live sets do ultra brasilFotos: Ultra Music Festival/Divulgação

Dicas para o Ultra Brasil 2017: como chegar, o que levar, quanto gastar

Sem os dramas do ano passado, tá chegando a hora do Ultra. Do jeito que tem que ser, né? O Sambódromo está lá, pronto desde muito tempo pra receber o festival. O Festivalando não vai estar lá dessa vez, mas isso não quer dizer que a gente vai te deixar no vácuo com dúvidas de última hora. Dicas para o Ultra Brasil 2017, toques de quem sobreviveu ao festival em 2016, informações importantes. Tá tudo aí organizado pra você 😉

Algumas lições do ano passado

A torcida é sempre pra que as coisas boas sejam mantidas e as ruins sejam corrigidas. Não sei como cada um dos itens abaixo vai se desdobrar nesse ano, mas com base do que foi o Ultra Brasil 2016, preste atenção no seguinte:

  • ~Camarote~. Aproveite a arquibancada do Sambódromo. No ano passado, o acesso era livre e a vista de lá de cima era ótima. Muita gente viu os shows de lá. Além disso, é um bom lugar pra descanso naquela hora que você pensa que não vai conseguir mais fritar

  • Água. A não ser que seja uma surpresa de última hora, mas ao que tudo indica não vai ter água de graça como acontece em Miami. MAS tem um bebedourozinho salvador num cantinho do Sambódromo. Desculpa, já não lembro mais onde ele ficava, pero que lo hay, lo hay. Foi ele que muita gente usou pra escapar da água de 300 ml a R$ 8 (que chegou a ser vendida por R$ 10 mais pro fim)

  • Fila. A expectativa, como dito acima, é que as falhas do ano passado não se repitam, até porque neste ano o Ultra Brasil não enfrentou uma fração sequer dos problemas de última hora de 2016, dando tempo para corrigir o que não deu certo. Mas as filas foram uma reclamação fora do comum. Fila por conta de revista lenta na entrada (teve gente que ficou duas horas esperando pra entrar), fila por conta de pouca oferta de banheiro, etc. Prepare sua paciência e reze pra que a organização faça melhor esse ano

Como ir e voltar do Ultra Brasil 2017

Como você já sabe, o Ultra Brasil acontece no Sambódromo do Rio. Está previsto para começar às 16h e terminar às 2h, na quinta-feira e na sexta-feira. No sábado, o festival também começa às 16h, mas termina mais tarde, às 3h. Isso te obriga a considerar alternativas diferentes para ir e voltar do festival.

Para ir

O Sambódromo tem acesso fácil pelo metrô. Ficando na estação Praça Onze (linha 1), você vai ter que caminhar menos de dez minutos até o Sambódromo. No mapa você consegue ver a distância entre o metrô e o sambódromo. Você pode simular seu trajeto de metrô para saber como chegar até a Praça Onze. É o meio mais barato. A tarifa do metrô é R$ 4,30 e para ter acesso ao transporte basta comprar nas estações um cartão pré -pago para carregar o valor que for mais conveniente (carga inicial mínima = R$ 5).

Para voltar

Não há nenhuma informação sobre funcionamento do metrô por 24h como aconteceu no Rock in Rio. A princípio, o funcionamento será como de costume: de segunda a sábado, das 5h às 0h e domingos e feriados, de 7h às 23h. Sendo assim, transporte público na volta só mesmo se você sair (bem) antes do festival acabar.

Em 2016, havia um ponto de táxi logo na saída e um ponto de embarque para Uber um pouco mais afastado. Havia filas para o táxi, mas a quantidade de carros era bem grande (ao menos logo após o término). O que a gente espera é que o mínimo da estrutura seja mantida novamente.

Para ir e voltar de um jeito só

Há a opção do transfer oficial do Ultra que parte de Copacabana (rua Tonelero, 154). Ao custo de R$ 89 + 10% de conveniência (R$ 97,90 no total) por cada dia de festival você garante a ida e a volta. Na ida, o transfer sai às 16h. Na volta, ele retorna ao mesmo local de embarque 30 minutos após o fim do festival. Você pode comprar aqui.

live sets do ultra brasil estrutura do ultra brasil dicas para o ultra brasil 2017

Quais as formas de pagamento dentro do festival?

Assim como em 2016, o Ultra Brasil vai usar um cartão cashless para compra de comida e bebida. Felizmente, neste ano a gente ficou sabendo disso meses antes (no ano passado anunciaram o esquema cashless NO DIA do festival, confundindo todo mundo).

Você pode carregar créditos antecipadamente e também dentro do festival, mas fazendo antes você não paga a taxa de ativação do cartão (R$ 5).

Quem quiser carregar antes deve entrar aqui, fazer o cadastro e definir a quantia que deseja carregar. O valor será debitado no cartão de crédito informado. Você vai receber um QRCode que deve ser apresentado nos pontos de recarga para que você receba o seu cartão.

Ao fim do festival, se você tiver créditos remanescentes, eles serão reembolsados para o cartão de crédito usado na recarga. Porém, será cobrada taxa de reembolso no valor de R$ 6.

Quanto dinheiro carregar?

Um monte. Em 2016, só a água de 300 ml custava R$ 8. Lanches diversos (pizza, sanduíches) na casa dos R$ 15 e R$ 20. Isso te dá um parâmetro sobre o custo das coisas lá dentro.

O que pode e não pode levar no Ultra Brasil?

Maquiagem e bandeiras (sem mastro ou suporte rígido), dentre outros itens, podem entrar. Por outro lado, está barrada a entrada de alimentos, mesmo que selados e industrializados. Veja abaixo a lista completa do que pode e não pode entrar.

ultra brasil 2017 ultra brasil 2017 ultra brasil 2017

Divirta-se

No fim a gente só quer que tudo dê certo e que todo mundo se divirta. Como não estarei lá, ainda preciso que vocês se divirtam por mim 😛

Felizmente, a gente pode confiar nos DJs, porque a maioria sempre salva a noite. Os horários das apresentações você pode ver aqui. Fora isso, a MTV Brasil, parceira do festival, vai ter uma cabine pra você fazer fotos/boomerang e compartilhar direto nas redes sociais.

Pode começar a se divertir antes também, com a playlist de warm up do Festivalando, que juntou os remixes, feats. e outras colaborações dos headliners deste ano.

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba nossas dicas, histórias e novidades de viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

2 comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close