crushes de festivalVlad_Chorniy via Shutterstock

Como lidar com os crushes de festival?

Aposto que vocês já super estavam com saudade de mais um post do amor com a tia Gra, não estavam? Pois bem, um assunto muito importante para entrar em debate aqui: os crushes de festival. Gente, é preciso estabelecer uma etiqueta para esse negócio, pois eu já vi de tudo nessa vida acontecer: vai ter crush que não vai largar do seu pé, vai ter crush se achando possuidor da sua pessoa ao adquirir status de ficante, vai ter crush que vai sapatear no seu coração, mas vai ter crush que vai atravessar oceanos pra te ver. Vai, pode crer em mim que essas coisas acontecem!

Ninguém é de ferro. Todo mundo está sujeito às paixonites de festival. Mas o lance é saber os limites dessa paixonite, entende? Nem tudo é para ser pra sempre. Eu não disse que você não vai encontrar o amor da sua vida em um festival. Isso pode acontecer também. Mas temos que saber até onde ir e o que esperar dos crushes de festival.

Para que serve um crush de festival?

Primeiramente, é preciso saber que um crush de festival serve para você se animar, ficar empolgadx, se perder nos jogos crushicos até fazer ela/ele ficar com você durante o festival – isso se a química for boa. Pois pode ser também que você queira ficar com a pessoa só no #day1, porque para o outro dia você já está de olho na opção de crush número 2. A regra básica é viver felizes para sempre até que o festival ou o dia de festival acabe. Os crushes/ ficantes de festival não possuem obrigação nenhuma de te adicionar no Facebook, nem de ter você na lista de contatos do Whatsapp!

Assim, crush de festival é alguém pra pegar leve, para curtir o momento. Pode acontecer que a pessoa goste muito de você e que vocês até se encontrem fora do festival. Mas se a pessoa deixou de ser crush e virou peguete lá no festival mesmo, não crie expectativas demais. Pois o que acontece dentro do festival, morre no festival, entendeu?

Regrinhas de etiqueta: como se portar após o encontro com o crush no festival

Como falamos anteriormente, o crush de festival que você pegou não tem obrigação nenhuma de te add em todas as redes sociais. Nem de encher sua caixa de emails ou de ligações no seu celular. A mesma coisa vale para você. Caso o seu crush não tenha sinalizado uma continuidade ou mudança para o status de ficante – seja durante o festival, ou depois do festival, não caia na loucura de começar a mandar mensagens para ela/ele em tudo que é meio de comunicação possível. Nem se torne um stalkeador(a) possessivo(a) da pessoa nas redes sociais. Não peça para add, nem fique perseguindo a pessoa nos prováveis lugares onde ela poderia estar no festival. Desapega e vai ser feliz.

O conselho é: crush fez a/o pêssega? Faz a egípcia e vai linda/lindo procurar outro crush pra chamar de seu. Caso tenha sinalizado uma possibilidade de continuar e deixar de ser crush, de preferência de forma democrática entre vocês dois, vá com calma! Amor de festival não é promessa de amor eterno.

Ah, só uma coisa. Nunca comprometa as suas vontades e sua grana indo sempre a um mesmo festival, atrás de um mesmo crush. Se ele/ela só ficam com você durante o festival, quer dizer que não é para alimentar esperanças de algo para além disso, né? Aí, tem que avaliar bem se compensa ficar indo a um festival que já deu pra você só para encontrar o tal crush ( sim, eu já ouvi relatos absurdos de gente que faz isso por anos… não façam isso, migues! Amem primeiro a vocês mesmxs!)

Rolou aquela paixão que vai romper os muros do festival, o que faço?

Algumas pessoas encontram o amor dos próximos 365 dias delas, ou da vida, desse jeito aí. Já vi muitos casos bonitos acontecerem. Se a coisa rendeu para depois do festival, não há porque ir contra o coração. Deixa a coisa fluir. Porém, avalie muito bem o grau da paixonite. Nada de ficar achando ou prometendo para a pessoa que vai casar com ela e ter 10 filhos. Não! Take it easy, porque ninguém merece cair tombos muito grandes por causa dos desajustes de expectativas, ou de promessas mentirosas. Você também, quando ouvir coisas deste tipo, permaneça com um pézinho atrás.

Outra coisa não menos importante:tenha certeza de ter encontrado o seu crush/ficada no festival certo, naquele que você sabe que vai querer voltar. Pois imagina se seu crush é louco/a com aquele festival que você disse que nunca mais ia colocar os pés? Claro que se a coisa ficar séria entre você e seu crush, e ele deixar de ser crush pra tomar posto de titular, vocês terão que aprender a negociar, como a gente já te contou neste post do amor aqui.

O crush de festival me prometeu mundos e fundos, mas depois, partiu meu coração. Como faço?

Primeiro, faça um bonequinho de vudu dele/dela. Depois, nada de ficar choramingando nas redes sociais, perseguindo a pessoa, stalkeando até as notas dela no colégio. Faz isso não! O melhor a se fazer é esquecer. Caso a dor de cotovelo esteja muito grande, recomendamos você fazer uma playlist e ir afogar as mágoas nela por uns dias – porque sofrência com música é muito mais glamour do que sem, vamos combinar. Depois, foca no próximo festival e vai arrasando crushear/pegar quem você bem entender, pois agora você está livre de novo! Olha que beleza!

O Crush ficou do outro lado do oceano, como que faz?

As pessoas que viajam muito para festival lá fora estão expostas a este problema, mesmo. Bom, se o crush foi só crush, afoga ele nesse oceano e esquece! Agora, se o crush cresceu, virou paixão e prosperou, aumente o seu calendário de festivais para visitar no país da pessoa. Ou combine com ela os melhores festivais para se reencontrarem. É, mas pode rolar de a pessoa atravessar o oceano inteiro para te ver. Aí você precisa estar preparada/o para aguentar as mazelas de relacionamentos à distância, que não são nada fáceis. Daí, é preciso avaliar as possibilidades de futuro com essa pessoa, para não ficar sofrendo à toa, nem fazer o oceano transbordar com as suas lágrimas, não é mesmo?

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close