exit festivalAleksandar Kamasi / Shutterstock.com

Quando você percebe que zerou um festival de música

A primeira coisa que me lembro sobre a primeira vez que zerei um jogo de videogame na vida, é que no outro dia eu já queria outro. Isso rolou comigo, pela primeira vez, com o Sonic The Hedgehog, a propósito, do Master System, cof cof cof – denúncia descarada da minha idade, hauabauahauaau. Acho que com festival de música acontece a mesma coisa…

Não estou falando de zerar uma única edição de um festival. Zerar uma edição tem um significado diferente,pois há acontecimentos tão épicos em dadas edições que você fala que zerou, mas já pensa logo em voltar na próxima.

crowd surfing

Olga Visavi via
Shutterstock

Quando eu falo de “zerar”, aqui, é para dizer de quando você realmente olha para aquele festival e diz adeus, mesmo. Mas não é um adeus rancoroso, aqueles das despedidas de festivais que te decepcionam ou te maltrataram. É um adeus sereno. Adeus da missão cumprida, da ‘paz de espírito’ alcançada com aquele festival, entendeu? hahaha

Talvez não seja tão fácil perceber quando você “zera” um festival, nesse sentido que falei. É fácil perceber quando você está desanimado e não quer voltar mais. Mas não é disso que estamos falando. Por isso, separei alguns indícios que talvez possam nos ajudar a solucionar essa questão existencial juntxs!Mais ou menos um conjunto de ‘sintomas’ que podem te levar à constatação de que você zerou um festival:

*ps: não quero dizer que um só desses indícios indique que você já zerou o festival. Nem que tem que ter todos eles juntos para de fato ter zerado. Mas sim, caso você tenha se identificado com alguns deles, é bem provável que você já tenha zerado o festival, ou esteja a caminho de fazê-lo!

casal de bicicleta

Halfpoint via
Shutterstock

1#Quando você já fez tudo o que queria fazer dentro de um festival

Sabe aquele momento em que você olha para o festival e viu que já fez de tudo que poderia fazer lá dentro? Isso para mim é um indício bem forte. Não digo que você tem que ter feito tudo o que o festival disponibiliza para você fazer. Mas que aquilo que você gostaria de fazer já foi feito. Agora, acho que bati o recorde das frases com o verbo fazer. Tô proibida de usar tal verbo até o fim deste post, hauahaua.

Eu acho que ainda não zerei nenhum festival, nesse quesito. Por exemplo, gostaria de ter rolado na lama no Wacken. Gostaria, também, de ter surfado na multidão e arriscado um stage diving. Ou seja, ainda há coisas importantes a serem realizadas antes de eu dizer um adeus definitivo para esse festival.

Tem gente que fala, por exemplo, que não vai zerar o Rock in Rio enquanto não andar em todos os brinquedos… talvez essa pessoa leve uma eternidade para zerar o festival, diante das filhas enormes que existem para ir nos tais brinquedos… afff.

2#Quando você tem tantas boas histórias de festival para contar quanto for o número de edições em que esteve presente

Sabe aquela coisa de que “quem não tem história para contar, não viveu a vida bem vivida”? Também acho que isso vale para festival. Se você não tem nenhuma boa história de festival para contar, como você pode achar que já zerou ele??? É preciso ter boas histórias em cada festival em que se vai.

Acho que a vida festivaleira tem que ter aventura, sabe? Eu tenho pelo menos uma história para contar de cada festival que fui. Algumas não posso contar aqui, infelizmente, hauahaua. Mas são boas, eu garanto!

O fato é que, quando você tem ótimas histórias, uma coleção tão grande quanto a coleção de pulseiras que você tem deste festival, parece que é um indício de “zeragem”. Pensa bem, depois de tantas histórias boas, talvez você já tenha extraído deste festival tudo o que ele poderia ter oferecido para você!

3#Quando você viu a banda dos seus sonhos tocando no festival dos seus sonhos

Para fãs de música, este talvez seja um dos grandes objetivos de vida dentro de um festival. Muitas vezes, a gente se pega assistindo mil vezes aos dvds dos de algumas edições dos festivais em que aquela sua banda favorita foi, mas você não estava lá. E aí, a cabecinha começa a viajar, idealizar você naquele show perfeito, maravilhoso. E quando isso se realiza, então? Haja coração!

Shows de nossas bandas preferidas dentro dos festivais que amamos tendem a nos levar a um nível de emotividade muito elevado. Tudo isso causa essa sensação de “zerei essa bagaça toda”!

4#Quando você já viu os melhores lineups possíveis deste festival

Às vezes, o seu objetivo musical dentro de um festival não é apenas ver o show de uma banda favorita, mas sim um conjunto delas. Dessa maneira, line ups matadores também dão essa sensação de “zeragem” em um festival.

Fiquei com essa sensação no Graspop do ano passado. Black Sabbath, Iron Maiden, Twisted Sister, Satyricon e por aí vai. Tudo isso me deixou bem emocionada com o festival. Mas, como ainda tenho vontade de voltar, creio que não zerei, hahahahaa

5#Quando  não cabe mais no seu armário nenhum tipo de souvenir de festival

Quando você abre o guarda roupas e vê 20 camisas do Wacken, 20 metalbags, 500 mil copos de cerveja, bandanas, pulseirinhas, pôsteres, guias, miniaturas, ingressos, papéis diversos etc, é, talvez você já tenha ido a edições suficientes, não acha?

A quantidade de souvenir de festival diz muito sobre esse ponto de saturação, a não ser que você seja de fato um obsessivo compulsivo, consumidor descontrolado, colecionador doente, hahahaha.

6#Quando já podem te soltar na festival area de olhos vedados

Você já foi a tantas edições de um certo festival que decorou cada canto dele. Sabe exatamente onde colocam os banheiros, bebedouros, os atalhos, caminhos mais rápidos. Já decorou, também, o food lineup e a posição de cada uma das tendas. Além disso, pode andar no camping facilmente, sem se perder.

Sabe a posição e até as coordenadas de GPS de cada um dos palcos, e ainda pode dizer tudo sobre o transporte e as atrações que existem na cidade em que o festival acontece.

As pessoas do festival já te conhecem, também. Seguranças, organizadores, audiência, bartender… todo mundo já te cumprimenta como se você fosse de casa.

Talvez, já seja hora de mudar os ares, não?

7#Quando você vê a audiência  de festival renovada e fica meio deslocadx

Você anda pelo festival e não vê mais seus velhos companheiros. Às vezes, um ou outro. E, pelo contrário, quanto mais anda, mais vê gente nova e diferente, uma pirralhada que você só encontraria se estivesse de volta ao high school hahahaha

Pois é, às vezes, isso também gera um certo desconforto ou sensação de não pertencimento. Quando você perde a paciência com essa nova onda de público, então… aí, é bem provável que você esteja no caminho de zerar esse festival.

8#Quando você começa a olhar demais para a grama do vizinho

Outros lineups passam a brilhar aos seus olhos. Você começa a procurar, aqui na busca do Festivalando, de preferência, novos festivais =D

Já começa a se imaginar mudando a sua rota habitual, sua peregrinação de todos os anos ao mesmo festival. Já entende que este festival já lhe serviu com todas as benesses possíveis. Só resta gratidão. Nenhuma obrigação, nenhum casamento na igreja ortodoxa que exija que você esteja unidx para sempre a esse festival.

É hora de voar para outras direções 😉

festival de música

glazok90 via
Shutterstock

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

4 comments

Add yours
  1. Jaqueline Souza 20 outubro, 2016 at 01:38 Responder

    Difícil conseguir zerar algum… especialmente se a produção estiver sempre empenhada em fazer algo novo.
    O Maximus, por exemplo, não tinha o melhor line up, mas as duas atrações principais eram o motivo da presença e a experiência de festival valeu a pena (mesmo com preços tão salgados para a realidade brasuca).

  2. Renan 20 outubro, 2016 at 23:11 Responder

    O dia que eu for zerar o Rock In Rio, vai se quando eu já tiver vendo vários festivais na Europa/América do Norte e olha para o line do RIR e dizer: todas essas bandas escaladas eu já assisti. Isso sim é ter a honra de dizer que é hora de fechar um festival. Mas festival aqui no Brasil não dá pra dizer que zera porque a gente sempre se sente à vontade aqui, esse que é o problema.

Deixe uma resposta

Close