Cafofo romântico no WackenWacken Metal Heart: o cafofo romântico do Wacken Open Air. Photo: Gracielle Fonseca

Baladas para o dia dos namorados no Wacken

Hoje o Festivalando está super romântico. Afinal, o dia dos namorados está chegando – quer dizer, o dia dos namorados aqui na gringa pelo menos hehehe. É nesse sábado agora, dia 14, o Valentine’s day. Daí, nada melhor do que relembrar um acontecimento/espaço muito engraçado , ops, romântico, hehehe, dessa temporada de festivais de música de 2014 … e para a surpresa de muitos, foi num festival de Metal! Os metaleiros também amam e estão cheios de baladas para o dia dos namorados.

Quem foi ao Wacken 2014, o maior festival de metal do mundo, tem grandes chances de ter notado, assim como eu, um espaço peculiar. Ele estava localizado entre a saída dos palcos principais, a entrada para a área de palco e a entrada para o Wet Stage. Bom, a localização talvez tenha ficado meio complicada, mas aí se você se lembrar do teor da música tocada por lá, talvez isso te refresque a memória:

Tipo, I’ll be there for youWe’ve got each other and that’s a lot For love – we’ll give it a shot… te lembra alguma coisa? Bom, é bem por aí: meloso, doce doce doce, bem mais doce do que o abacaxi de Marataíses rsrsrsrs. Sim, o Wacken tinha um cafofo do amor, o cafofo Metal Heart: era um cubiculozinho no qual alguns metaleirxs se engalfinhavam em beijos – mas muito mais vezes em zueria, ao som das melhores baladas mela cueca e calcinha do metal de todos os tempos! Falamos de Boston, Bon Jovi, Whitesnake, Skid Row, Guns N’ Roses, Poison, Motley Crue e por aí vai… tudo de melhor do hairmetal para te deixar in love.

Era o point da azaração metaleira, ou para curtir uma dor de cotovelo e, enquanto isso, quem sabe achar uma nova alma gêmea de festival – é, porque essas coisas de festival são efêmeras né… ou não… vai saber.

Em homenagem a esse espaço cute que brotou como uma flor em meio da metaleiragem trOO e fedorenta, vem com a gente para essa playlist de hoje, pro cafofo love metal do Wacken!

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta