar, fica totalmente disponível. Claro que, caso chegue atrasada, a pessoa possa ter certa dificuldade para encontrar vagas.

A cidade ainda tem a vantagem de ter um pequeno aeroporto. Então, ainda conta com mais essa benesse do mundo festivaleiro.

Informações

O site do Eindhoven Metal Meeting e as redes sociais são muito bem movimentados. As informações são claras. Você encontra sempre o que precisa. Quando se chega à casa de shows, tudo está sinalizado por meio de paineis eletrônicos. Mas também entregam um programa impresso das atrações do dia.

Já dentro da cidade, não há muitas indicações sobre o festival, nem muitas sobre a casa de shows. Por isso, talvez fosse legal que a organização investisse mais em sinalização na cidade, pelo menos nos focos de chegada dos visitantes, como a estação de trem, por exemplo. ( é do lado, mas a estação é grande e sim, a gente pode ficar dando volta igual barata tonta até achar a saída correta da estação para chegar à casa de shows)

Hidratação e comida

Aí está um ponto difícil. Dentro do EMM, a comida disponível era cara e com pouca variedade. Pizzas e sanduíches, basicamente. As bebidas sim, estavam em vasta quantidade e com preço razoável. Mas, de alguma maneira, as limitações no quesito alimentação não se tornam um problema para o festival.

A Effenaar está de frente para uma rua que tem restaurantes e fast food de ponta a ponta. Ou seja, é possível comer muito bem com pouca grana ali perto. Eu, por exemplo, gastei apenas 10 euros em uma noite inteira, comendo duas boas refeições fora da casa, em um fast food árabe com kebab e batatas fritas, acompanhadas de refrigerante. Mas, para quem tinha mais grana, na rua havia restaurante argentino, grego, italiano… e algumas refeições poderiam ser feitas por até 25 euros.

Sobre a água de graça, nossa prioridade e exigência aqui no Festivalando, havia! Mas, não estava explícito nem sinalizado. Ninguém falava que a água era de graça para quem quisesse. No entanto, a casa é obrigada a oferecer água potável de graça para os visitantes. E daí eu pedi e fiquei de boa. Mas quem não sabe, continua a gastar dinheiro desnecessariamente.

Conectividade

Uma das melhores conexões de internet experienciadas por mim em um festival. Além de ser rápida, era muito estável, apesar de a casa estar lotada de pessoas usando ao mesmo tempo. Além disso, a senha do wifi estava escrita nos painéis eletrônicos para todo mundo ver. Massa, né?

Limpeza e banheiros

O festival não estava tão limpo o quanto poderia ficar. Parece que não havia gente o suficiente para fazer a limpeza das áreas de shows durante as apresentações. E, ao final de cada concerto, quando as luzes se acendiam podíamos ver um chão bem sujo e feio.

Já com os banheiros foi bem diferente. Tudo estava em ordem, bem limpo e com pessoas que faziam a manutenção de maneira sistemática.

Segurança

Uma revista mínima necessária, policiais na praça onde estava a casa de shows, mas nada ostensivo. O clima seguiu de muita tranquilidade e toda a revista foi feita de forma ágil e precisa. A segurança estava na medida certa para o tamanho do evento e o contexto de onde ele acontece.

Os arredores da casa também são bem monitorados, afinal, é o centro de Eindhoven.

festival holandes eindhoven metal meeting

Eindhoven Metal Meeting 2016. PH: Eus Straver

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Transporte10
Informações8.5
Hidratação e comida6.5
Conectividade10
Limpeza e banheiros7.5
Segurança10
O Eindhoven Metal Meeting possui uma ótima estrutura, mas poderia melhorar em alguns pontos, principalmente na questão da água gratuita e também das informações sobre o festival dentro da cidade.
8.8

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close