Murad Osmann/muradosmann.com

Quando EUA, Rússia e Alemanha se alinham

Berlim é uma cidade que quer te fazer lembrar o tempo todo do que aconteceu ali. O muro que dividiu a cidade em duas deixou de existir na vertical há 25 anos, mas ainda vive em um rastro de ladrilhos que percorre o solo da capital alemã demarcando as direções exatas sobre as quais ele foi erguido. Um gigante memorial em homenagem aos judeus perseguidos e mortos no holocausto, e outros menores que relembram homossexuais e outras etnias também perseguidas pelo nazismo, circundam algumas das áreas mais visitadas de Berlim, nas imediações do Portão de Brademburgo e do Tiergarten. Uma exposição gratuita logo ao lado de um dos resquícios do muro, a Topografia do Terror, revela toda a engenharia anti e desumana do regime nazista.

Em meio a tudo isso, impossível não chamar atenção a presença de uma banda dos Estados Unidos, da Rússia e tantas outras da Alemanha – nações envolvidas nessa teia histórica – num mesmo festival, com um discurso sintonizado contra autoridades, preconceitos contra minorias étnicas e sexuais e o neonazismo. Mais atenção ainda quando o festival em questão, Resist to Exist, acontece em um distrito que viveu uma onda de neonazismo recente e que, no passado, viu o punk ser reprimido pela administração da Alemanha oriental.

Por esses insights, segue abaixo um pouco do que apresentaram no festival dedicado ao punk e hardcore as bandas Die Dorts (alemã, com direito a cover de Iron Maiden, cujo país de origem herdou um dos setores da Berlim ocidental), Total Chaos (americana e da mesma idade da queda do muro) e Siberian Meat Grinder (russa, formada em 2011, na leva do Pussy Riot, mas ainda não calada pelo governo que ecoa os traços repressores da URSS).

 

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close