#VideoSelfie: as novidades do Rock in Rio 2017 e nossas expectativas

Sabe aquele papo de que certas coisas acontecem quando menos se espera? Aqui no Festivalando a gente criou uma super expectativa com o Rock in Rio 2015, em função dos 30 anos do festival, mas o fato é que tivemos uma edição bem sucedida, sim, mas na média das demais. Eis que agora, de repente, não mais que de repente, o festival anuncia uma enxurrada de mudanças e o resultado é que jogamos lá no alto novamente nossas expectativas diante de tantas novidades do Rock in Rio 2017 que esperam por nós em setembro.

Casa nova e a promessa de uma nova experiência

Certamente, a novidade que deve trazer mais impacto para quem vai ao festival – se positivo ou negativo, só saberemos ao fim de setembro – é a mudança de endereço. Sai a Cidade do Rock, entra o Parque Olímpico. O bairro continua o mesmo, a Barra de Tijuca. Isso implica duas mudanças:

  • De espaço: o Parque Olímpico é cerca de duas vezes maior que a Cidade do Rock. No fim do Rock in Rio 2015, comentamos aqui como um dos problemas do festival era o espaço reduzido e a consequente circulação complicada do púbico. Com o dobro de espaço, torcemos para que os deslocamentos lá dentro sejam mais fluidos

  • De deslocamento: o esquema de transporte para o festival vai tirar proveito do sistema utilizado durante as Olimpíadas. Ou seja, para se chegar ao Parque Olímpico durante o Rock in Rio, quem optar pelo transporte público vai usar o metrô + BRT. A organização garante que esse trajeto poderá ser feito em 30 minutos partindo da zona Sul. Até 2015, quando não havia a linha de metrô até a Barra, o trajeto era todo feito de BRT, num esquema até organizado, mas bem mais demorado, pois é muito chão até a Barra. Que a rapidez prometida de fato se confirme.

Quem já entrou no site do Rock in Rio depois desse anúncio deve ter visto o slogan que o festival está utilizando para tratar dessa mudança de lugar: “Uma nova cidade do rock, uma nova experiência”. A gente leva experiência de festival muito a sério, então certamente vamos estar de olho nessa promessa!

Pulseiras no lugar de ingressos

Além de termos destacado o problema da falta de espaço, também já havíamos questionado porque festivais brasileiros grandes como o Rock in Rio ainda não usavam pulseiras no lugar de ingresso.

Bem, parece que o crew Medina estava bem atento às nossas demandas, porque além de terem dobrado o espaço do festival, também atenderam essa outra observação que fivemos.

Em 2017, o festival dos festivais do Brasil vai, finalmente, entrar na nova era de ingressos e usar pulseiras RFID no lugar do agora saudoso Rock in Rio Card. As pulseiras vão dar acesso à área do festival e também serão usadas para pagamento de alimentos, bebidas e demais produtos consumidos lá dentro.

Honrando nossa missão de sempre tirar suas dúvidas, vamos explicar todos os paranauês da pulseira do Rock in Rio nas datas oportunas, ok?

Uma nova Rock Street

Merece atenção, por fim, a repaginada que o Rock in Rio vai fazer na Rock Street. Pela descrição do comunicado oficial, o espaço vai ter potencial para se transformar em uma boa área de convivência, deixando de ser apenas uma atração a mais dentro da cidade do rock.

novidades do rock in rio 2017

Na imagem do projeto, vemos mesas, cadeiras e um bom espaço de circulação (ao contrário da rua apertadinha e congestionada de edições anteriores). A organização também promete árvores, lago artificial (um refresco bom para o calor do Rio) e um ar mais boêmio. Tudo isso ambientado com referências à África, inspiração deste ano para as atrações da Rock Street.

E o lineup?

Bem, o lineup é no fim das contas a parte mais importante nesse conjunto todo de atrações. E há uma ansiedade inevitável. Além de ser natural a gente alimentar expectativas diante do lineup de que qualquer festival, o pessoal do Rock in Rio resolveu deixar tudo com um pouco mais de emoção porque em algum momento no Facebook eles disseram que o lineup desta edição será sem precedentes.

Ficamos aqui na expectativa dos anúncios da programação completa do Palco Mundo e do Sunset (um querido aqui por nós). E como o lineup ainda está em construção, de momento temos um parecer igualmente em construção sobre os nomes anunciados oficialmente (ou não) até agora.

No Vídeo Selfie da vez, eu e Gra comentamos um pouco mais sobre os artistas que já estão confirmados e compartilhamos com você nossas expectativas diante de tantas novidades do Rock in Rio 2017. Dá o play!

Já garantiu seu lugar no Rock in Rio 2017? A gente te conta seis maneiras de conseguir ingressos pro Rock in Rio 😀

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

2 comments

Add yours
  1. Renan 31 janeiro, 2017 at 16:53 Responder

    Mas essa questão dos bancos infláveis acaba prejudicando a visibilidade de outros que querem assistir aos shows, pelo menos é assim que penso. No Circuito BB de 2014 eles colocaram puffs de papelão e tinha gente subindo nele para ver os shows, principalmente os baixinhos. Acho que tudo deve ser resolvido no bom senso. Não sou contra eles, desde que saibam ser usados. Quanto ao line up, o Lúcio Ribeiro chegou a divulgar que o Alter Bridge, alô Gra!, deve se apresentar no Sunset. Espero que tenha muitas atrações inéditas e que possa ser um line satisfatório. Se o festival acertar as arestas da edição passada, sem dúvida vai ganhar mais pontos com o público e a marca vai valorizar-se ainda mais.Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

    • Priscila Brito 1 fevereiro, 2017 at 09:35 Responder

      Ei, Renan! Nesse exemplo que você deu eu acho que o problema é muito mais do comportamento do público e do uso que as pessoas fazem do banco do que do banco em si. Não existe esse tipo de queixa de visibilidade no RiR Lisboa, por exemplo. Talvez se esse tipo de ação fosse mais frequente por aqui as pessoas já saberiam como utilizar esses bancos de um jeito melhor. A expectativa segue forte pro Sunset. Apesar dele não causar o frisson que o palco Mundo provoca, acho que ele é uma base de sustentação muito forte pro lineup do RiR como um todo!

Deixe uma resposta

Close