krowKrow. Rock in Rio 2015. Foto: Guilherme Fernandez/www.guilhermefernandez.com.br

#Podcast: bandas contam histórias engraçadas em festivais de metal

Onde tem banda+ festival, certamente tem história engraçada e curiosa para ser contada. Como os festivais nem sempre são o foco das entrevistas com as bandas, decidimos colocar todos os holofotes sobre eles, claro! Assim, na primeira oportunidade que apareceu,pedimos que alguns artistas nos contassem histórias engraçadas em festivais de metal. Começamos com o metal porque tivemos essa ideia durante o Metalland, festival desse gênero musical que aconteceu em São Paulo, no ano passado. Olha, o resultado foi muito bom! Alguns spoilers: tem história de sadomasoquismo, tem treta com equipe de som, tem vocalista de banda com poderes de X-men, e também tem vocalista importante ‘morto de cachaça’ no camarim do Dio… É mole?

As nossas primeiras cobaias dessa série de entrevistas foram os músicos do Krisiun, Sepultura, Tim Ripper Owens, Uganga, Voodoopriest, Krow, Claustrofobia e Tuatha de Danann.

Porém, para amaciar a conversa até chegar aonde gostaríamos, percorremos outras curiosidades. Por exemplo, queríamos saber quem são os festivais queridinhos da galera. Você já deve ter seus palpites, assim como eu tive, mas escute, pois vai ver que seu palpite pode estar errado.

Também deu curiosidade de saber em quais festivais as bandas grandes ainda não tocaram. E olha… a resposta do Sepultura, por exemplo, compensa muito ouvir! Mas, se você sofre de Troozisse aguda, pule essa parte, hahaha!

Curtimos muito fazer esse # podcast, o que não dá para esconder com a risada estridente da entrevistadora aparecendo em quase todos os momentos (nem foi o álcool). Então, espero que vocês curtam também!

Ah, e se você conhece alguma história super engraçada ou insana de bandas em festival de metal, conta para a gente aí nos comentários, vai? 😉

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close