Guia de viagem para o Roça ‘N’ Roll

Decidimos juntar tudo o que você precisa saber para ir ao Roça ‘N’ Roll em um só lugar, em um guia de viagem imperdível, aqui nesse post. Afinal, o Roça é um dos festivais de metal mais antigos no Brasil – acontece em Varginha desde 1998, e mantém uma constância no line up com grandes bandas nacionais, bem como atrações internacionais de relevância, o que já é motivo de sobra para você ir a esse festival. Para muitos mineiros, principalmente os que são parte de uma comunidade metálica do sul de minas, o festival já é um evento fixo no calendário. Inclusive, o evento é reconhecido pelo poder local e integra o calendário cultural da cidade. Para quem  é novato e de outros estados, esse guia não só é útil como também um passo para deixar a viagem suave e fazer você querer voltar sempre para esse festival.

Na sua 18ª edição, o festival atinge a maioridade com mais de 380 artistas no currículo e um jeito bem peculiar de ser. Além de o cenário ser a Fazenda Estrela, a 10km do centro de Varginha, a estética do festival é toda voltada para o tema “roça”. A mineiridade está presente nos trejeitos das páginas e materiais de divulgação, bem como nas comidas típicas que fazem parte dos estandes e na decoração rústica – lá, de fato você vai se deparar com uma estrada de terra, mata burros, pão de queijo e caldinho de feijão. E frio. Muito frio, pois o sul de minas tem médias de temperatura bem abaixo das médias do resto do estado.

Este ano, o festival acontece no dia 28 de maio, feriado de Corpus Cristi.  O line up traz grandes atrações, como a banda finlandesa de doom metal, Amorphis, os brasileiros da Torture Squad, Mythological Cold Towers, Tuatha de Danann, Noturnall, Hatefulmurder, Impurity e mais. O trêm tá bom demais, não acham? Uai, bora então para o que interessa, o guia da viagem ao Roça ‘N’ Roll 2016.

COMO CHEGAR:

De carro

Vindo de Belo Horizonte e região ou de São Paulo e região, a  Fernão Dias BR 381 vai ser sua principal via de acesso à cidade de Varginha. Por isso, prepare uma graninha para o pedágio. Em ambos os sentidos, você vai passar por aproximadamente 7 deles. O valor a de cada pedágio é de 1,80, em média. Não é a toa que a 381 é uma belezura de via para se dirigir, em ambos os sentidos. Ah, se for parar para comer, geralmente os melhores acessos, estrutura, estacionamento etc são os do Graal mesmo. Porém, eu diria que a comida deles näo é das melhores, muito menos os preços. Há outros restaurantes da estrada que costumam ser melhores. Arrisque em algum. As entradas para Varginha são bem sinalizadas ao longo da BR 381.

Para quem vem de BH e vai direto para o festival, um jeito de cortar caminho é entrar no trevo de Três Corações, saindo da 381 para pegar a BR491. Uma vez na 491, dirija até um galpão escrito CAFECO. Em frente a ele você pega o acostamento, e vira para a esquerda, para pegar a estrada de terra que leva à Fazenda estrela. MUITO CUIDADO no Gps a localização da Fazenda onde acontece o Roça aparece com outro nome. O nome que aparece no GPS e Google Maps é ESTRADA DO RIO VERDE, FAZENDA DA CACHOEIRA, N 1014. A localização é essa mesmo. Porém, o nome da fazenda do Roça, na real é FAZENDA ESTRELA. Mas, siga o gps. É a solução mais sábia.

Outras dicas importantes, para quem vai de carro:

  • Em ferramentas de localização, para chegar ao festival, utilize as seguintes coordenadas: -21.6212626, -45.4380484;
  • Do Trevo de Varginha na Rodovia Fernão Dias – BR 381 ao Trevo que leva a Fazenda Estrela, a distância é de aproximadamente 15km;
  • O Clube Campeste e a Ponte do Café Solúvel são os melhores pontos de referência para a entrada no trevo que leva à Fazenda Estrela;
  • Ao entrar no Trevo Varginha-Monsenhor Paulo, todo o trajeto é sinalizado nos  2km até a Fazenda Estrela. Sendo que metade da trajeto é asfaltado e a outra metade de terra;
  • Da Fazenda Estrela ao centro de Varginha, a distância é de aproximadamente 10km.

De ônibus

Para chegar à Varginha de ônibus, basta procurar na rodoviária da sua cidade – ou de cidades próximas – pelas empresas Gardênia e Bragança, principalmente.  As passagens têm valores entre 61 e 150 reais, dependendo de onde você está vindo ( ou até mais, se você resolver vir lá do norte do país, né, heheh). Geralmente, as viagens são bem chatinhas, com várias paradas. Os ônibus de determinadas empresas, tipo os malditos da gardênia, fedem muito! Então, a melhor solução é tomar um comprimido de dramin inteiro e adormecer lindamente.

O centro de varginha fica bem próximo à rodoviária. Coisa de 5 minutos no máximo. Da rodoviária, basta subir a Avenida Benjamin Constant e logo você estará de frente para a nave espacial. No centro, você terá algumas opções para chegar à Fazenda Estrela. A primeira é o ônibus especial, um arranjo que a produção faz em parceria com a empresa Coutinho.

O ponto de partida do ônibus especial é a Praça Getúlio Vargas, próximo à Nave do ET, no centro de Varginha. Ida das 12h às 18h, de hora em hora, e de 19h às 23h de meia em meia hora – e para retorno de 13h às 18h, de hora em hora, e de 19h até madrugada, de meia em meia hora.

VALOR IDA E VOLTA: 10,00

Outra opção, serão os táxis. Não há nenhum acordo entre a produção do festival e os taxistas locais para a padronização de tarifas. O valor médio da corrida do centro da cidade até a Fazenda Estrela é de 80 reais, um preço salgado para quem vai sozinho, mas razoável se dividir com mais 3 pessoas, por exemplo. Caso opte por táxi, consulte essa lista aqui e já fique com alguns telefones de taxistas na manga.

De excursão

São várias as excursões que levam você ao festival. Os preços variam de R$130 a R$250, podendo ter o ingresso incluso ou não. Você pode iniciar seu processo de compra por este email: [email protected]ou entrar em contato direto com os responsáveis pelas excursões, de acordo com a região do seu interesse. Muitas das excursões divulgaram seus contatos na página oficial do Roça’N’ Roll.

ONDE FICAR EM VARGINHA

A escolha pelo centro é sempre a melhor. Economizar com hotéis em locais mais afastados pode significar pagar uma nota em transporte para chegar ao centro e ao local do festival. Liguei para três hotéis bem no centro da cidade, variando entre 2 e 3 estrelas. Os preços médios foram de 90 reais para a diária de um quarto simples, 115 para quarto duplo ou de casal, e 225 para quartos triplos – todos standart. Se quiser luxo, pode acrescentar em média 80 reais a cada uma das diárias de quartos standard.

Geralmente, os hotéis de varginha oferecem desconto na época de feriado, podendo ser de 20 a 30 por cento. Por isso, ao fazer a sua reserva, pergunte pelo desconto. Varginha não possui hotéis no Booking.com, nosso parceiro. Mas você pode achar bons nomes no centro nessa lista aqui.

CAMPING

Camping-Roca-N-Roll-12

Camping Roça ‘N’Roll/ Divulgação

Essa escolha é para os fortes, hahaha. Varginha é fria, e a Fazenda Estrela, local onde acontece o festival é ainda mais durante essa época do ano onde o outono se faz sentir em cidades de médias menores de temperatura. Na Fazenda Estrela, a temperatura da madrugada pode chegar facilmente aos 3 graus celsius. Por isso, nem sempre as barracas podem ser a opção mais confortável.

Eu nunca acampei no Roça, mas procurei saber alguns detalhes com pessoas que já acamparam por lá. Elas adoram o festival. No entanto, não voltam para acampar. Preferem ficar hospedadas nos hotéis da cidade. Um dos principais pontos de reclamaçäo seria a estrutura, apesar de a empresa terceirizada para cuidar do camping admitir que a estrutura é composta por estacionamento, chuveiro quente, banheiros, serviço de bar e restaurante e segurança.

O camping é a opção de estadia mais barata, sem dúvidas. As diárias são de R$ 25 por pessoa, e o pacote de dois dias sai a R$40. As vagas são limitadas, entretanto. A reserva deve ser feita em até uma semana antes do festival, com depósito bancário. Mais informações pelo email [email protected]

É proibido: fazer fogueira, entrar com garrafas de vidro e objetos cortantes, entrada de não campistas, entrar sem a pulseira de identificação do camping.
É permitido: entrar com comida industrializada e com aquela comprada no bar do festival, entrar com latas de alumínio – desde que sejam descartadas em locais adequados.

 

COMER E BEBER

20140517_195216

O Roça sempre conta com uma quantidade razoável de estandes de comida e bebida. Vale lembrar que a maioria dos preços gira em torno de 6 e 15 reais para as porções vendidas e, o pagamento deve ser feito em dinheiro. Você vai encontrar, em geral, pizzas, salgados, pão de queijo, caldo de feijão, espetinhos de carne, macarrão na chapa, sanduíches, hambúrgueres entre outros.

Caso você tenha uma dieta com necessidades especiais, traga algo pronto de casa e avise na portaria do festival, pois as opções dos estandes não costumam atender necessidades mais específicas, para além de opções vegetarianas. Quem quiser trazer algo do supermercado, é possível, desde que seja industrializado. Barrinhas, amendoim e chocolates são boas fontes de energia, geralmente permitidas na entrada da maioria dos festivais.

GRANA

Tire a sua grana antes de ir para o festival. A maior parte das atividades comerciais, incluindo o pagamento da entrada, caso você não tenha adquirido previamente, é feita em DINHEIRO. Não exagere no saque, entretanto. Bebendo e comendo moderadamente, uma pessoa não gasta mais do que 100 reais em um dia de festival no sul de minas. Já as lojas e alguns, feira de vinil e cd geralmente aceitam cartão.

QUAL ESTRUTURA VOCÊ VAI ENCONTRAR

O Roça é o maior festival de metal e rock do sul de minas. Pela sua história ainda recente, prima pelo fato de ter um ótimo line up, pela exclusividade e iniciativa. Mas, ainda tem alguns problemas em pontos estruturais. Os banheiros ainda são todos químicos, infelizmente- apesar de que a produção falou que esse ano vai ter mais banheiro. A conectividade é quase nula, inclusive para telefone, no caso de determinadas operadoras. A segurança é boa, mas ainda enfrenta desafios com relação a alguns pequenos incidentes. Contudo, ainda sim Varginha é uma cidade do interior, e por isso, mais tranquila, bem como o público.

No geral, o que você encontrará no festival é:

Três palcos
Estandes de comida e bebidas
Meet & Greet
Totem do Selfie
Feira de Vinil e cds
Feira de artesanato, vestuário e produtos alternativos
Merchandising de bandas
Varal de poesias e/ou Apresentações de artistas
Assistência médica (SAMU)

É PROIBIDO:

  • Sair e voltar para o evento;
  • Entrada com bebida alcoólica e não alcoólica também;
  • Máquinas fotográficas e filmadoras profissionais sem o credenciamento junto à produção;
  • Entrar com itens de metal, vidro, fogos de artifício, objetos pontiagudos e cortantes;
  • Venda de bebida alcoólica para menores de 18 anos;

TURISMO

Foto Agência Minas

Foto Agência Minas

A própria Fazenda Estrela, onde acontece o festival, tem o seu charme. É bem rústica, tem alguns búfalos, alambique… além disso, há uma pequena cachoeira lá perto que pode ser visitada.

Aqui também a gente fala rapidamente de coisas que você deveria ver em Varginha e região, caso tenha tempo de visitar. Em Varginha, não deixe de passear pela cidade e pelos pontos em que o ET e seus artefatos se impõem aos olhos – a nave espacial, na praça Rio Branco. O Museu Municipal de Varginha também é uma boa pedida. Por fim, a Câmara Municipal tem um prédio charmoso que compensa ser visto.

Lembre-se que Varginha está a apenas 1h20 de carro de São Tomé das Letras, uma cidade que é um paraíso alternativo, com natureza exuberante. Por isso, considere a possibilidade de passar uns dias por lá.

Outros lugares legais no Sul de Minas são as cidades de Carrancas, com cachoeiras incríveis, e as belas TiradentesSão João Del Rey, cheias de história e arquitetura para apreciar, essas cidade são uma ótima pedida de desvio para antes ou depois do festival.

 

Assinar blog por e-mail

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta