#VideoSelfie: Realizações 2015 no Festivalando

As inimigas vão ter que se virar para segurar o recalque porque chegou a hora de recordar todas as realizações e conquistas do Festivalando em 2015 (pode ler o post ouvindo Queen Valesca ou a trilha de Carruagens de Fogo, caso você seja mais old scholl). A retrospectiva começou com esse post aqui, que deu uma geral nas nossas andanças pelo mundo: nada menos que 15 festivais em 9 países e rolês por 23 cidades.

realizações 2015

Com essa numeralha toda dá para dizer que eu e Gra conseguimos cumprir com a missão primordial do Festivalando, que é relatar pra vocês, in loco, a real dos festivais. Mas uma outra conquista tornou o cumprimento dessa missão mais que satisfatório. Ao longo do ano, vocês que nos acompanham foram se tornando muito mais numerosos, frequentes e engajados. O Festivalando quintuplicou a audiência mensal em comparação com a nossa média do ano passado. Também arrebanhamos mais seguidores e fechamos 2016 com dez vezes mais gente nos acompanhando no Facebook.

Além de termos atraído a atenção de vocês, apaixonados por festivais, também despertamos o interesse de empresas, veículos de mídia e festivais que se tornaram nossos parceiros. Também despertamos o interesse da academia, e fomos fonte para o trabalho de conclusão de curso de estudantes de comunicação de três instituições espalhadas pelo Brasil: Cásper Líbero (SP), Universidade Federal de Pernambuco e Newton Paiva (MG).

É muito recompensador olhar pra trás e relembrar todas essas realizações porque eu e Gra nos deliciamos com o trabalho no Festivalando, filhotinho que concebemos, criamos e estamos vendo crescer; e também porque essa criação é um trampo louco, que envolve muitas reuniões que duram um sábado inteiro, dezenas de mensagens trocadas todos os dias, textos escritos em aeroportos e hotéis em plena madrugada pós-festival. Rapadura é doce, mas não é mole, coleguinhas.

No vídeo selfie de hoje eu e Gra detalhamos melhor como foi nossa jornada g.l.o.r.i.o.s.a em 2015 e ainda deixamos no ar o que esperar de 2016 por aqui. Comemore com a gente!

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

3 comments

Add yours
  1. Rodrigo Airaf 18 dezembro, 2015 at 12:26 Responder

    priscila como assim vc tem 30 anos?

    fez a macumba da nicole kidman/avril lavigne/jared leto?

    e me diz, o quão confortável pros melônamos é o earplug? não confortável tipo se fica bom no ouvido, mas sim a coisa do som mesmo, abafa muito? desanima um pouco? porque eu definitivamente não sei lidar

  2. Priscila Brito 18 dezembro, 2015 at 14:46 Responder

    Eu lavo o rosto com formol ao invés de usar água 😛
    Sobre os earplugs: se você encontrar um que foi desenvolvido especificamente para ser usado em shows é provável que você não tenha essa sensação de abafamento do som. Esse que eu falei no vídeo, por exemplo, é próprio pra essa situação já que é vendido dentro do festival, o Roskilde no caso. Em lojas de artigos pra músicos deve ter também. Eu realmente não acho que ele abafa o som e só percebo a diferença de volume quando tiro ele. Enquanto estou usando, acho o volume bem satisfatório.

Deixe uma resposta