segundo fim de semana do rock in rio

As manhas pra quem vai no segundo fim de semana do Rock in Rio

Quem vai no segundo fim de semana do Rock in Rio sofre mais com a ansiedade e fica com aquela sensação de estar demorando demais pra chegar na festa. Mas tem a vantagem de já chegar sabendo como as coisas vão funcionar (ou não). Isso é graças a nós, as cobaias do primeiro fim de semana, que vamos lá para reconhecer território e contar pra vocês as manhas, os possíveis perrengues e mandar a real sobre como o festival se saiu na prática.

Pois é, migues, se você não vê a hora de colocar no braço a pulseira dos dias 21, 22, 23 ou 24, agradeça ao Festivalando por poder fazer isso sabendo de um monte de coisa pra facilitar (ainda mais) a sua vida dentro do festival. Olha só:

Há bebedouros escondidos, mas nós os encontramos pra você

Saímos à caça dos bebedouros do Rock in Rio! Sim, eles existem. Mas além de a informação não ser difundida amplamente e da maneira devida pela organização como acontece com outros detalhes do festival, lá dentro não há sinalização alguma para indicar onde eles ficam. Banheiros, lanchonetes, letreiro de patrocinador, tudo é grande e nítido, mas água de graça só na base da caça ao tesouro.

Conseguimos encontrar os bebedouros nos seguintes pontos:

  • Na área da tenda eletrônica, ao lado do posto de informações
  • Ao lado do posto de informações no corredor da entrada principal (para quem chega de BRT)
  • Na direção oposta ao letreiro #ROCKINRIO, também logo após a entrada principal
  • Ao lado do estande da Colgate,de frente para a lateral direita do Palco Mundo

Como não há sinalização e eles ficam meio ~marginalizados, pode ser que a gente não tenha achado todos e existam outros mais na área do festival.

segundo fim de semana do rock in rio

Não é o Coachella, mas é como o deserto: quente de dia, frio à noite

Perguntaram lá no Instagram se dá pra sobreviver ao calor. A preocupação com o calor tem motivos óbvios, mas vale lembrar que você vai experimentar mudanças de temperatura lá dentro. É realmente muito quente durante o dia, porém bate um vento que alivia as coisas. À noite, esse vento fica ainda mais friozinho e pessoas mais sensíveis às baixas temperaturas podem sentir um pouco mais. Quem é calorentx vai gostar.

Foco no palquinho montado no extremo oposto do Palco Mundo

O patrocinador do Palco Mundo montou uma arena do lado oposto ao principal palco do Rock in Rio para receber atrações alternativas durante a tarde. Já no primeira dia, de repente, não mais que de repente, totalmente de surpresa, Pabllo Vittar surgiu por lá. Na hora, muita gente saiu correndo em direção ao palco e o show acabou sendo um dos grandes momentos do dia.

Portanto, sempre que estiver passando nas proximidades do Palco Mundo, dê uma espiada pra conferir quem está nessa arena. Você pode estar perdendo o show de uma grande sensação do momento.

Se você quer ir na tirolesa, roda gigante ou montanha-russa, chegue cedo. CEDO MESMO

Para andar nos famosos brinquedos do Rock in Rio você não paga nada, precisa apenas fazer um agendamento nas estações posicionadas ao lado de cada um deles. O problema: as vagas acabam tão rápido quanto os ingressos. O agendamento da tirolesa acabou em meia hora no primeiro dia de festival, por exemplo.

Family-friendly

Quem leva seus pequenos para o Rock in Rio pode colocar pulseiras de identificação nas crianças oferecidas pela empresa que faz a segurança do festival. Tem também um fraldário no acesso da entrada principal.

segundo fim de semana do rock in rio

Muita paciência na volta

A gente já tinha avisado. Avisamos outra vez: a saída do Rock in Rio exige paciência. Quase cem mil pessoas se deslocando para o mesmo lugar de uma só vez gera gargalos – no mínimo – e tumultos – na pior das hipóteses. Mais uma vez, paciência para evitar o pior.

Eu gastei uns 20 minutos para conseguir embarcar no BRT na hora de voltar (no total, gastei uma hora pra voltar pra Copacabana, contra 40 minutos na ida), mas muita gente se queixou de ter esperado muito mais, fora outros problemas. As reclamações recaíram sobre os portões estreitos da saída e a falta de pessoal para orientar e guiar o público. Como isso repercutiu muito nas redes sociais e em jornais, vamos torcer pra que ajustes sejam feitos.

Passado o gargalo, tudo flui. A quantidade de BRTs a postos para a partida é surpreendente. Os ônibus seguem direto e o metrô (pra quem precisa dele) torna o restante do trajeto mais rápido.

Há um ponto de táxi oficial na saída do Parque Olímpico (pra quem preferir) e os taxistas parecem estar atentos à movimentação do festival. Havia muitos deles na saída da estação Jardim Oceânico e também na Siqueira Campos (Copacabana), onde desembarquei. Isso eliminou a necessidade de chamar por aplicativo e ficar alguns minutos a mais esperando pra voltar pra casa.

Ainda tem alguma dúvida ou quer mais dicas? Dê uma olhada no guia prático de última hora, com absolutamente tudo que você precisa saber pra curtir o festival

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora também coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Além de uma das mães do Festivalando, sou colaboradora da Mixmag e do Brasil Post e autora do Porque eu gosto de música. Também ajudei Paul McCartney a falar uai em pleno Mineirão.

12 comments

Add yours
  1. Glaucio Bonaldo 18 setembro, 2017 at 12:02 Responder

    Boas dicas!! Vamos para o show da quinta-feira e realmente a ansiedade é grande. Você saberia dizer como está sendo a retirada de pulseiras lá na bilheteria? Na sexta-feira ouvi relatos de filas quilométricas, mas depois não vi mais nada. Obrigado e boa semana para vcs!

    • Priscila Brito 18 setembro, 2017 at 12:08 Responder

      Obrigada, Glaucio! Eu cheguei na sexta por volta de 15h30 e vi que a fila de retirada da pulseira estava “razoável” (não estava gigante, mas também não estava pequena). Pode ser que varie de acordo com o horário.

  2. Kênnia Trevizani 18 setembro, 2017 at 13:59 Responder

    E sobre o Primeira classe, realmente ele tem ponto perto da entrada? E vc viu se na saída tem outra passagem para o público dele, Pri?

    • Priscila Brito 19 setembro, 2017 at 02:14 Responder

      Oi, Kênnia! Vem pro Rio logo hehe Então, o Primeira Classe tem uma entrada exclusiva e separada. Quem chega nele entra por um portão que vai dar na tenda eletrônica/Rock District, enquanto que quem chega de BRT entra por um portão que dá no Palco Mundo. Eu imagino que na volta eles mantêm essa mesma separação, Kênnia.

  3. Renan 18 setembro, 2017 at 22:41 Responder

    Esses bebedouros estão localizados na entrada onde é o BRT normal, é isso? Falo isso porque tem o BRT primeira classe, onde eles param em outro ponto, certo? Falando em atração surpresa, bem que no dia 22 poderia ter um show surpresa do The Cult, hehe. Seria demais.

    • Priscila Brito 19 setembro, 2017 at 02:31 Responder

      Isso, esse bebedouro que eu falo que está no acesso da entrada principal é pra quem chega de BRT. Quem chega de primeira classe entra por um portão na outra ponta do Parque Olímpico que vai dar na tenda eletrônica, então vai acabar passando por um desses bebedouros também. Tem um buraco na agenda do The Cult na sexta, quem sabe?

  4. ADRIANA COSTA 19 setembro, 2017 at 11:32 Responder

    GOSTARIA DE SABER SE TENHO QUE COLOCAR CREDITO NA PULSEIRA PARA CONSUMAÇÃO NO EVENTO OU TEREI DE PAGAR NO DINHEIRO E NO CARTÃO DE CREDITO, POR FAVOR ME AJUDE

Deixe uma resposta