O Eindhoven Metal Meeting é um festival holandês, que rola anualmente na cidade de Eindhoven, sul do país. O evento é sempre uma das melhores opções de diversão para a turma festivaleira – e principalmente para quem curte metal, antes das festividades natalinas. Entre os dias 15 e 17 de Dezembro a gente esteve por lá para conhecer mais um festival, que deixou tantas impressões quanto deixou saudades.

A Holanda certamente é um destino festivaleiro que você precisa conhecer em breve. O EMM é só um exemplo de como pode ser a experiência de festival neste país, mas tenho certeza que esse relato vai te fazer pensar com muito carinho em incluir o destino na próxima aventura de festival.

*As fotos do Eindhoven Metal Meeting presentes neste post foram cedidas pelo fotógrafo holandês Eus Straver

Jeito aconchegante de festivais de inverno na Europa

Tudo já está aconchegante na Holanda e em toda a Europa nesta época do ano. A cidade de Eindhoven não poderia estar diferente. Cheia de luzes e pessoas felizes, festejando o fim de 2016. O EMM também estava neste clima. Além das instalações quentinhas do Effenaar, as pessoas pareciam estar mais quentes e mais próximas. Mesmo com o inverno, muita gente brincava, sorria, e de fato curtia o festival.

O público holandês é extremamente animado e a casa estava cheia. Havia gente também da Alemanha e Bélgica, todos muito alegres e abertos para conversar. O clima na Holanda é bastante acolhedor. As pessoas são extremamente amigáveis e brincalhonas. As pessoas sabem dos seus limites, entretanto.

O Eindhoven Metal Meeting é um festival de estrutura quase impecável

Eindhoven Metal Meeting
Eindhoven Metal Meeting 2016. Photo: Eus Straver

Depois de passar por vários festivais na Escandinávia, eu não acreditava que poderia encontrar festivais mais organizados e em tão bom funcionamento quanto os de lá. Porém, parece que as coisas na Holanda atualizaram bastante as minhas definições de festival com estrutura impecável.

O EMM tem a estrutura da casa de shows Effenaar em seu favor. É de fato uma casa muito central – do ladinho da estação de trem, colado! É só descer do trem e partir para o abraço!Assim, não se pode reclamar da localização ou da infra de transportes. Além disso, a casa é muito moderna, com dois andares e dois palcos. Um palco fica em uma sala pequena, com capacidade para 400 pessoas.  Já a sala de cima é bem grande, com capacidade para 1200 pessoas. Há um espaço exclusivo para fumantes, o que é muito bom. Há bares muito bem localizados e estruturados pertinho dos palcos.

Os banheiros são muito modernos e limpos. Para tornar as coisas ainda melhores, há serviço de caixa automático e Wi-fi gratuito de velocidade e qualidade de conexão inimagináveis em nossos festivais brasileiros, infelizmente. O que deixaria um pouco a desejar seriam as opções de alimentação, se não fosse a praça comercial da cidade estar justo em frente à casa de shows, com muitas opções de fast food e outros restaurantes de cozinhas de várias partes do mundo.

Álcool e drogas sem tabu, sem abuso e sem confusão em festival

A liberdade que se tem com álcool e drogas na Holanda já não é novidade para ninguém. Estranho seria se a mesma liberdade não fosse aplicada ao festival. Sem qualquer clandestinidade ou ameaça à dignidade, as pessoas fumavam seus baseados na área de fumantes. Havia outras drogas também, claro. O que não é conhecido pelas pessoas, entretanto, é que os Holandeses são sérios até mesmo com o uso de tais substâncias. Não é um ‘oba-oba’ sem limites.

Não havia nada desordenado no festival, não haviam pessoas loucas tirando suas roupas ou desrespeitando outras. Na Holanda, as pessoas têm a liberdade e parece que sabem como fazer para cultivá-la. Não tive nenhuma experiência ruim com pessoas aí. Ninguém brigou com ninguém, tudo ocorreu muito bem desde o início do festival até o final.

Por isso, acho o exemplo bem interessante para refletir sobre os caminhos às vezes hipócritas que nossas sociedades tomam…será que proibir é mesmo solução?

Lineup interessante, mesmo sem muitas estrelas

destruction em eindhoven
Destruction at EMM 2016. Photo: Eus Straver

O lineup do EMM 2016 não foi o mais estrelado da história do festival, apesar de ter atrações de grande peso. O Mayhem fez um show memorável, tocando na íntegra um dos álbuns mais importantes do black metal, o De Mysteriis Dom Sathanas. Também foram bons os concertos do Enthroned, Destruction e Watain. No segundo dia, os grandes shows ficaram por conta do Moonspell e do Tiamat, apesar de ambas as bandas terem privilegiado repertórios recentes, que nem sempre agradam muito. Aura Noir também animou muito a galera.

Eindhoven Metal Meeting
Aura Noir, Eindhoven Metal Meeting 2016. Photo: Eus Straver

Fora isso, muitas bandas da nova e velha safra fizeram o festival ser um espaço musical bem interessante. Pro Pain, Hell, Toxic Waltz, Batushka, Bolzer, Caronte e Harakiri for the Sky certamente deram um tempero especial para o lineup deste ano.

moonspell eindhoven metal meeting
Moonspell, Eindhoven Metal Meeting 2016. Photo: Eus Straver

O resultado final disso tudo é que queremos voltar assim que tivermos oportunidade ao Eindhoven Metal Meeting e achamos que você, principalmente se gostar de metal extremo, deveria vir também 😉

[jetpack_subscription_form title=”Gostou deste post? Temos muito mais pra você!” subscribe_text=”Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.” subscribe_button=”Quero!”]

Leave a comment