Divulgação/Circuito Banco do Brasil

Da terra estrangeira para o Brasil-il-il

Depois de fazer um esquenta um pouco frustrante no Natura Musical, aqui em BH, é hora de retomar a vida de festivaleira pra valer. A volta à ativa vai ser em casa mesmo, na capital do pão de queijo, amanhã (18), no Circuito Banco do Brasil, esse festival que é novinho em folha mas já considero pacas. Não é pelo line up nem pelo formato, mas pela proposta de se espalhar geograficamente pelo Brasil.

No ano passado, em sua primeira edição, o festival teve edições aqui em BH, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Curitiba e Salvador. Este ano, infelizmente, a lista deu uma encurtada (que volte a ser maior nas próximas edições): de seis para quatro cidades. BH abre o circuito em questão, seguida por Brasília, São Paulo e Rio. A programação também sofreu uma enxugada e os dois palcos do ano passado viraram apenas um este ano (que não seja um sinal da síndrome da morte precoce que acomete tantos festivais brasileiros).

Super compacto, o Circuito Banco do Brasil concentra em um único dia shows nacionais (incluindo atrações independentes escolhidas em concurso) e internacionais, além de atividades de esporte e cultura. Ao que tudo indica, neste último quesito teremos uma reprise do ano passado: a Copa Brasil de Street Skate e uma galeria que resume as exposições realizadas pelo banco patrocinador. Amanhã confiro se o repeteco vai ter mais cara de consolidação de formato ou de esgotamento precoce.

Enquanto isso, fica o convite para o aquecimento com uma playlist que reúne as atrações brasileiras que vão passar por todas as quatro cidades. Sim, só as brasileiras, e com direito a rodada dupla de cada artista/banda, apesar do line up se ancorar nos nomes internacionais. Depois de passar tanto tempo festivalando em terra estrangeira, faz bem para os ouvidos focar na música do idioma tupiniquim. Pessoalmente, acho que BH ficou com a melhor fatia da programação nacional: Titãs, que mostra o show do ótimo Nheegatu, e Nação Zumbi, que desde sempre faz (bom) rock nacional no sentido mais puro da expressão. Brasília terá Skank e Plebe Rude. Pitty faz shows no Rio e em São Paulo, enquanto o Rio terá Frejat e São Paulo terá o Skank.

Só para constar, do lado internacional BH e Brasília ficaram com a porção mais MTV da programação gringa – Linkin Park e Panic! At the Disco, duas bandas que tiveram seu auge quando ainda era moda ver clipe na televisão. São Paulo e Rio de Janeiro ficaram com a porção indie do line up, com shows de MGMT w Kings of Leon, e o Paramore figurando como o estranho mais pop nesse ninho.

Semana que vem o Festivalando te conta como foi a etapa de BH do Circuito BH e começa a destrinchar esse novo festival brasileiro, assim como a gente tem feito com os demais.

Dá o play!

Compartilhe este post

Priscila Brito

Sou jornalista e melômana, não sei se nessa ordem. Coleciono ingressos de shows desde 2001. Agora coleciono pulseiras de festival e carimbos no passaporte. Sou uma das mães do Festivalando e fiz Paul McCartney falar uai no Mineirão. Só porque eu gosto de música. Nas horas vagas, faço coisas sérias e tento salvar o jornalismo.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close
Aqui também tem Black Friday! Pacotes pra festivais e seguro viagem até 25% OFFQUERO!
+ +