Reclamações sobre festivais de música: pode ou é heresia?

Será que pode reclamar de festival de música? A dúvida e/ou a resposta para essa pergunta parecem ser meio idiotas, mas não são. O assunto  das reclamações sobre festivais de música é polêmico e há posts em redes sociais que nos provam isso. Experimente reclamar de algum festival para ver. Sempre vai ter alguém com o contraponto – “mas você está pegando pesado!” ou “Ah, mas pelo menos teve festival, deixe de ser reclamona”. É ou não é?

Mas existe isso de reclamar de festival?

Não só existe em nossos comentários do cotidiano, seja nas redes sociais ou em nossos meios sociais, como também existem maneiras formais de registrar declarações.

O site de apoio a defesa dos direitos do consumidor Reclame Aqui é um bom exemplo. Procure a palavra festival e observe os resultados. Você verá que boa parte dos grandes festivais brasileiros já receberam algum tipo de reclamação. A maioria delas é referente às transações de ingressos, no entanto.

Sobre o que posso fazer uma reclamações sobre festivais de música?

Sobre muitas coisas. Mas para isso, precisamos mudar a nossa visão sobre os festivais. Eles não são apenas aquele evento pelo qual se esperou vários dias. A maioria deles não é de graça e possui fins lucrativos, aqui no Brasil.

Lembre-se sempre:  As organização dos festivais não estão nos fazendo favores. Os festivais são um tipo de serviço prestado ao consumidor. Como tal, cobram (e muitas vezes caro),o que implica dizer que é obrigação deles atender a determinadas necessidades que serviços de tal natureza demandam.
Caso esse serviço não seja realizado como esperado, em seus mínimos detalhes, pode-se e deve-se reclamar.

Festivalando já nasceu “reclamão”

A gente já nasceu reclamando. Desde o início do site, lá em 2014, instituímos o Festivalômetro. O Festivalômentro é o nosso veículo oficial de “reclamação”. Na verdade, é uma reclamação em forma de avaliação, ou o contrário, como quiserem entender.

Lá a gente fala de tudo. Da estrutura, falamos em detalhes como: limpeza; oferta de água – que reclamamos ainda mais quando não é de graça; oferta de comida; banheiros; transporte entre outras coisas. Entendemos que existem necessidades básicas que os festivais devem atender para garantir aos expectadores uma boa experiência. Caso elas não sejam atendidas, ganham nota baixa, sim!

Outros instrumentos para reclamar de festival

Alguns festivais matem fóruns de dicussao mediados que são ótimos lugares para expressar o seu descontentamento e indignação com algum serviço prestado. Outro lugar onde da para fazer aquela pressão e nas redes sociais. Escrever um post e marcar, ou as vezes chamar no inbox também pode levar a algum lugar.

Por que é importante fazer reclamações sobre festivais de música?

Vire e mexe a gente se esbarra em gente falando que nós reclamamos demais de festival, que deveríamos agradecer que o festival veio nos resgatar das nossas vidas loser, sem diversão. Só que a história não é bem assim.

Reclamar de festival é exercer o nosso direito como consumidores, pois os festivais são serviços prestados. Além de fortalecer nossas práticas democráticas, as reclamações certas vezes podem ajudar os festivais a melhorar seus padrões de atendimento e passar menos vergonha, né migues?

Você reclama? Acha que não deve reclamar de festival? Qual a sua opinião? Bora assistir ao vídeo onde a gente discute mais sobre esse tema:

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

2 comments

Add yours
  1. Adriano Melo 7 dezembro, 2017 at 08:44 Responder

    Tema bastante pertinente!
    Participei das edições do RIR 2013, 2015 e 2017, apesar de pouca experiência em festivais, a edição deste ano não proporcionou uma experiência prazerosa, a exemplo das outras edições.
    Minha reclamação vai para a nova cidade do rock, muito grande, muitas opções, mas, muita gente (acho que passou a
    De 100.000) , além da localização dos palcos, tipo, o sunset ficou meio q largado. A outra cidade do rock era aconchegante!!
    Em relação ao deslocamento, o local favoreceu!!

    • Gracielle Fonseca 12 dezembro, 2017 at 11:51 Responder

      Olá, Adriano! Pois é, cada um vive uma experiência também. Para a gente, ficou um pouco melhor a cidade do Rock este ano. Eu tb estive em 2013 e 2015 e achei que as outras cidades do rock eram mais tumultuadas, principalmente por patrocinadores. Agora, a questão do transporte, ficou muito melhor mesmo a questão da acessibilidade em 2017. bjs!

Deixe uma resposta

Close