#Videoselfie: festival é parque de diversão?

Tenho que confessar: esse é um post que tem pitadas bem generosas de rancor. ( não tanto da parte da Pri, mas sim da minha parte, do meu coração trevoso! haha) Rancor por eu não conseguir conciliar muito bem minha paixão pela música com as estripulias da meninice que não me larga. Foi em 2013, no Rock in Rio que fiquei muito #chatiada pelo fato de não abrir mão dos shows do Rob Zombie, Sepultura, Metallica e Iron Maiden ( bem como de outros artistas) para poder encarar a fila da tirolesa. Vontade não faltou, admito. Porém, como não consigo tirar os olhos do palco um minuto sequer, não consegui brincar. =( virei criança aguada e tendo a concordar com todo mundo que falar que brinquedo em festival é bobeira… até o momento em que eu conseguir andar na tirolesa do Rock in Rio, hahahaha.

Parece que esse ano eu posso ter mais chances. Vai ter aplicativo e tudo mais para você agendar a sua ida aos brinquedos, de preferência nos intervalos de shows. o Rock in Rio ainda fez várias repaginações nos brinquedos.Vão rolar coisas como a Tirolesa em 360, que vai permitir ao usuário ver as belezas de todo o entorno da cidade do rock – nesse caso, só acho que terei náuses, mas ainda boto fé que vai ser divertido. A montanha russa vai ter um novo looping e a roda gigante ganhou requintes de acessibilidade, com cabines preparadas para receber cadeiras de rodas.

É bom lembrar, para o bem e para o mal, que não só o Rock in Rio extrapola o conceito musical da diversão em festival. Você provavelmente já trombou com alguns deles em festivais por aí, assim como eu e a Pri trombamos: luminisos, grandes, coloridos e até gigantes – eles estão presentes nos famosos Lollapalooza, Sziget, Tomorrowland, e até mesmo em festivais de metal, como o Hellfest. Será que o Woodstock e seus antecessores já imaginavam que a coisa ia virar essa fanfarronice toda? Será que nesses antepassados festivaleiros já tinha algum esboço de parquinho, brinquedinhos e tal? Isso é causo e investigação para um novo post!

Nesse aqui a gente quer saber mesmo de você se festival é para ser igual a um parque de diversão ou não é? Você ficaria satisfeito em ir a um festival só pela música ou essas outras modalidades de entretenimento se tornaram muito importantes na atualidade? Assista e conte para a gente o que você pensa a respeito 😉

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta